Escolha uma Página

Chegando sem fazer muito alarde na Netflix, a série Control Z se mostrou um verdadeiro sucesso desde sua primeira temporada. Uma das grandes surpresas da Netflix em 2020, o seriado pegou o público desde o primeiro capítulo, principalmente pela trama de suspense e mistério que criou. Trazendo a fórmula batida de um colégio de alunos ricos, onde problemas particulares se misturam a crimes reais, como tráfico e assassinato, o seriado encontra a fórmula de criar algo original e extremamente necessário nos dias de hoje. 

Quando a primeira temporada chegou, a série foi renovada apenas uma semana depois de sua estreia, chegando ao Top 10 de séries mais assistidas em 64 países. Quando a segunda leva de episódios foi anunciada, os fãs começaram a se perguntar se vingaria e se realmente teríamos algo melhor na nova temporada. Felizmente, Control Z não apenas eleva o nível de sua trama, como deixa ganchos para uma possível terceira leva. Na segunda temporada, fica claro que a produção investiu pesado naquilo que pode ser considerado como ponto forte: o mistério. 

A trama

O novo ano no Colégio Nacional começa dois meses após os acontecimentos do último episódio de 2020, com Javi (Michael Ronda) sendo levado ao hospital logo após ser baleado e aparecer se recuperando. Sofia (Ana Valeria Becerril) está ao seu lado como sempre e o casal volta a ser um dos pontos de destaque da trama, principalmente por não se renderem ao romance tradicional. Enquanto isso,  Raúl (Yankel Stevan) está se escondendo dos colegas de escola, já que todos já sabem ser ele o hacker responsável pelo caos que foi gerado no colégio. Agora que Luis (Luis Curiel) foi morto por Gerry (Patricio Gallardo), as brincadeiras de internet atingiram um novo patamar.

A série explora ainda mais o bullying sofrido pelo menino desde os primeiros momentos em que tentou qualquer tipo de amizade na escola. Como se só agora ele merecesse atenção, Luis teve seu armário “aposentado” pela escola, além de ser homenageado em uma cerimônia organizada pelo diretor Quintanilla (Rodrigo Cachero). É claro que tudo não poderia ser simples assim e durante o evento, um novo hacker começa a usar as redes sociais de Luis para vingar o menino.

Control Z

A primeira temporada pode ser considerada leve em relação a segunda. Os mistérios que cercaram os primeiros episódios agora evoluíram para crimes, sequestros e novas ameaças de morte aos envolvidos na morte de Luis. Incêndios criminosos, pessoas enterradas vivas e bebidas envenenadas são apenas alguns dos exemplos do que acontecem aos jovens e a todo o tempo, a série nos instiga a tentar adivinhar quem foi. Acredite, você não vai conseguir, pois o verdadeiro culpado só é identificado no último episódio, que traz ainda um novo assassinato. 

Além dos crimes, Control Z não esquece que está lidando com adolescentes e também encontra espaço para lidar com temas como aborto, drogas e sexualidade. Cada personagem tem um problema pessoal para lidar e o seriado consegue se aprofundar ainda mais na vida de cada um, não apenas em Sofia e Javier. Nomes menos explorados no ano anterior, como María (Fiona Palomo) e Darío (Iván Aragón), ganham espaço e vemos que existe muito mais por trás da máscara de “está tudo bem”. 

A segunda temporada melhora ainda mais o que foi criado na primeira, deixando os fãs ansiosos por uma nova leva de episódios. 

Control Z está disponível na Netflix.