A imagem do castor não está na cartela do jogo do bicho. Ficou fora da lista de 25 animais escolhidos em 1892, quando o barão João Batista Drummond pensou em um jogo de sorte para atrair mais visitantes ao Jardim Zoológico de Vila Isabel, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Mas o nome do roedor tornou-se o mais conhecido de todos quando o singelo entretenimento virou atividade clandestina, até hoje sinônimo de ilegalidade e lavagem de dinheiro.

Essa história é contada no primeiro documentário do Esporte da Globo original para o Globoplay, disponível a partir desta quinta-feira, dia 11. “Doutor Castor” mostra a trajetória do bicheiro Castor de Andrade, um personagem que transitava entre a obscuridade da contravenção, a popularidade do futebol e o brilho do Carnaval.

Dirigido por Marco Antonio Araujo, o documentário reúne, em quatro episódios, depoimentos de mais de 30 pessoas que conheceram Castor ou tiveram participação em sua história. Presidente do Bangu Atlético Clube e patrono da escola de samba Mocidade Independente de Padre Miguel, usou o futebol e o Carnaval, duas paixões populares, para se inserir de forma positiva na sociedade.

O roteiro assinado pelo próprio Marco Antonio e por Rodrigo Araujo ilumina momentos que muitas vezes parecem até fictícios de tão surpreendentes. Na sexta-feira, a partir das 21h, o SporTV exibe o primeiro episódio na ‘Sessão Globoplay’.

Doutor Castor estará disponível a partir desta quinta-feira, dia 11, no Globoplay.