Chegou hoje, 23 de outubro, na Netflix a minissérie ‘O Gambito da Rainha, desenvolvida por Scott Frank e Allan Scott, e que adapta o romance de Walter Tevis e borda de maneira simples e real o verdadeiro custo da genialidade.

Nos surpreendemos e muito com essa produção, então decidimos trazer aqui, 5 motivos para conferir agora!

1. ADAPTAÇÃO

Sim, a minissérie tem como material original o livro de mesmo nome de Walter Tevis publicado em 1983. Assim como na série, a história se concentra na vida (dos 8 aos 22 anos) de uma órfã prodígio do xadrez, chamada Beth Harmon, enquanto ela luta contra o vício em sua busca para se tornar um Grande Mestre no xadrez.

2. ELENCO

Anya Taylor-Joy se destaca como a protagonista da história, mas os elenco de apoio que complementa a trama, e principalmente são parte fundamental no desenvolvimento narrativo são tão incríveis quanto: Thomas Brodie-Sangster, Marielle Heller, Harry Melling e Moses Ingram.

3. TRAMA

Por mais que haja a história dos torneios de Xadrez, vemos dentro da narrativa de ‘O Gambito da Rainha’, uma história que traçar uma linha tênue entre a loucura e a genialidade e o quanto na vida, precisamos de pessoas ao nosso redor, por mais que as afastemos, elas estarão lá, onde quer que estejamos, por nós. Uma história sobre perda, solidão, amizade e superação.

4. EPISÓDIOS

Para quem curte séries rápidas e objetivas, esta é uma pedida e tanto. Por ser uma minissérie, tem: Começo, meio e fim… E somente, 7 episódios.

5. CRÍTICA

A crítica especializada é unânime em enaltecer a produção que conquistou 100% de aprovação no Rotten Tomatoes (até o momento); tendo sido descrito como: “Um projeto esteticamente bonito com várias performances soberbas, tudo a serviço de uma história que começa a parecer preenchida muito antes do fim chegar.”

Baseada no romance de Walter Tevis, a minissérie da Netflix ‘O Gambito da Rainha’ mostra o verdadeiro custo da genialidade. A história acompanha a trajetória de Beth Harmon (Anya Taylor-Joy), uma jovem abandonada em um orfanato do Kentucky no final dos anos 1950. Ela descobre que tem muito talento para o xadrez, mas fica viciada nos calmantes oferecidos pelo Estado para tranquilizar os órfãos. Atormentada pelos próprios demônios, alimentados por um coquetel de remédios e obsessões, Beth começa a chamar a atenção com suas habilidades e decide superar as barreiras do mundo masculino das competições de xadrez.

 

A minissérie já está disponível na Netflix.