Já que a WonderCon 2020 não poderá acontecer de forma presencial, o evento está acontecendo de forma virtual. São diversos painéis e conteúdos exclusivos disponibilizados no canal do YouTube da feira.

Um dos painéis realizados por meio de videoconferência trouxe alguns nomes de mulheres responsáveis pela direção e produção de séries. Hanelle Culpepper aproveitou para comentar um pouco sobre sua experiência com Star Trek Picard. Ela foi a primeira mulher a se juntar a escrita da série em 52 anos, além de já ter trabalhado com produções como The Flash, Criminal Minds, American Crime e Grimmm.

Fico feliz de participar do meu primeiro painel da WonderCon. Queria apenas compartilhar uma curiosidade para os fãs de Star Trek: onde a WonderCon deveria estar acontecendo, na verdade, é onde filmamos algumas das cenas de Picard.

Ela ainda comentou um pouco sobre a escalação de Isa Briones.

Essa personagem foi um desafio, porque precisamos que ela fosse durona, mas vulnerável. Precisavamos que ela conseguisse lidar com as coisas que viessem e sem falar na relação com Patrick Stewart. Havia algo parental acontecendo ali, uma vez que ele foi basicamente seu padrinho. Foi ótimo ter a Isa, porque ela trouxe essa grande emoção de qualidade com ela. Ela fez Hamilton e eu sou muito fã do musical, então eu tava ansiosa por isso.

O painel trouxe ainda Jen McGowan, diretora mulher e gay, comentando sobre os desafios de assumir a direção de uma produção com todos os preconceitos da sociedade.

Na minha opinião a diferença entre um bom diretor e um diretor ruim é ter interesse. As vezes é muito difícil falar sobre a direção de um filme e falar de gênero. As pessoas normalmente falam ‘mulheres fazem desse forma, homens fazem dessa outra forma’. E eu não sou a favor disso. Homens podem ser bons ou ruins, mulheres podem ser boas ou ruins. Mas a perspectiva que temos sobre o material sempre será diferente, porque somos diferentes no interior. E isso é o que procuro trazer para os meus filmes.

Por fim, o painel foi encerrado com uma entrevista feita com Rosemary Rodriguez, nome bastante conhecido pelos fãs de The Walking Dead.

É sempre divertido falar de The Walking Dead. Eu me juntei ao show na sétima temporada através de um ator, que foi contratado e me ligou. Me lembro de passar pela porta, olhar meu celular e ver ‘hey, você quer fazer The Walking Dead?’ . Meu marido estava na cozinha e ele apenas falou ‘com certeza sim! ‘. Eu fiquei muito feliz de estar lá. Você nunca sabe o que vai ser, o que vai chegar até você. Mas eu sabia por falar com Scott Gimple e Jeffrey Dean Morgan e eu acompanhava a série há 7 anos. Eu tenho todos eles em um pedestal, então fiquei muito nervosa.

A WonderCon tem todos os seus painéis disponíveis online.

LEIA MAIS SOBRE SÉRIES