“Você não pode salvar o mundo sozinho” – essa era a frase do primeiro pôster oficial de Liga da Justiça de 2017, mas que faz muito mais sentido nessa versão de Zack Snyder.

Preciso confessar que antes de lançar essa nova versão, fiquei com muito medo. Principalmente ao tomar ciência de que teríamos que assistir mais quatro horas de uma história que já foi contada. Felizmente, como fã de heróis e de quadrinhos, tenho que abrir meu coração e dizer que o filme precisava ter todo esse tempo mesmo e que no fim, você entende a grandiosidade épica que ele alcança – e o quanto estaríamos perdendo se ele tivesse que ser editado para “caber nos horários de uma sessão de cinema”.

Mesmo que a premissa da história seja a mesma, ‘heróis se unindo para derrotar o vilão que está em busca das caixas maternas’, o Snyder Cut apresenta uma narrativa linear e dando valor à história individual dos heróis. Principalmente no quesito vilão, o Lobo da Estepe se torna muito mais ‘vilãozão’ e você entende a força e a necessidade da reunião dos heróis e de seres de outro ‘universo’ para bater de frente. A batalha contra Darkseid cinco mil anos antes, na Terra, é deslumbrante e praticamente tirada de uma das páginas da Era de ouro dos quadrinhos. Você entende a força e o poder da união das caixas maternas e percebe como elas podem afetar e destruir o mundo.

O filme Batman vs Superman pode não ter sido um dos melhores filmes de heróis da história da DC, mas ele preparou o terreno para que pudéssemos compreender o luto do mundo sem o Superman e a importância que esse ‘deus’ teve. É importante lembrar que estamos falando de um mundo onde o multiverso existe e grandes ameaças podem surgir a qualquer momento. O Superman, mais do que tudo, é necessário.

Outro ponto relevante, são as divisões em capítulos. As seis partes em que o filme se divide, entregam ótimas cenas de ação e destacam a importância de todos os núcleos que já foram vistos em outros filmes do universo cinematográfico da DC. Foi muito mais coerente ver Bruce mergulhar em um sentimento de culpa pela morte de Superman e, depois, ao surgir uma nova ameaça no mundo, tentar reunir um grupo de heróis para salvá-lo.

O filme é sobre unidade. Sobre a formação de um dos grupos mais icônicos da cultura pop. Tudo isso, deixando de lado as piadas e momentos constrangedores da outra versão. O Snyder Cut consegue dar destaque a todos os deuses heróis da DC com tempo de tela suficiente para conhecê-los profundamente.

Devo dizer que fiquei extremamente satisfeita com a história do Flash e do Ciborgue com uma origem mais profunda. Principalmente Ciborgue, que foi um dos personagens de menor destaque na versão anterior. Sua história nos quadrinhos é muito sombria e pesada e trabalha muito suas perdas. Todos ali estão completamente perdidos e sem esperança, Victor Stone se torna uma peça central e fundamental do filme.

Zack Snyder sempre disse que Ciborgue era o coração da Liga da Justiça. Você torce por ele e fica feliz por toda a sua trajetória nessa nova versão. Eu fiquei feliz demais, pois a versão de Patrulha do Destino é entediante e me faz querer parar de assistir. Uma pena tudo o que aconteceu com Ray Fisher, mas faz todo o sentido a luta e o apoio que ele deu ao Zack nos últimos anos.

O Snyder Cut é um filme grandioso e centraliza a importância de um herói de gigantesca importância aos jovens negros que buscam identificação nas páginas dos quadrinhos. Ray entrega demais!

Outro grande trunfo de Zack Snyder foram as cenas de Barry Allen. Mesmo sendo um personagem bem trabalhado nas séries da televisão, Ezra Miller consegue nos convencer de que precisamos ver mais da sua versão do Flash no futuro da DC. Suas cenas na força de aceleração e a vontade de tirar seu pai da cadeia são bonitas e emocionantes, então que venha Flashpoint!

 

Zack Snyder sabe trabalhar muito bem seus heróis e a decisão por colocá-los como ‘deuses’, ganha força com a poderosa trilha sonora e as cenas em câmera lenta. Mas não é exatamente assim que eles sempre foram vistos nos quadrinhos? Como seres em busca de justiça, verdade e humildade? O contraponto crucial e que me faz amar todos os heróis, é que mesmo grandiosos, suas ambições e seus propósitos são humanos. Eles sentem tudo o que uma pessoa sente e é essa empatia que os torna tão incríveis e cativantes. Os ‘deuses’ são reais, que mundo incrível de se mergulhar não é mesmo?

O filme tem muitos pontos positivos e é um ótimo entretenimento para você ver de uma vez só ou dividido em seis partes como uma minissérie. Os efeitos especiais tornam a experiência muito melhor e confirmam que a pressa e a vontade de fazer bilheteria são inimigas da perfeição. ‘Liga da Justiça de Zack Snyder’ tem, em sua essência, a perfeição de unir um grupo de heróis em uma história coerente, épica e emocionante.

Posso dizer que eu quero muito a continuação desse filme pra ontem? Mesmo sabendo que dificilmente ela vai acontecer? Warner, eu te imploro!

Liga da Justiça de Zack Snyder está disponível nas principais plataformas digitais do Brasil.

Confira aqui onde assistir.