Chega no próximo dia 18, PATERNIDADE. Estrelado por Kevin Hart e dirigido por Paul Weitz, acompanha os esforços de um pai solteiro, que luta contra sua imaturidade e seu egoísmo para cuidar de sua filha recém nascida após a morte de sua esposa.

Este pai não está sozinho, ele tem ao seu lado sua mãe Anna e sua sogra Marion; a questão é que esta está disposta a forçar que o mesmo volte para sua cidade natal, não somente para que fique perto da neta, mas também pois não acredita que Matt esteja pronto para a paternidade.

O mais interessante é que mesmo com uma premissa já conhecida, ‘Paternidade’ foge da mesmice e nos apresenta um Matt decidido, e digno de reconhecimento, com amigos incríveis dispostos a ajudá-lo a todo custo mesmo demonstrando o total de zero experiência.

‘Paternidade’ é sensível, repleto de lições e autocríticas, compartilhadas de forma leve e descontraída. Kevin Hart bebe da água da comédia para entregar um personagem que amadurece tarde demais, mas com uma performance incrívelmente amável.

A dor e os traumas de que Matt possui em não ter conseguido salvar sua esposa, são projetados em sua filha, e a forma que ele se cobra para que tudo der certo é subentendida em olhares e detalhes não verbais.

‘Paternidade’ é genial quando nos apresenta fases distintas da criação de Maddy por um pai solteiro. Se antes, Matt precisava lidar com as dores, choros e tudo mais, agora este pai, precisa lidar com a identidade de gênero de uma menina que vê sua escola católica impondo o uso de saias ao invés de calças.

No mais, ‘Paternidade’ é um filme típicamente familiar, daqueles que amamos assistir na sessão da tarde. Com drama, humor e mensagens que carregamos pra vida, principalmente de que não somos ninguém sozinhos, e sim, precisamos nos cercar das pessoas que amamos.

O filme estreia em 18 de junho, na Netflix.