Splice: A nova espécie

-por , em 03/07 -
Splice: A nova espécie

Um filme verdadeiramente nojento, esquisito e curioso. Em um primeiro momento dá vontade de não ver, depois dá vontade de ver até onde a história pode chegar, com tantas coisas bizarras que acontecem ao mesmo tempo. Vamos primeiro à sinopse oficial do filme e depois comento mais um pouquinho, apesar de nada se comparar a ver o filme.

 

Sinopse oficial – Clive Nicoli (Adrien Brody) e Elsa Kast (Sarah Polley) ficaram famosos no meio científico pelas suas experiências na combinação do DNA de vários animais, gerando criaturas bizarras. Eles são apaixonados, tanto pelo trabalho que fazem quanto um pelo outro. Agora eles querem dar um passo adiante e combinar o DNA de animais com o de seres humanos, só que seus financiadores vetam a ideia. Eles seguem adiante com a iniciativa, em segredo. O resultado desta experiência é Dren (Delphine Chanéac), um ser cujo ciclo de vida extremamente rápido faz com que atinja a fase adulta em questão de meses. Clive e Elsa tentam manter Dren em segredo, mas logo a ligação entre eles deixa de ser meramente científica para se tornar pessoal.

 

Vamos a parte mais esquisita do filme: Dren, um ser que mistura fatores genéticos humanos e de uma criatura bizarra. Com hábitos e trejeitos únicos, Dren consegue deixar qualquer um de nós abobalhado ao assistir ao filme. Seu crescimento é muito rápido, seu aprendizado é diferente de qualquer humano, ela entende tudo através de associação. Os cientistas Clive e Elsa dão uma lição de humanidade na convivência com Dren, seja no nosso modo mais pré-histórico para agir com novidades até o que nos diferencia de seres irracionais – nossos sentimentos maternais.

 

Como todo bom filme sobre ficção científica, existe um grande investimento nos projetos do laboratório de Clive e Elsa e portanto, muita politicagem. Podemos acompanhar as diversas alternativas de criação de Dren e os dilemas internos de todos os personagens.
O filme é bom, não vou dizer que é ruim, só assusta um pouquinho pela velocidade das informações. A maioria dos fatos é simplesmente jogada sobre você e seu cérebro que assuma um método de associação imediato para entender tudo da melhor forma possível. Assisti esse filme no sábado na HBO, então provavelmente vocês conseguirão assistir durante todo esse mês em mais algum momento da programação. Vale a pena dedicar duas horinhas para esta história, mesmo!

Cris Siqueira
por

Cris Siqueira

Nerd, administradora, RPGista, apaixonada por gastronomia, curiosa sobre todos os assuntos e acha que Darth Vader é Deus. Gasta seus “bons tempos” escrevendo, lendo, vendo seriados e viajando. Reza todos os dias para tirar sempre 20 nos dados e nunca morrer no meio de uma batalha!

Recomendamos para você