Essa semana fui assistir Truque de Mestre nos cinemas. Gostei muito do filme. Muito mesmo. Mais até do que eu achei que fosse gostar (e, com aquele elenco, as expectativas estavam consideravelmente altas) e, quando o filme acabou, eu fiquei com aquele gosto de “quero mais”. A verdade é que, na minha opinião, esse filme merecia ser transformado em um seriado.

 

O filme gira em torno de quatro mágicos que, ao serem convocados por alguma organização misteriosa chama “O Olho” (The Eye), eles se juntam e resolvem realizar três espetáculos mágicos com o objetivo de roubar enorme quantias de dinheiro e repassá-las para sua plateia. Eles são meio que Robin Hood, nesse sentido, uma vez que roubam grandes bancos e uma grande seguradora, e repassam o dinheiro para pessoas que foram injustiçadas.

 

truque de mestre

 

A trama é incrível. A história está muito bem contada, cheia de surpresas e reviravoltas. É tudo muito inteligente, com ótimas referências e os atores estão espetaculares. O nome da organização, a forma como eles são convocados (Cartas de Tarot) e o nome que dão ao seu espetáculo (The Four Horsemen, ou os Quatro Cavaleiros do Apocalipse), são referencias muito inteligentes e bem colocadas.

 

E por que eu acho que esse filme merecia virar uma série? Simples: os personagens. Uma história muito bem contada rende um ótimo filme, mas é necessário que se tenha um elenco de personagens muito forte para manter um seriado. Se uma série passa 5 anos no ar,  com uma média de 20 episódios por temporada, temos total de 100 episódios e, não importa o quão boa a história seja, se os personagens não forem bons, o público perderá o interesse. Haverá momento em que a história não será tão boa e somente o carisma dos personagens e a identificação com o público fará com que continuemos a assistir.

 

truque de mestre

 

E Truque que Mestre tem isso, aos montes. Jesse Eisenberg (Facebook, a Rede Social) está ótimo como um mágico carismático e sedutor, que adora se ouvir falar e tem mania de controle. Woody Herelson (Zumbilândia) faz um mentalista chamado Merrit McKinney. Isla Fisher (Becky Bloom) interpreta a lindíssima e inteligente Henley Reeves. E Dave Franco (irmão de James Franco) faz um jovem e impulsivo mágico de rua chamado Jack Wilder (adorei esse nome, por sinal).

 

Além disso, o filme conta com a presença de Mark “O Hulk” Ruffalo, como Dylan Rhodes, o agente do FBI responsável por investigar a prender os mágicos, em parceria com Alma Dray, uma agente da Interpol interpretada por Mélanie Laurent. Morgan Freeman (Deus) e Michael Caine (Alfred) também estão no elenco.

 

truque de mestre

 

Em resumo. O elenco é foda e todo mundo está muito bem em seus papeis. Mas não é só isso que importa. Até por que, um seriado é produzido diferentemente de um filme e os atores seriam mudados. O que importa, e o que me impressionou, é que esse filme trata, basicamente, de um grupo de quatro mágicos. Porém, são quatro mágicos completamente diferentes em sua essência. Cada um tem uma personalidade própria, um estilo próprio, qualidades e defeitos. Suas habilidades são únicas e eles precisam trabalhar juntos para realizar os seus truques.

 

E, sinceramente, eu senti falta desse relacionamento. Eu senti falta de ver os quatro mágicos trabalhando juntos para conseguirem realizar seus planos e escaparem da policia. O filme ficou muito focado na investigação de Rhodes e perdemos um pouco do relacionamento entre os quatro personagens. Isso não prejudicou, de forma, alguma, o filme, mas eu adoraria ver um seriado onde acompanhássemos esses quatro Robin Hoods realizando seus golpes e escapando da polícia. Gostaria de ver o inter-relacionamento entre personagens, a quimica e a dinâmica entre eles. Os melhores seriados são aqueles que pegam personagens completamente diferentes e conflituosos, e coloca-os para trabalharem juntos.

 

truque de mestre

 

Tenho até sugestão para um nome: The Eye. Sim, pois, no filme, existe uma organização muito antiga de mágicos cujo propósito era usar mágica e truques para roubar dos ricos e dar aos pobres. Esse grupo era conhecido como “O Olho” (por causa do Olho de Horus), e, supostamente, é uma sociedade secreta de mágicos que persevera até hoje. Em Truque de Mestre, esses três golpes realizados pelos protagonistas era apenas um teste, um processo seletivo, para que eles pudessem entrar na organização. Em outras palavras, esse filme é, simplesmente, uma “história de origem” e é apenas o começo de algo muito, mas muito, maior.

 

Perfil Bruno

Bruno Machado

Grandes estúdios de Hollywood, por favor façam esse seriado.
A favor dos nerds e contra a tirania dos kibes.
Facebook

Compartilhe: