O episódio de Touch que passou ontem, dia 16/04/2012 às 22h no canal Fox me deixou arrepiada e mais apaixonada ainda pela série. Foi um episódio simples e sem grandes estardalhaços, mas que demonstrou que o seriado é muito mais do que a história de um menino autista que vê padrões em números aleatórios.

 

O seriado deixou claro com aquela reportagem do professor Arthur que muitas coisas já aconteceram com crianças que apresentavam as mesmas características que Jake. Demonstrou existir uma forma de enxergar os padrões (como o professor enxergou a imagem no computador) que nem mesmo o pai de Jake conseguiu ainda. Demonstrou que Jake, apesar de autista e de mega concentrado em seus números e ligações das pessoas ao redor do mundo, ama verdadeiramente seu pai e tê-lo diariamente em sua presença é muito reconfortante.

 

A parte “social” do seriado é um pouco irritante para quem curte as ações, as correrias e as histórias ao redor do mundo, mas é necessário. Nos Estados Unidos o governo se intromete mesmo na vida das pessoas, principalmente quando entendem que crianças estão sendo largadas ou mal cuidadas por seus pais. Esse é, inclusive, mais um ponto que demonstra que não se trata de um seriado de ficção cheio de mentiras e insinuações fantasiosas… Trata-se da história de uma criança, um pai e um misterioso fenômeno…que tenho certeza será foco de preocupação mais pra frente. Hoje estamos apenas entendendo o processo como um todo ainda.

 

Li esta semana uma frase do diretor de Touch, Tim King, que me deixou pensativa: “Eu sinto que há um desejo claro de interconexão num mundo ligado pelas mídias sociais, que afeta a forma como se percebe a realidade atual (…) Eu sinto que é reconfortante saber que nossas vidas, não importa quão ínfimas seja, têm significado e que nossas ações cotidianas são acompanhadas por outras pessoas, que lhes dão um sentido maior”.

 

Pensem nisso! Fiquei realmente a meditar sobre o seriado depois de ler a entrevista em que Tim disse esta frase…Será que Jake não passa de um exemplo do que a internet está nos tornando? Quando as pessoas que deveriam se encontrar não se encontram ou não atingem seus objetivos no seriado, Jake sofre, grita, desespera-se. O que acontece com algumas pessoas quando recebem unfollow no twitter ou quando não tem uma publicação curtida no Facebook? Pensem nisso e comentem aqui! *_*

Compartilhe: