Ray Fisher através de suas redes sociais, voltou a reforçar repúdio ao comportamento da Warner mediante as acusações contra Joss Whedon, Geoff Johns e Jon Berg.

Anteriormente o ator havia revelado um e-mail enviado aos seus advogados após uma conversa com o investigador contratado pela Warner onde dizia ter realizado uma chamada de vídeo com o investigador da empresa mais uma testemunha.

Segundo o ator, o comunicado emitido pela empresa no último sábado, 5 de setembro, seria apenas uma tentativa de acobertar a culpa dos acusados.

Ainda nas redes sociais, Fisher mencionou ter comprovantes que sua afirmação é verídica, inclusive de outras pessoas que achou melhor não identificar. O ator aproveitou para deixar claro que Walter Hamada, presidente da DC, nunca pediu por nenhuma ivestigação:

“No texto, eles deixaram a entender que ele me ajudou ao pedir uma investigação. Não foi isso”.

“Walter estava tentando proteger Geoff Johns por causa de sua parceria como Mulher-Maravilha 1984 e sei lá quais outros projetos eles estão preparando”. – Fisher sobre Hamada se negar em acreditar no que dizia sobre Geoff Johns.

O ator finaliza dizendo: “O único jeito de escapar dos jogos de relações públicas é com fatos concretos e mostrar pras pessoas que você não está brincando”

Confira na íntegra:

Entenda o caso: Ray Fisher, acusou Whedon de postura abusiva durante as filmagens de Liga da Justiça, filme da Warner/DC lançado em 2017.