BATMAN!

Em um bate papo regado a nostalgia e admiração, Frank Miller e Rafael Grampá se reuniram mais uma vez. O escritor e quadrinista norte-americano voltou ao Brasil e a CCXP pela terceira vez. Em seis anos de existência, Miller esteve presente em metade dos eventos. Se depender de fãs brasileiros, Frank voltará muitas outras vezes.

Em uma coletiva de imprensa realizada no evento, Miller se juntou a Rafael Grampá. A dupla falou um pouco sobre Batman e também sobre a nova HQ em que trabalharão juntos, Batman: Golden Child.

“As pessoas aqui são muito importantes. É um tremendo grupo de pessoas que ama os quadrinhos e a cultura. E o amor de vocês por arte, pelas histórias, é tudo pelo qual eu dediquei minha vida. Meu tipo de história se encaixa muito bem com o que eu vejo aqui.”

Miller aproveitou para comentar sua opinião sobre o brasileiro Grampá, e não poupou elogios.

“O que eu procuro, mais do que tudo, em pessoas com quem eu trabalho, é ter uma voz única e bonita. Qundo eu vejo a obra do Rafael, sei que posso entregar tudo pra ele e ele vai me trazer de volta.”

Em um momento carregado de nostalgia e emoção, Miller descreveu um pouco de sua história com Batman, sendo chamado de Pai do Batman por Grampá.

“Uma boa história é uma boa historia, independente de como você conta ela.


Eu tinha 5 anos. Meu pai era um vendedor viajante e sempre que voltava de Nova York, ele trazia quadrinhos. Onde eu morava não vendia quadrinhos, então ele sempre trazia alguns. Uma vez e
le voltou com um de 80 paginas, feito de uma reimpressão de tirinhas de jornal. Não parecia como nada que eu conhecia.


O quadrinho não era claro, não parecia muito bom, pessoas iam se machucar na história. E de repente algo enorme, em forma de morcego, as salvou. Eu era só um garoto e foi ali que decidi que era o que eu queria fazer pro resto da minha vida.”

Grampá

Visivelmente honrado e feliz de estar ao lado de Frank Miller mais uma vez. O brasileiro revelou considerar o cartunista uma espécie de Sensei.

Conheci o Frank em 2015 e foi um encontro muito especial. Rolaram várias entrevistas em Nova York, no escritório dele. Jamais imaginei que ele me convidaria pra fazer algo. Eu quis fazer histórias em quadrinhos por causa dele.

É surreal trabalhar com Frank Miller, posso dizer que conheci um gênio na minha vida, foi uma das maiores honras. A grandeza de um artista está na humildade e na generosidade, e o Frank é feito disso.

Grampá ainda comentou sobre seu envolvimento com Batman e com a nova HQ que vem por aí. Golden Child promete tirar um pouco do foco de Bruce Wayne, trazendo toda a atenção para Carrie Kelley.

Como fã da saga Dark Knight, eu quis fazer algo que realmente fizesse parte da saga. Meu trabalho era tentar entender aquilo e me colocar em um universo que já existe.

Tendo feito Golden child e vendo como o frank trabalhou na Carrie, eu sinto que a saga Dark Knight é sobre ela. Parece que estamos contando a saga de uma personagem tão importante quanto o Batman.

Batman: Golden Child será lançada dia 11 de dezembro, nos Estados Unidos.