Sobrevivência levada a outro nível: The Forest!

-por , em 17/12 -
Sobrevivência levada a outro nível: The Forest!

Você é um homem adulto, pai, que está aproveitando uma tranquila viagem de avião com o seu pequenino enquanto observa o mar azul brilhar com o sol da tarde e as poucas pessoas da cabine da aeronave viverem suas vidas em paz. Tudo vai muito bem até que… Uma aparente turbulência chacoalha toda a estrutura da nave e você fica em alerta, pois algo deu errado! O avião sofre uma pane, perde um de seus motores e começa cair descontroladamente. Você pensa “é isso, vou morrer!” e sente a colisão. Tudo vira breu.

Não meu caro leitor, você não morreu! Você, na realidade, parece ser o único sobrevivente do misterioso acidente de avião! Coberto em sangue, mas relativamente bem, é seu dever agora explorar a ilha desconhecida em que caiu e, acima de tudo, sobreviver nela! Este é o enredo do mais novo jogo de sobrevivência em desenvolvimento: “The Forest”.

O game, disponível no Steam com acesso antecipado por R$27,99, ainda está em fase pré -alfa, mas mesmo assim, já é possível ter uma boa experiência com ele. Eu mesma já joguei com meu namorado e demos uma boa explorada na ilha, há muito o que ver e fazer!

Basicamente, você começa o jogo desnorteado e largado na metade que sobrou do avião. Onde está a outra? Nunca saberemos. Mas a cabine está praticamente vazia, só tendo dois corpos jogados como companhia. Seu filho também sumiu. Mas é nestes destroços que sua primeira arma é obrigatoriamente coletada: o machado de emergência do avião. É com ele que você irá pegar madeira, se defender e caçar até poder fazer armas melhores. Também é com ele que você irá arrombar as malas dos demais passageiros para coletar materiais, comida e remédios, muito importantes na sua sobrevivência. Mas depois de pegar tudo o que poderia pelos arredores da nave, seu vinculo com ela pode ser considerado desfeito. Você está solto na ilha e tem que se virar!

O jogo apresenta algumas mecânicas interessantes e importantes de serem acompanhadas para melhores efeitos e gameplay:

 Há a passagem de tempo entre dia e noite, assim como chuvas, que são um problema, pois te deixam molhado e com frio e, se você não se aquecer e se secar logo, pode ficar doente. O ruim aqui, é que a ilha parece ser tropical, pois chove a quase todo momento e por longos períodos do dia in-game, o que atrapalha bastante o gameplay em muitas situações se você não se preparar adequadamente.

– Há o sistema de fome, sede e cansaço, onde você precisa se alimentar com constância ou passará por dificuldade e, ainda, com o passar do tempo, seu personagem fica cansado e necessita dormir, mas para isso, você precisa construir um abrigo.

Aí vem o sistema de crafting. O inventário é bem interessante e organizado, tudo o que você achar pode ser armazenado nele, contudo, somente poucas unidades por cada tipo de item. Ou seja. se você achar 100 itens diferentes, poderá levar todos consigo, mas se achar 100 unidades de uma mesma coisa, poderá levar pouquíssimas consigo, mas fora isso, dentro do seu inventário há uma área, representada por um guardanapo, onde você pode fazer pequenos craftings, como montar coquetéis molotov com tecido e cerveja, melhorar armas e produzir novas, assim como se equipar com o couro dos lagartos que caçar para sua proteção e selecionar alimentos coletados e remédios para ingerir.

– Por outro lado, as grandes construções só estão disponíveis em um livrinho que sempre estará com o sobrevivente, o guia de sobrevivência, que apresenta dicas básicas para novos jogadores, um mapa e uma série de páginas com opções de construções. Entre elas temos abrigos, totens, decorações e outras opções auxiliares, como escadas, paredes, defesas e plataformas. É possível fazer grandes e complexos lares se encontrado um sítio ideal para a construção e se usada a criatividade.

Só há um pequeno problema: o jogo leva a sério o material usado! Uma casa simples, por exemplo, necessita de 86 troncos de madeiras para ser completada e, se você for contar, irá ver que realmente, todos os 86 troncos inteiros, as vezes aparecendo repartidos ao meio na construção, são utilizados, sendo encaixados pouco a pouco conforme se trabalha. Ainda, cortar madeira é um processo demorado, cansativo para o personagem e que gera pouco material, uma média de três a cinco troncos por árvore cortada. Considerando ainda que só é possível carregar dois troncos por vez de um lugar a outro, uma superconstrução levaria bastaaaaaante tempo para ficar pronta e acabaria com a paciência do jogador.

Mas cuidar de si mesmo não é o único problema em The forest! A ilha é habitada por tribos não civilizadas de nativos canibais que coletam recursos para serem levados às suas cavernas, caminham pela floresta e são hostis tanto com outras tribos e nômades, quanto com forasteiros como você! Para se defender deles portanto, existem duas opções. A primeira é fortificar sua casa e construir totens com pedaços humanos pegos ao duelar e vencer batalhas com estes nativos. Os totens os afugentam. A segunda é lutar com todo nativo que aparecer, mas isso pode ferí-lo e quando sujo com os sangue deles, você deve procurar o mar ou um lago rapidamente para se limpar e não pegar uma infecção, que pode complicar a sua vida no jogo.

Por fim, como eu havia dito, o jogo nem em beta ainda está, então é muito comum ver bugs durante o gameplay, tanto gráficos quanto de jogabilidade. É possível, por exemplo, andar dentro de montanhas e pedras (o que pode te salvar de tubarões se estiver nadando). Também pode-se ver buracos pretos aqui e alí pelo mapa. Às vezes, materiais coletáveis se mexem sozinhos no chão e voam como se alguém os tivesse chutado, também é possível carregar até três troncos se você ficar apertando a tecla de coleta sem parar, de modo que o terceiro nunca tenha tempo de cair e, ainda, se seu inventário já estiver cheio de lagartos crus, você pode usar um extra para voar seguindo o mesmo princípio. É só olhar para ele, ou seja, para baixo, e ficar apertando a tecla de coleta para decolar e subir eternamente, ou até você parar de apertar o botão. Aviso, essa tecnica pode ser suicída e, morte neste jogo significa perder tudo para recomeçar do zero, então cuidado! Por fim, o bug mais proveitoso é que as malas já abertas e looteadas depois de um tempo resetam, podendo-se coletar materiais delas infinitamente, o que originalmente não deveria acontecer. O mesmo acontece para alguns totens que os próprios nativos fazem, permitindo também o farm destes recursos.

E então é isso! Vale a pena esperar agora pelas próximas novidades do jogo! Ele já tem uma boa biodiversidade mas parece que a fauna da ilha ainda pode crescer, mais opções de construção estão por vir e claro, o multiplayer vai ser, e muito, melhorado! Então é aqui, sobrevivendo e lutando que eu me despeço! Deixe nos comentários sua opinião ou curiosidade do assunto para a gente, ok?

Beijinhos e até a próxima!

Larissa Fogo
por

Larissa Fogo

Otaku e gamer assumida, é uma garota que ama o Japão e tudo referente ao assunto. Joga FPS e lê romances e aventuras. Também é uma futura química (não, não peçam para "cozinhar", porque se bobear, inventa um jeito de queimar até a água). Idolatra a Lara Croft. É uma nerd de todo coração!

Recomendamos para você