Escolha uma Página

O SUCESSO DAS HQS BRASILEIRAS SÓ CRESCE!

A 28ª. edição do Festival de Banda Desenhada da Amadora, conhecido com o AmadoraBD, aconteceu entre os dias 27 de outubro e 12 de novembro, na cidade homônima, região metropolitana de Lisboa, Portugal. O evento, que premia os melhores HQs do mundo, vem abrindo um importante espaço para o talento dos profissionais brasileiros.

O quadrinista Henrique Magalhães, do Estado da Paraíba, foi premiado em 2016 com o álbum “Seu nome próprio… Maria! Seu apelido, Lisboa!”, como ‘Melhor Álbum de Tiras’ do festival. Nesta edição e com Maria – a mesma personagem que o acompanha há 42 anos -, foi convidado para o evento para lançar seu novo álbum intitulado “Maria – A maior das subversões”.

Apesar te sido criada há bastante tempo, Maria é muito atual, por ser uma personagem engajada com questões feministas.

Em entrevista ao portal ‘Notícias ao Minuto’, Magalhães declarou “Acho muito importante esse intercâmbio, que na verdade é de mão única, de lá para cá. Significa uma atenção e uma abertura muito grande dos portugueses aos quadrinhos brasileiros.

São vários os autores que já estiveram aqui, tanto no Festival AmadoraBD quanto no Festival de Beja.” Sobre o mercado da HQ no Brasil, Magalhães disse que sempre esteve restrito às publicações de massa como a obra ‘Turma da Mônica’, de Maurício de Souza. “Ele criou um processo industrial de produção, mas não sobra muito espaço no mercado para autores individuais. Esse mesmo mercado tem perdido fôlego para outras expressões, como os jogos eletrônicos e o cinema, também por conta do imperialismo, pois os quadrinhos chegam de fora muito baratos”. Apesar de todas as dificuldades da concorrência, ele acredita que o segmento está se renovando e estão surgindo novos editores interessando em publicar quadrinhos para adultos, sejam obras originais ou adaptações literárias.

Magalhães, inclusive, é dono de uma editora de HQ, a Marca de Fantasia. Outros artistas brasileiros dos quadrinhos dividiram espaço com Magalhães no AmadoraBD 2017. Entre eles Marcello Quintanilha, com “O Ateneu”; André Diniz e Laudo Ferreira, com o álbum “Olimpo Tropical”; e Gustavo Borges, que também lançou o livro “A entediante vida de Morte Crens”, durante o
festival. Outras autora de destaque da América do Sul que brilhou nesta edição foi Amanda Baeza, natural do Chile, com o álbum "Bruma". Seu livro esteve entre os três mais indicados para os prêmios nacionais.

O AmadoraBD é organizado pela Câmara Municipal da Amadora, cidade pertencente ao Distrito de Lisboa. Há 28 anos promove quadrinistas portugueses e estrangeiros, com exposições, lançamentos editoriais e premiações, sendo um dos eventos mais importantes deste segmento cultural.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: