Na primeira temporada, Barry lutou para entender seus problemas, provar a inocência de seu pai, caçar e capturar meta humanos, e tudo isso enquanto lutava para entender quem estava sempre vigiando seus passos. Durante esse turbilhão de emoções e novidades, Barry aprimorou seus poderes e descobriu que não existia barreira que não pudesse ser vencida com a ajuda de seus amigos do Star Labs.

O Flash também descobriu que existia uma versão maligna sua, que ao contrario do esperado, acabou sendo seu mentor, Harrison Wells! Isso não foi só um choque, mas também uma decepção enorme. E não bastasse isso,  Barry descobriu que Wells foi quem matou sua mãe, fazendo com que seu pai fosse parar na cadeia, preso por um crime que ele não cometeu. Após salvar Central City de um destino cruel, onde a cidade por pouco não foi engolida, Barry teve que lidar com sentimentos cruéis e confusos, como a morte de seu amigo, o noivo de CaitlynFirestorm. Barry acaba sempre se culpando pela morte que acabou ocorrendo enquanto ele o auxiliava na difícil tarefa de salvar a cidade.

A segunda temporada começa com um Barry muito diferente: amargo, ressentido e decidido a enfrentar os meta humanos sem seu time de apoio. Ao lutar contra um meta humano que desafia sua velocidade, ele percebe que não consegue enfrentar tudo sozinho, que precisa de apoio, já que a ultima investida contra o vilão da vez, resultou em vários hematomas.

Barry conhece também o homem responsável por fazer valer o testamento que Wells deixou pra trás, o qual ele informa que Star Labs fica para o nosso herói, que não parece nada inclinado a saber mais sobre a historia. Juntamente com o laboratórioWells deixou para Barry um pendrive com um vídeo, no vídeo Wells explica sobre o laboratório e, deixa também uma confissão gravada, assumindo a culpa pelo assassinato de Nora, mãe de Barry, o que possibilita que o pai dele seja, finalmente, libertado.

Não deixe de conferir mais sobre Flash e suas outras séries favoritas em nossa sessão de  resenhas, clicando aqui!

Compartilhe: