A opção de abaixar os preços, mas introduzir propagandas, vem sendo cada vez mais usada por alguns streamings. A opção parece uma solução para as reclamações envolvendo os altos preços, deixando a cargo do usuário ter o conforto de não ver anúncios. Uma das plataformas mais caras, o Disney+, deixou claro que esse não será um passo dado pelo streaming, pelo menos por enquanto.

O CEO da The Walt Disney Company, Bob Chapek, foi questionado durante uma sessão virtual de perguntas e respostas na 23ª Conferência Anual de Comunicações do Credit Suisse. Chapek garantiu que está satisfeito com o modelo atual e não pensa em adotar o modelo de assinatura com anúncios. 

“Não nos limitaremos e diremos não a nada, mas no momento não temos planos para isso. Estamos sempre reavaliando como entramos no mercado em todo o mundo, mas estamos felizes com os modelos que temos”.

Atualmente, a assinatura do Disney Plus no Brasil custa R$ 27,90 no plano mensal, totalizando R$ 334,80 por ano. Quem optar pelo plano anual, em pagamento único, paga um valor menor de R$ 279,90. Alguns serviços, como o HBO Max, disponibilizou um pacote mais barato nos Estados Unidos, com a exibição de anúncios, que custa US$ 9,99 mensais (a versão sem publicidade sai a US$ 14,99 por mês).

Você pode assinar o Disney+ aqui.