Se você nos acompanha aqui com alguma frequência, certamente deve ter percebido o quanto gostamos de acompanhar produções oriundas da literatura. Não é mesmo?! Pois, bem, com a nova série original Netflix, intitulada Warrior Nun, não foi diferente.

O novo drama sobrenatural adolescente da Netflix, desenvolvido por Simon Barry, está muito longe de ser mais uma trama bobinha e esquecível da plataforma. Baseada nos quadrinhos de Ben Dunn, publicados em 1994, acompanhamos Ava, uma jovem de 19 anos que acorda em um necrotério cheia de energia e com um artefato divino alojado nas costas. Ela logo descobre, que demônios estão a sua espreita e se vê parte de uma ordem de freiras guerreiras.

Louco né? Mais louco é ver todo esse misticismo em torno dos preceitos bíblicos aliados à ciência. Mas fique tranquilo, Warrior Nun é bem mais fácil de se compreender que Dark.

Definitivamente essa série é algo que você nunca viu antes, e acho que isso é um dos maiores atrativos do show. De fato um diferencial, em meio a tantas produções “Mais do mesmo”. E a grande verdade é que os episódios ganham potencia quando a distração emocional da protagonista é deixada de lado.

A temporada de estreia, é claramente dividida em dois momentos. O primeiro acompanha Ava e sua descoberta do mundo, fora de sua cama no orfanato, e precisando lidar com um circulo fundido às suas costas. Já a segunda parte, desconstrói a protagonista e ela precisa aprender a lidar com seus medos e a confiar nas pessoas; enquanto assume dua posição de guerreira. E nitidamente uma parte é mais interessante que a outra, isso porque as freiras guerreiras roubam a cena de fato.

Tudo isso em meio a cenas incrivelmente bem coreografadas de lutas, protagonizadas por mulheres muito poderosas, enaltecendo a representatividade. Bem Girl Power mesmo!

E por falar em representatividade, Warrior Nun tem diálogos profundo e pontuais sobre aceitação e ser quem você quer ser. Não é verbalizado sobre a sexualidade de nenhum personagem, mas a subjetividade é nítida e a cena em questão é belíssima.

Grande parte da narrativa é construída em cima de mitos eclesiásticos, e as reviravoltas a cada episódio fazem toda a atmosfera de Warrion Nun ser eficiente e um prato cheio para os fãs do gênero.

Alba Baptista, consegue captar as emoções de uma órfã que reaprende os sabores da vida, após 10 anos vivendo como tetraplégica; além de deixar claro toda a sua descrença.

A série tem muito potencial, com reviravoltas surpreendentes; além de estar sendo comparada com muitas produções que tem a luta contra as forças do mal como premissa. Se prepare para ver muitas batalhas contra demônios e reflexões sobre preconceitos e valores religiosos.

Com uma temporada tão cheia de informações e apresentações desse mundo fantástico, não podíamos esperar todas as respostas. Queremos ver mais da subtrama científica e ainda mais das freiras guerreiras. Tudo que nos é apresentado, é de fato, envolvente.

Warrior Nun é uma grata surpresa, no meio de uma semana com estreias significativas na plataforma. e certamente merece sua atenção.

Warrior Nun já está disponível na Netflix.

LEIA MAIS SOBRE SÉRIES