The Walking Fucking Dead!

-por , em 17/10 -
The Walking Fucking Dead!

Para variar, The Walking Dead já começou com pé na porta e tapa na cara da crítica e de todos os fãs. Antes de falar sobre qualquer coisa deste primeiro episódio, preciso dizer que tiro o chapéu para o diretor Ernest Dickerson. Que brilhante este primeiro episódio, que brilhante! A evolução dos seis meses deu um “quê” especial a esta terceira temporada. Os personagens estão mais maduros, com percentual de medo beirando a zero (o que me leva a falar sobre a coragem de cada um deles, espetacular) e com uma agilidade digna de personagens de 10º nível (que é como estou avaliando eles nesta terceira temporada).

 

Vamos começar falando sobre o começo, Rick estava decidido quando gritou aos quatro cantos do mundo que “isso aqui não é mais uma democracia”. Os planos estão em sua mente, as tomadas de decisão em suas mãos e “ai de quem” ousar ir contra suas palavras. Ele se colocou pela primeira vez em um tom de liderança e conseguiu até arrancar elogios dos demais já neste primeiro episódio. Tudo bem que, com a morte de Shane, seu alter-ego teve que ser cuidado por ele mesmo e ele está com as decisões mais malucas e ousadas de todos os tempos. Mas achei válido e essa mudança radical da tendência do personagem me agradou e muito! Eu sei que até o final desta temporada muita gente estará odiando o Rick, não pretendo fazer isso, mas entenderei quem o fizer. Eu super apoio até mesmo a forma que ele está tratando sua esposa Lori – sério, ela nem sabe de quem é o filho, está reclamando de que? De falta de carinho? Pensasse nisso antes de ficar com o melhor amigo do cara né? Ahhh, mas ela achava que ele estava morto ué. – Não me interessa, sério, não me interessa mesmo, penso igual ao Rick, me odeiem tanto quanto odiarão ele.

 

the walking dead season 3

 

O presídio: fantástico! Abordagem fantástica, cenário espetacular e zumbis fora do comum. Os detalhes de “pessoas comuns”, “presidiários” e “policiais” foram fenomenais, adorei do início ao fim. Os policiais com capacetes e peitoral de proteção deram uma emoção a mais a uma cena que, por si só, na primeira temporada já nos teria deixado tensos. É incrível como, com o passar do tempo, os personagens evoluem, os desafios aumentam e nós, bom, nós acompanhamos o processo e ficamos mais exigentes e menos impressionáveis também. Acho que este é o desafio do diretor. Convencer os fãs dos quadrinhos de que realmente valeu a pena o seriado e aos que viraram fãs apenas da série de que tudo pode sim ficar pior, bem pior!

 

Michonne realmente chegou para fazer bonito, como disseram muitos fãs dos quadrinhos por aqui nos outros posts. A mulher tem uma fibra invejável, de colocar a revoltada Andrea no chinelo, vamos ver por quanto tempo. Adoro, simplesmente adoro os dois zumbis encoleirados que andam com ela para todos os lados, muito bom mesmo. A gente aprendeu a ser desprendido com o seriado, e a tendência é só evoluir né?

 

the walking dead terceira temporada

 

Maggie me impressionou, tudo bem que a menina sempre prometeu e fez muito na temporada anterior, mas esse comecinho mostrou que ela veio realmente para “tentar” ficar – já que nesse seriado não podemos acreditar que todos durarão para sempre. A forma com que ela se divertiu matando zumbis na invasão da prisão e o crescimento que ela terá caso seu querido papai morra ou vire zumbi (o que é basicamente a mesma coisa, ou não – muito confuso isso)…Acho que ela é uma das personagens femininas que mais prometem, estou começando a deixar minha adoração por Andrea um pouquinho de lado, vamos ver quem se superará. Todas as mulheres do grupo já demonstraram força para muitas situações bizarras – tirando a Lori, é claro que começou a terceira temporada me irritando tanto quanto me irritava no final da segunda. Que mulherzinha sem noção.

 

Na verdade, quem mais me impressionou positivamente neste começo de temporada foi Carl, o menino já estava indicando sua aptidão pelo instinto assassino desde o começo da segunda temporada, mas essa evolução foi simplesmente fenomenal! Ele está seguro, o grupo confia nele, acredita em seu potencial e investe nisso. Se nada acontecer com o pequenino, ele promete e muito!

 

the walking dead

 

A descoberta de uma ala da prisão isolada de zumbis para descansar em camas e celas sujas e mal cuidadas foi um dos momentos mais felizes do episódio – e eu não consegui ficar feliz por eles. Acho que por já saber que toda cena feliz em “The Walking Dead” termina com morte e desespero – como foi neste primeiro episódio, Rick e sua pulga que não o deixa mais ficar quetinho descansando resolveu explorar e prisão e tivemos uma das cenas mais brilhantes de todas as três temporadas – atenção! eu disse “uma das mais” e eu sei que a temporada está apenas começando! A tensão passou para além da tela da TV e eles conseguiram me deixar agoniadíssima com aquela quantidade louca de zumbis soltos pelos corredores escuros.

 

Não sei se desta vez serei apedrejada novamente, mas eu gostei da mordida no Hershel […………………….pausa para me odiar……………..] – sério, o velhote é chato demais. Tudo bem que ele ajuda e é só uma pessoa deprimida porque perdeu sua esposa e vários outros familiares desde o começo da zumbificação do mundo, mas quem ali naquele grupo ainda não perdeu alguém? Está todo mundo na m* – emocionalmente falando – e nem por isso ficam enchendo a paciência do grupo. Não gosto dele desde o começo de sua participação, acho que ele vai sobreviver, mas nem estou feliz por isso [……………….pausa para me odiar mais um pouquinho………………].

 

the walking dead

 

Que a prisão não estava livre de sobreviventes, todos já sabiam, mas vê-los e não saber o que diabos irá acontecer nos próximos episódios é um saquinho. Cara de mal os caras tem, roupa de presidiário pode ser porque eles realmente o são ou porque roubaram essa roupa ali no presídio, mas acho que independente de quem eles são, a vida não será mais fácil para ninguém. Nesse mundo, ninguém confia em ninguém mesmo – e nem deve – já diria Shane [que Deus o tenha].

 

Dados do primeiro episódio: A estreia de The Walking Dead no último domingo nos Estados Unidos bateu recorde de audiência na TV a cabo – registrou-se uma média de 10.9 milhões de telespectadores (um ganho de 50% em comparação à segunda temporada, anunciou a AMC). Com a reprise na mesma noite, o canal chegou a 15.2 milhões ao todo. The Walking Dead já conquistou o título de maior audiência entre o público-alvo (18-49 anos). Em sua primeira exibição, o retorno da série registrou a média de 5.8%.

 

Vamos torcer para chegar dia 23 logo, para ver de uma vez o segundo episódio – começou a minha tensão toda novamente. Hora de roer unha!

Cris Siqueira
por

Cris Siqueira

Nerd, administradora, RPGista, apaixonada por gastronomia, curiosa sobre todos os assuntos e acha que Darth Vader é Deus. Gasta seus “bons tempos” escrevendo, lendo, vendo seriados e viajando. Reza todos os dias para tirar sempre 20 nos dados e nunca morrer no meio de uma batalha!

Recomendamos para você