Escolha uma Página

O lançamento da NetflixHypnotic” conta a história de Jenn Tompson que, após passar por um trauma, busca ajuda de um hipnoterapeuta para o tratamento. Porém, o especialista tem planos obscuros e a personagem acaba envolvida em uma trama de suspense e terror psicológico. O filme trata sobre mitos e verdades sobre a hipnose e o especialista no assunto, João Heringer, o Padrinho, acredita que em alguns momentos é possível identificar elementos do uso verdadeiro da hipnoterapia.

“O filme é muito real e quem discorda precisa rever seus conceitos de hipnose. Tendo em vista o fato de que a auto percepção de não estar disposto a ser hipnotizado, parar de fumar,  sentir prazer ou a qualquer outra ideia, geralmente é fruto da construção do indivíduo e essa percepção pode ser alterada para o bem”, opina.

Na primeira sessão no filme, por exemplo, Jenn não consegue se deixar crer espontaneamente no tratamento. O Padrinho afirma que o sentimento de ‘não consigo me entregar’, é muito comum na rotina diária.

“É o senso comum de pessoas fragilizadas que não confiam na melhoria, mas buscam a felicidade novamente. Muitos intencionam não se entregar para manter o controle e dependendo de quem estiver fazendo, ganha quem dá mais”, detalha o especialista.

Em um outro momento do filme, é possível perceber referências às teorias freudianas quando Jenn sonha com cenas de memórias implantadas de outra pessoa. Heringer alerta que pode-se interpretar nesta cena, um momento de alerta ético entre todo terapeuta que exerce influência sobre alguém fragilizado que esteja disposto, ou não,  a se entregar ao processo.

“Se os terapeutas não cuidarem dos próprios demônios com ainda mais fervor, correm um risco maior de abusarem de pacientes reais com situações mais brandas que as do filme, porém, tão sérias quanto”, opina.

O longa aborda ainda, a situação de solidão que pessoas com traumas podem ser vítimas quando a amiga de Jenn relativiza os fatos ocorridos.

“Isso é recorrente com todos que buscam ajuda. Quem foi abusado é ignorado, quem está melhorando é desprezado e, por isso, a hipnose da retórica se torna tão poderosa diante do senso comum da auto-afirmação. A energia do paciente é canalizada em cada escolha de melhoria sobre aquilo que sentiu tratar, sem permitir tanta interferência da ‘opinião alheia’”, afirma o Padrinho.

Por fim, o especialista defende que a produção da Netflix, é mais do que um mero alerta contra o charlatanismo. “É também um convite a todos que queiram melhorar qualquer ponto da vida através da mente, que geralmente é a fonte de todas as questões infelizes que a humanidade lida, como disse Freud no livro ‘O mal estar da civilização’”.

Sinopse: Em Hypnotic, querendo mudar a vida, uma mulher (Kate Siegel) busca a ajuda de um hipnoterapista bem renomado. Mas depois de uma pesadas sessões, ela descobre que suas sessões e terapia estão lhe fazendo mais mal do que bem, revelando inesperadas e mortais consequências.

Hypnotic já está disponível na Netflix.

LEIA MAIS SOBRE FILMES