JAPÃO, 1956

O que aconteceu em Chernobyl tornou-se um assunto mundialmente conhecido. O desastre radioativo é tema de diversas produções, como a aclamada série de 2019. Mas a tragédia não foi a única a assolar o mundo ao longo dos anos. O Desastre de Minamata foi o nome atribuído ao envenenamento em massa de pessoas na cidade japonesa. Em Minamata, centenas de cidadãos foram contaminados com mercúrio, causando uma síndrome neurológica. Os sintomas são distúrbios sensoriais nas mãos e nos pés, danos à visão e audição, fraqueza e, em casos extremos, paralisia e morte.

Minamata é o nome do último lançamento de Johnny Depp. O ator interpreta o fotógrafo W Eugene Smith, homem marcado pelos desastres do passado. E de acordo com Depp, assim como ele, Smith precisou enfrentar seus demônios pessoais para conseguir fazer aquilo que mais gostava: arte. 

Smith

Eugene ganhou fama como um dos fotógrafos da Segunda Guerra Mundial para a revista “Life”. A beira do suicídio, encontrou no sul do Japão a inspiração que precisava para continuar. Ele foi levado por ativistas para registrar o que acontecia com os cidadãos de Minamata, envenenados pelas emissões da fábrica química.

“Um alcoólatra arruinado que encontra um propósito e um novo capítulo em sua vida. Sim. Ouvi essa história em algum lugar antes” – declarou Depp. 

 

Minamata

Dirigido por Andrew Levitas, o filme traz Depp ao lado de um elenco de atores japoneses. Minami é Aileen, a ativista que levou Smith e acabou por tornar-se sua esposa. O longa foi exibido na 70ª edição do Festival de Berlim e deve chegar aos cinemas em breve. Após sua primeira exibição para o público, o filme foi aplaudido pelo público. 

Uma curiosidade chega com os créditos. Foram inseridas fotos de dezenas de tragédias ambientais ocorridas ao redor do mundo. Brasileiros irão reconhecer o desastre do rompimento das barragens de Brumadinho em 2019, que provocou a morte de mais de 270 pessoas.

Minamata foi exibido na última semana no 70º Festival de Berlin.