Olá fãs de zumbis! Já não é de hoje que conhecedores e metidos a entendidos de tudo filosofam sobre cultura nerd. Seja sobre personagens, games, o que há por detrás das câmeras e contos, enfim, tudo o que achamos legal e divertido, vem alguém e tenta aprofundar os sentimentos e as definições. Tudo bem, sou mega a favor, mas será que algumas discussões são realmente saudáveis e válidas? Vamos pensar juntos!

The Walking Dead e a Filosofia é um livro que traz à tona muitas questões que fervilham no roteiro da série, do livro e das HQs de uma das histórias mais famosas e intensas da atualidade. Dentre essas questões, temos: Os zumbis tem direitos, afinal? Mediante ao fim da civilização que conhecemos, ética existe? Desistir e cometer suicídio é a saída mais fácil? Na luta pela sobrevivência, trair é normal? Realmente, estas são questões que passam por nossa cabeça o tempo inteiro quando acompanhamos a saga dos sobreviventes criados por Kirkman.

As questões discutidas no livro foram baseadas nos ensinamentos dos pensadores São Tomás de Aquino, Platão e Schopenhauer. De acordo com os autores, a obra vem para preparar os leitores, fãs e pessoas de modo geral para o apocalipse zumbi. Ele acaba tirando dúvidas que possam surgir naquele momento crucial em que um zumbi vem em nossa direção e não sabemos o que devemos fazer – atirar ou não atirar na cabeça do morto vivo e acabar logo com ‘aquilo’? Afinal, um zumbi é um ‘ele’ ou é um ‘aquilo’?

O novo livro da Coleção Cultura Pop, The Walking Dead e a Filosofia, busca responder questões que insistem em sufocar nossa mente nerd preocupada: “como encarar uma nova realidade em que os mortos andam e estão ávidos por devorar os que ainda sobrevivem?; Após o fim da civilização, é uma obrigação continuar seguindo leis?; Zumbis ainda são pessoas?”. Pois é, as dúvidas dos fãs e não fãs acabam sendo muitas e, discuti-las de forma filosófica chega até a ser irônico.

Os autores do livro, Christopher Robichaud e William Irving indicam a obra não somente para os fãs assumidos da história de Kirkman, eles dizem ser um livro indispensável para os que desejam estar realmente preparados para o dia em que os mortos começarem a sair de suas tumbas. #WTF – Será que podemos falar alguma coisa disso?

Acho que não, né? De qualquer forma, o livro parece ser interessante, não decidi ainda se acho irônico, profundo ou interessante. Preciso ler para crer! E você? O que acha desse papo todo de zumbis e apocalipse? Você acha que, quem pensa e discute o assunto é maluco? Ou você é daqueles que já estão na fila para comprar mais este super guia do futuro? Comenta aê…