Escolha uma Página

Dr Death chega no próximo dia 12 de setembro ao Starzplay, com oito episódios a produção estrelada por Joshua Jackson como o personagem título, além de Alec Baldwin, Christian Slater, Carrie Preston e Anna Sophia Robb; segue os eventos reais chocantes em torno de um cirurgião do Texas que ganhou o apelido por sua negligência grosseira contra mais de 30 pacientes entre 2012 e 2013.

Tive a oportunidade de conversar com o criador da minissérie, Patrick McManus que nos deu detalhes sobre a produção que é baseada em um podcast de mesmo nome.

McManus iniciou nos dando detalhes sobre o que lhe atraiu, para que trouxesse para o audio visual essa história: “… você sempre vai ouvir de pessoas na minha posição que o que os atrai para qualquer história são os personagens. E eu não estou dizendo que isso não seja verdade. Normalmente é verdade. Mas, neste caso, é especialmente verdadeiro. Absolutamente a história era, como todos sabemos, foi realmente convincente. Foi extraordinariamente dramático, mas para mim a oportunidade de explorar a psique de Christopher Duntsch foi o que mais me fascinou. Disse desde o início que seria muito fácil julga-lo. Chame-o de psicopata. Provavelmente nos faria sentir melhor e dormir à noite sabendo que ele era apenas um maluco, mas ele era muito mais complexo do que isso e em muitos aspectos trágico e antes de continuar, só quero dizer que acredito que ele deveria ficar na prisão pelo resto de sua vida. Não há dúvida sobre isso para mim, certo? Mas ele é interessante para mim porque ele escolheu. A segunda peça desse quebra-cabeça eram nossos heróis. Eles são apenas dois médicos que eram todos os homens certos que estavam tentando descobrir como alguém poderia contaminar a profissão que eles tanto se importam e que para mim, você sabe, colocá-los na mesma categoria que o público em casa tentando descobrir por si mesmos por que ele estava fazendo o que estava fazendo e como estava se saindo impune e, então foi por isso que me apaixonei e por que eu queria fazer isso…”

Por se tratar de um caso real, consideravelmente recente existem muitos âmbitos a serem analisados para respeitar, absolutamente todos os envolvidos, principalmente aqueles que foram as vitimas, inclusive esse foi o maior desafio para o showrunner: “O maior desafio, francamente, é fazer o melhor para os pacientes… embora mudássemos os nomes dessas pessoas e tentássemos não torná-los reconhecíveis, a verdade da questão é que eles estariam assistindo a esse show e nós realmente queríamos, que a verdade que eles passaram, valessem a pena. É como se estivéssemos tentando fazer um bem maior contando essa história. Nós não queríamos prestar-lhes um desserviço, de modo que o maior desafio é garantir que os tratamos com os mais elevados cuidados do paciente. Acertamos com a memória deles, acertamos com a dor deles e que não a exploramos e isso foi um desafio.”

Por mais que a história gire em torno dos crimes de um médico, o sistema hospitalar americano é um grande personagem vilanesco nesta narrativa, inclusive, sendo a maior surpresa para McManus ao se aprofundar na pesquisa: “… o que me surpreendeu e podemos dizer chocado ou surpreso, o que mais me surpreendeu foi, francamente, o colapso sistêmico e como o sistema quebrou e não interferiu e interrompeu Christopher Duntsch, apenas isso foi a parte que eu mais fui ignorante e durante todo o curso de nossa pesquisa na sala dos escritores e nossas entrevistas com os jogadores. Essa foi a única coisa que realmente me abalou profundamente porque estava me iluminando para algo. Eu não sabia qual era falho o sistema médico… e, mas quero dizer que a grande maioria dos médicos e enfermeiras e médicos estão fazendo muito bem todos os dias para manter nós saudáveis ​​para nos manter seguros, colocando suas vidas e em suas carreiras em jogo para nós, mas há um segmento do sistema médico. que está realmente quebrado e precisa ser consertado. E essa foi a parte que eu não conseguia entender totalmente no início.”

Um dos pontos que me chamou muito a atenção, até mesmo no trailer é a maneira de como os sons eram utilizados, de como eles eram peça fundamental para criar a atmosfera de terror sem precisar mostrar muito. Será que era proposital? “Sou um grande fã do gênero de terror. Como sempre, desde que era criança, mas nunca gostei de filmes de terror que eram realmente explícitos. Eu sempre gostei dos filmes que faziam sua mente e sua imaginação fazer mais do que a tela estava fazendo, então você pensava que estava vendo mais do que realmente estava vendo e por isso foi absolutamente uma intenção desde o início. Queríamos tentar mostrar ao público o que estava acontecendo por meio de sons e nossa equipe de design de som é extraordinária e o que eles foram capazes de fazer de novo, mas essa não é minha especialidade. Certo? Então tudo que eu poderia dizer a eles é que eu realmente quero que vocês afetem o público em casa com seus sons, façam isso e eles fizeram um trabalho espetacular. A segunda peça desse quebra-cabeça foi que eu sempre soube que no final nós iríamos mostrar as vísceras e por isso era importante que construíssemos a antecipação na mente das pessoas e, em seguida, meio que atacá-las enquanto estávamos no tribunal, como realmente desvendar tudo o que ele fez de errado, mostrando as coisas que nós não apareceu nos episódios um a sete. Portanto, foi absolutamente estratégico, e como eu disse, eu tenho que dar uma imensa quantidade de todo o crédito, todo o crédito para nossa equipe de design de som Porque o que você sentiu era o nosso objetivo e continuamos ouvindo pessoas recorrentes como você dizendo que os efeitos sonoros nos destruíram totalmente. E essa era a intenção, então estou feliz por estar feliz que deu certo.”

A história de Dr Death é tão complexa que o próprio criador falou que foi preciso deixar muito de fora: “Deixamos muitos momentos fora.. Acho que poderíamos ter estendido a história por mais dois ou quatro episódios e ainda assim deixaríamos algo de fora…”

Joshua Jackson está completamente transformado, e ao conhecer a história real é impossível não projetar. Contudo, diferente de outras histórias nesta não resta dúvida sobre a culpa “Eu acredito que Christopher Duntsch era uma sociopata narcisista. Não acredito que ele tenha feito isso de propósito. Não acho que ele estivesse tentando ativamente machucar ou matar pacientes…”

McManus complementa com a visão de todos os medicos que ele entrevistou e trabalharam com o Dunsch que se ele tivesse cometido um unico erro como ele cometeu que nunca teria entrado em ima sala de cirurgia novamente “…se eles fizessem o que Christopher Duntsch fez com um paciente, quanto mais 33 pacientes e, se ele pretendia fazer de propósito ou não, sua humanidade deveria ter entrado em ação e ele deveria ter reconhecido que era incapaz de operar esses pacientes e ele deveria ter se parado. E essa é a razão pela qual ele merece estar mais na prisão independente de sua doença mental.”

Dr. Death conta a assustadora história real do Dr. Christopher Duntsch (Joshua Jackson), uma estrela em ascensão na comunidade médica de Dallas. Jovem, carismático e ostensivamente brilhante, Dr. Duntsch estava construindo uma próspera clínica de neurocirurgia quando tudo mudou repentinamente. Os pacientes entravam em sua sala de cirurgia para cirurgias espinhais complexas, mas de rotina, e saíam permanentemente mutilados ou mortos. Enquanto as vítimas se amontoavam, dois colegas médicos, o neurocirurgião Robert Henderson (Alec Baldwin) e o cirurgião vascular Randall Kirby (Christian Slater), bem como a promotora de Dallas, Michelle Shugart (AnnaSophia Robb), decidem detê-lo. Dr. Death explora a mente distorcida do Dr. Duntsch e as falhas do sistema projetado para proteger os mais indefesos entre nós.

Dr. Death é estrelada por Joshua Jackson (“Little Fires Everywhere”, “The Affair”, “When They See Us”) como o personagem título, Grace Gummer (“Mr. Robot”, “The Hot Zone”), AnnaSophia Robb (“The Act”, “Little Fires Everywhere”), com Alec Baldwin (“A Star is Born”, “30 Rock”, “Saturday Night Live”) e Christian Slater (“Dirty John”, “Mr. Robot”). 

A série estreia em 12 de setembro, no Starzplay.