Escolha uma Página

Desde o início, a franquia de INVOCAÇÃO DO MAL, chama a atenção dos fãs por se tratar de história reais, descritas nos relatórios de anos e anos de trabalho dos aclamados demonologistas Ed e Lorraine Warren.

INVOCAÇÃO DO MAL 3, não foge a regra e traz consigo, mais um dos casos do casal, contudo, este alcançou patamares midiáticos até hoje mencionados.

Em fevereiro de 1981, Arne Cheyenne Johnson esfaqueou seu senhorio, Alan Bono, até a morte e foi embora antes de ser preso. O filme inclui muitos fatos acerca do caso, que se tornou o primeiro a usar a defesa da possessão demoníaca na história dos Estados Unidos. Mas, deixa de fora outros pontos que falaremos aqui.

Contextualizando, o filme começa enquanto so Warren estão realizando o exorcismo de David Glatzel. Um menino que aparentemente foi possuído por um demônio depois de se mudar para a nova casa de sua família em Connecticut. Arne intervém, com o intuito de ajudar, quando as coisas começam a ficar fora de controle, oferecendo-se no lugar de David. A partir dai, Arne começa a agir de forma estranha logo depois e não demora muito para começar a ter visões, que o levam a a esfaquear seu senhorio 22 vezes. Isso é o que vemos em Invocação do mal 3.

1 – TESTEMUNHAS

O longa sugere que as únicas testemunhas do assassinato tenham sido o próprio Arne e Debbie, sua namorada. No entanto, no mesmo dia que Arne matou Bono, suas irmãs Wanda e Janice estavam presentes, assim como a prima de Debbie, Mary. Bono teria levado os cinco para almoçar naquele dia, onde teria bebido muito vinho, antes de voltar para casa. Arne, Debbie e as meninas estavam prestes a sair quando Bono agarrou Mary. Wanda diz que viu algo brilhante e ouviu Arne rosnar antes de esfaquear Bono no peito e no estômago no gramado da frente. Debbie argumenta que ele esteve em transe o tempo todo. Mais tarde, Arne foi encontrado a alguns quilômetros de distância da cena do crime pela polícia. É provável que o filme tenha deixado de fora as outras testemunhas para manter a história simples.

2 – NOME VERDADEIRO

No filme, o senhorio, que é assassinado por Arne é Bruno Sauls. O filme optou por mudar o nome verdadeiro do senhorio, que era, na verdade Alan Bono.
É provável que o diretor Michael Chaves tenha optado por deixar seu nome verdadeiro fora do filme por respeito a ele e sua família.

3 – O JUIZ NÃO PERMITIU A ALEGAÇÃO DE POSSESSÃO

Na história real, juiz Robert Callahan não permitiu que a defesa alegasse posse demoníaca no tribunal e a rejeitou, então o júri nunca ouviu Arne ou os testemunhos da família Glatzel em referência a ela, incluindo o exorcismo anterior de David. Callahan não acreditava que as alegações de posse demoníaca de Arne pudessem ser provadas em tribunal e não teriam nenhuma evidência real. Após a conclusão do julgamento, o júri levou três dias para determinar que Arne era culpado de homicídio culposo em primeiro grau, tudo sem a defesa da posse sendo levada em consideração.

4 – O EXORCISMO DE DAVID

O filme começa com Ed e Lorraine em meio ao exorcismo de David. É julho de 1981. No entanto, vários padres católicos realmente tentaram exorcizar David no verão e outono de 1980, quase um ano inteiro antes dos eventos de ‘Invicação do Mal 3’ acontecerem. Foi durante esses exorcismos que Arne supostamente zombou do demônio que possui David, o que o filme inclui. Os exorcismos aconteceram meses antes do crime de Arne, mas o filme faz parecer que apenas alguns dias se passaram entre isso e o exorcismo de David. Na verdade, Arne comete o assassinato em fevereiro de 1981.

Outro ponto em relação à David é que a história de sua possessão não é tão simples como foi mostrada, na realidade, Ed e Lorraine acreditavam que o menino estava possuído por aproximadamente 42 demônios, o que é muito. Havia também mais de um padre envolvido nos exorcismos.

5 – O SENSACIONALISMO

No filme, o advogado de Arne hesita em acreditar na história que ele e os Warren apresentam, argumentando que a defesa da possessão demoníaca seria difícil de provar e soa um tanto ridícula. No entanto, o advogado da vida real de Johnson, Martin Minnella, acreditava que a história de seu cliente era legítima e citou alguns casos de possessão demoníaca que foram ouvidos no Reino Unido. Minnella, junto com os Warren, também trabalhou para tornar o caso sensacionalista para a mídia, com o advogado chamando-o de mais “assustador do que O Exorcista”.

6 – ALGUNS GLATZELS FICARAM DE FORA

Carl Glatzel Jr. era o filho do meio da família Glatzel. Ao contrário de Debbie, Carl não achava que David estava possuído e que os Warren exploravam sua família. Enquanto Debbie e Arne continuavam alegando que a possessão demoníaca foi a causa do assassinato de Bono, Carl acreditava que tudo era uma farsa. Na verdade, David e Carl processaram Lorraine Warren em 2007 por supostamente inventar a história de possessão demoníaca, que Carl e o resto de sua família mais tarde refutaram publicamente. Carl é o único membro da família que não aparece no filme.

Com produção de James Wan, o terceiro filme da franquia ‘Invocação do Mal’, conta uma história real, e acompanhará Ed (Patrick Wilson) e Lorraine Warren (Vera Farmiga) atuando ao lado da lei no primeiro caso de possessão demoníaca a ser levado ao tribunal dos Estados Unidos.

‘Invocação do Mal 3: A Ordem do Demônio’ já está disponível nos cinemas.