AMIGO, NEM SEMPRE ESTAREI AQUI!

Foram nove anos. Nove anos de incerteza sobre ter, ou não, um novo filme de Toy Story. Mais uma vez a Pixar provou estar mais do que pronta pra qualquer desafio (porque a possibilidade de um quarto filme da franquia seria claramente um desafio, considerando o desfecho perfeito do terceiro filme). 

Mesmo depois de 24 anos do lançamento da franquia, Toy Story só evoluiu. O quarto filme não deixou a desejar em momento algum, se mostrando cada vez mais maduro acerca das lições e ensinamentos que se pré dispõe a oferecer através de ‘brinquedos’.

O novo longa expande o universo de uma forma bem única, abrindo assim, um novo leque de possibilidades para o que se acreditava estar finalizado. Novos personagens e uma nova aventura foi definitivamente a fórmula perfeita para que novos nichos fossem explorados. 

Se antes, tudo girava em torno de Andy e seus brinquedos; neste novo filme, acompanhamos as aventuras de Bonnie, a nova dona dos brinquedos. Woody não é mais o líder, mas ainda tem a necessidade de se sentir útil de alguma forma – o que faz sentido quando somos crianças e adultos também! A lição é para todos. 

Os novos personagens (garfinho, coelho e patinho) trazem novos ares pra animação, possibilitando uma nova dinâmica e narrativa – que, por sinal, é muito gostosa de acompanhar. O destaque, tal como um “líder” deve ter, vai pro Woody. A relação Garfinho x Woody é uma das mais significativas já vistas na franquia, com frases divertidas e profundas… que nos fazem rir e chorar em alguns momentos, tudo junto. 

Toy Story 4 abre um novo leque de opções de histórias e aventuras e, com a chegada do streaming Disney +, ainda esse ano nos Estados Unidos, conseguimos enxergar facilmente futuros e possíveis spin-offs. Que venha muito mais!