Divulgação Stranger Con

No ultimo sábado, aconteceu no Rio de Janeiro a 2ª edição da Stranger Con, evento que como já diz o nome é uma convenção com os talentos da série Stranger Things.

A série que chegou à Netflix em 2015 tem uma gama de fãs super apaixonados e engajados prova disso foi o sucesso de vendas para o evento tanto no RJ quanto em SP.

Tudo poderia ter dado muito certo, (acredito para algumas pessoa até tenha dado) se não fossem vários pontos relevantes, que certamente foram definitivos para a evasão dos talentos antes do fim do evento.

Com base na experiência que vivi, contarei para vocês:

O primeiro ponto de relevância foi a escolha do local, o Engenhão. Um estádio, no verão e a sensação térmica de 54 graus não podia dar bom. Mas, até ai OK. Nos abrigamos nas arquibancadas onde havia sombra e permanecemos (a grande maioria) por lá.

Não haviam cenários, pra galera fazer foto (como houve na primeira edição), havia uma estrutura que simulava uma lojinha mas que, e ai vem a 2ª falha, não aceitava cartão, ao que parece a Máquina deu problema ou algo do tipo, não souberam informar.

A partir das 11h, seguiria assim o cronograma, que havia sido postado no site, e isso aconteceu. Eles começaram a chamar as pessoas, fileira por fileira para as atividades. E nesse momento chegamos no 3º ponto, as pessoas não respeitavam sua ordem, tumultuavam, e se aglomeravam na esperança de conseguir burlar (O Questionável jeitinho brasileiro) e por vezes a organização falou no microfone que era para essas pessoas voltarem para seus lugares. O que não aconteceu.

Divulgação Stranger Con

Aguardei, por algumas horas a minha vez, pois repetidas vezes foi dito que seria chamado ao microfone, aguardei em vão e decidi ir ao local das atividades perguntar. Quando nem eles sabiam que estava sendo chamado por fileira (4ª falha), eu percebi que a organização já havia perdido o controle e resolvi entrar na fila também.

Fui chamada, teoricamente para a atividade de autógrafo, que nunca aconteceu. Na hora me colocaram na sala da foto que foi feita as pressas ao ponto de nem saber se olhei pra câmera. Não podia fazer pose, mal podia falar com o artista.

Eu e mais um grupo de pais e seus respectivos filhos aguardavam na lateral da sala para o “Autógrafo” . Nesse momento percebi uma movimentação estranha da assessoria dos talentos, Ele dizia que era pra encerrar mas a organização tentava de alguma forma convencer a dar prosseguimento.

Na fila a organização tentava arrumar uma forma de contornar, ofereceram a atividade com a Priah ao invés do Noah alguns aceitaram, não foi meu caso.

Há um ponto muito questionável nisso tudo, que talvez, muitos possam não entender, mas a questão ali é que os artistas são “vendidos” ou seja eles são “produtos” e assim como em uma loja se você paga por um produto você o quer, não é mesmo?

Aguardamos no local, e foi a única vez que realmente vi o Noah, ele passando para ir para o painel que durou 15 minutos, revoltando de todas as pessoas que estavam lá.

Quando ele saiu eu já sabia que ele não voltaria, eu vi, vi a movimentação de ambas as partes. Vi a pessoa da organização falando “Ele não quer mais”. E isso doeu. Doeu como fã, em não acreditar que seu ídolo simplesmente foi embora de um evento deixando mais de 100 pessoas sem assistência. E eu chorei, chorei de raiva, posso ter passado vergonha? Posso, mas eu dialoguei. Coloquei meus pontos, disse o que vi de errado (escrevi acima para vocês) mas a verdade é que nunca saberemos o real motivo a não ser que os artistas externem isso.

O Próprio Noah em conversa com terceiros via DM afirmou que não foi por assédio que ele foi embora (Que é a história que esta sendo disseminada, nós aqui não podemos afirmar o que não vimos, ok?!), então qual seria a justificativa? O calor? Nós também estávamos no calor e estávamos lá por eles, falo eles pois pessoas também ficaram sem fazer suas atividades com a Priah, que estava muito feliz e super animada, e isso por si foi gratificante!

Enfim, não estou aqui para questionar os reais motivos ou apontar culpados, longe de mim. Cada um tem a sua verdade e eu tenho a verdade sobre o que eu passei e que vi. Acho que foram muitos fatores que afetaram nós os fãs e mexeram com os sonhos de muitos que estavam ali. Ver as crianças arrasadas foi triste demais.

A organização conversou com as pessoas que permaneceram no local individualmente e esperamos que seja resolvido no quesito financeiro. No mais, permanecemos nós com a frustração e a dor de cabeça de um sonho que virou pesadelo.