Algumas redes como Linkedin, voltadas para os círculos profissionais, costumam compartilhar textos extremamente interessantes e que nos fazem abrir os olhos para determinadas características que não são genéticas e muito menos escolhidas por nós. Somos realmente uma geração de distraídos e sem foco como a maioria dos estudos tem insistido em dizer? Então, eu estava lendo um texto indicado pelo Linkedin que originalmente foi publicado na Você S/A e achei que é perfeito para todos aqueles que, assim como eu, fazem milhões de coisas ao mesmo tempo! Isso é legal, mas pelo que diz no texto, podemos sim ser prejudicados por isso! Veja só:

 

“Você tem dificuldade de se concentrar, gosta de trabalhar escutando música, faz várias coisas ao mesmo tempo, abre muitas abas em seu browser, anda na rua digitando uma mensagem, e esquece rápido das coisas? Ou você é do tipo hiperativo, agitado? Você não está sozinho. Você faz parte da nova geração que o mundo mobile criou: a geração de distraídos.

 

A tecnologia mobile nos permite estar conectado em todos os momentos. Somos bombardeados por informações, jogos, aplicativos, e-mails, entre notificações e mais notificações de nossos celulares. Esses objetos de desejo e adoração, também são vistos como um vício. 37% de adultos e 60% de adolescentes do Reino Unido se consideram viciados em seus celulares. 35% acessam a internet antes de levantar da cama.

 

A hiperconectividade nos leva a distração. Somos estimulados por todas as partes e acabamos por não prestando muita atenção em nada. Já não lemos textos muito compridos, esquecemos facilmente de algo porque recebemos outro tipo de estímulo. O mundo online não é nada linear, e nossa atenção está começando a se comportar da mesma maneira. Quando digo linear, quero dizer na característica transmídia da internet, aonde podemos usar vídeos e fotos para contar histórias. Os links também representam bem esse pensamento não linear, pois permitem o leitor pular de texto para texto e, muitas vezes, nunca terminar nada.

 

Percebeu como vira um ciclo? Sem atenção cai a produtividade, cai a qualidade de qualquer que seja a atividade que você está fazendo. E o que podemos fazer para resolver esse problema? Assim como o cérebro, atenção é um músculo, algo que temos a capacidade de treinar. A geração dos distraídos também tem um lado positivo. Essa geração é ágil, dinâmica, e tem a capacidade de resolver problemas rapidamente. Não devemos deixar essas características de lado, mas também devemos treinar no cérebro a pensar em longo prazo, a focar e investir 100% em alguns momentos.

 

Sempre enfatizo a necessidade de desconectar-se. Desconecte-se! Comece com coisas pequenas, como tomar um banho um pouco mais demorado, ler um livro um pouco mais longo, olhar seu celular depois do café da manhã, ou quem sabe meditar? O importante é tomar uma atitude para quebrar o ciclo da distração.” Qual a sua opinião a respeito da geração dos hiperconectados? Perdemos ou ganhamos com essa história de multitarefa? Ser especialista em algum assunto já saiu de moda há alguns anos, mas já vi chefes por aí insistirem para termos um foco, um direcionamento em nossa carreira e atividade. Você concorda?