DECEPCIONANTE!

Se chegassem para mim no fim de janeiro, e me perguntassem sobre as espectativas para Spectros, nova série original brasileira da Netflix, eu certamente me mostraria mais do que interessada… Mas, todo o Hype foi por terra, logo assim que dei o play.

Spectros é ambientada no bairro da Liberdade em São Paulo e acompanha um grupo de jovens que sem nenhum motivo óbvio, se veem enfrentando  fantasmas que assombram o local, desde a antiguidade.

O que me choca é que Spectros tinha tudo para ser realmente boa, mas a pretensão em “americanizar” uma obra acaba por desintegrar algo que tinha tudo para ser uma produção diferentona de tudo que já havia sido feito!

Enquanto algumas produções tentam inovar, mostrando que somos capazes de entregar conteúdo bom e original, esta se propõe a repetir os esteriótipos (ruins) internacionais, ficando em evidência para qual público foi feita. O nome Douglas Petrie  roterizando e dirigindo a série só reforça a ideia mencionada.

É realmente triste, ver uma proposta que poderiar ter sido tão original, ambientada em um local histórico por si só, se tornar tão decepcionante em meio ao seu roteiro mal desenvolvido e a péssima atuação do elenco, cheio de diálogos forçados e artificiais na tentativa de inserir elementos críticos e reflexivos.

Além de tentar inserir uma linha do tempo entre os episódios que interfere o andameto da série,  tenta apresentar plots ilógicos e descontextualizados dentro da narrativa tumultuada e cheia de informação que simplesmente se perdem por não terem apelo, bem como os dramas individuais dos personagens que não tem profundidade, tornando-os esquecíveis.

No entanto, se falamos da liberdade, mesmo que no contexto sobrenatural, é preciso se falar das características típicas da região, entre elas o Karaokê, inserido como forma de mostrar a verdade aos personagens , acaba por se tornar rizível. Mas é preciso validar a tentativa, mesmo que falha de se contruir toda uma lenda no contexto da trama, evolvendo a cultura familiar oriental. Os episódios finais, acabam por ser realmente significativos e interessantes, mas não fazem valer as horas anteriores.

Sem definir em qual gênero se encaixa, Spectros é a personificação de um fantasma, daqueles que te traumatizam e você nunca mais quer ver nem ouvir falar.

 

Spectros já está disponível na Netflix