THROW-DOWN TOWN | Jogo, em desenvolvimento, promete uma experiência única de diversão!

Muita diversão!

Imagine que em uma arena, um bandido da cidade é forçado a batalhar com guerreiros em troca de sua liberdade. Esse é o cenário de Throw-down Town, jogo de sobrevivência que está sendo desenvolvido nos Estados Unidos por Matthew King.

Um dos pontos altos de Throw-down Town é a aplicação de um design dinâmico em um universo de geração procedural. Ou seja, a cada fase, novas armas e elementos interativos do cenário serão aleatoriamente oferecidos ao jogador e dispostos em locais diferentes, exigindo um alto nível de concentração e rapidez de raciocínio para sobreviver e progredir no jogo.

“Você pode pegar uma vela e jogá-la em um inimigo. A vela se romperia em pedaços e o pavio em chamas poderia cair sobre uma mesa. A mesa pegaria fogo e. com isso, granadas e garrafas de vinho que estam em cima dela explodiriam e espalhariam o fogo. Cada ação traz consequências e quando você precisa agir rápido, nem sempre faz as melhores escolhas. Mas o resultado geralmente é divertido”, brincou Matthew King, desenvolvedor de Throw-down Town.

Este conceito de design sistemático foi inspirado pelo modo como muitas ferramentas interconectadas trabalham juntos e são incríveis em Spelunky. No entanto, enquanto em Spelunky o jogador precisa tomar seu tempo e fazer escolhas seguras, em Throw-Down Town é necessário tomar decisões em frações de segundo enquanto você corre freneticamente em busca de qualquer coisa para jogar nos inimigos e sobreviver, torcendo para que o tiro não saia pela culatra.

A HISTÓRIA DO TERROR | ELI ROTH CONVERSA COM STEPHEN KING E MESTRES DO TERROR EM SÉRIE DO AMC!

FRIENDS | JOALHERIA MONTE CARLO LANÇA UMA COLEÇÃO LINDA INSPIRADA NA SÉRIE!

“O jogo começou como um clone de Pacman, acredite ou não. Mas eu rapidamente percebi que ninguém quer jogar um Pacman sofisticado e mudei de ideia. Troquei os pellets por machados e o resto é história”, contou o desenvolvedor.

Inspirado em Smash TV do SNES e no modo arena de Ryse: Son of Rome, Throw-down Town busca trazer a emoção do jogo em um mundo desenhado à mão.

“Estou desenvolvendo o jogo há apenas um mês e sei que tenho muito pela frente mas poder testar o que já foi feito e me surpreender com um jogo muito divertido é um ótimo sinal”, afirmou Matthew. “Minha regra de ouro para Throw-down Town é mantê-lo o mais simples possível. Eu estou voltando ao básico no que diz respeito aos controles – você tem quatro botões direcionais para o movimento e um outro para interação -, mas ao mesmo tempo criando aspectos complexos de design sistêmico para o mundo, transformando um conceito de jogo bastante simples em um universo dinâmico onde suas escolhas têm permanência e peso real”, completou.

Acompanhe o desenvolvimento do projeto completo clicando aqui e não deixe de acompanhar o Coxinha Nerd!

INFILTRADO NA KLAN | UMA COMÉDIA SOBRE O GRUPO DO KLU KLUX KLAN!

APROVEITE PARA CONHECER NOSSO CANAL DO YOUTUBE:

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ:

NETFLIX | Confira as informações da empresa na E3!

Obrigada Netflix Na última quarta-feira, a Netflix realizou um painel no E3 Coliseum. O objetivo foi discutir o trabalho companhia com alguns dos desenvolvedores de games mais talentosos do mundo. Com isso, o streaming busca construir jogos que darão aos fãs a...

O ESCOLHIDO | Série estreia em junho na Netflix!

Série estreia dia 28 Mais um sucesso está chegando à Netflix. O streaming lançou hoje o pôster e o trailer oficiais de O Escolhido, primeiro suspense sobrenatural brasileiro da plataforma. https://www.youtube.com/watch?v=MDjQ_N4lYok No vídeo podemos ver a identidade...

VELOZES E FURIOSOS: SPY RACERS | Série animada ganha trailer!

  A Dreamworks e a Netflix estão juntas novamente em alta velocidade para o lançamento de Fast & Furious: Spy Racers! A série animada baseada no universo dos filmes. Ainda não temos muitas informações, sabemos apenas que o protagonista será Tony Toretto,...

Compartilhe:

Quem escreveu?

Lucas M. Mertens

Escritor, roteirista e editor. Um cinéfilo maldito que adora reclamar de diálogo expositivo nos filmes, mas no fim das contas se diverte. Um filme nunca é ruim até que se prove o contrário. Querendo um dia acordar e estar no meio de Hogwarts estudando poções.