Se você assistiu a minissérie original da Netflix,  ‘O Gambito da Rainha‘, certamente se sentiu fascinado por Beth Harmon, essa personagem criada por Walter Tevis de 1983, vivida por Anya Taylor-Joy; e por essa história que mostra o verdadeiro custo da genialidade, passando pelo vício, traumas, obsessão e principalmente feminismo no auge dos anos 60.

Mas não é só a trajetória de Harmon, as jogadas de Xadrez, e a atuação de Joy que hipnotiza o espectador; a fotografia e os figurinos são definitivamente um show a parte; e os créditos precisam ser dados Gabriele Binder.

A figurinista explicou à Vogue que as roupas foram feitas sob medida, além de conter mensagens ocultas. Veja abaixo:

A Primeira conexão com a moda
“Queríamos que o final dos anos 1950 de Beth Harmon, início dos anos 1960 parecesse um pouco para trás de propósito – assim poderíamos mostrar claramente o momento em que ela se atualiza com os dias modernos em Nova York, onde ela descobre como os jovens de sua geração estão vivendo. Quando Beth está na escola, ela sente que as outras meninas são tão diferentes de como ela é, a ponto de não sentir que pode pertencer a esse grupo. É neste momento que ela está procurando em todos os lugares por algo [e alguém] para se conectar e, na ausência de uma pessoa real, ela se conecta ao vestido do manequim.”

Os Xeques
“Eu sempre tento espelhar o que está acontecendo dentro de um personagem com o que eles estão vestindo do lado de fora e os xeques são algo que eu pensei que seria imediatamente interessante para o personagem de Anya, já que ela intuitivamente escolheria usar peças que estão conectadas ao xadrez. O contraste da impressão do xeque também reflete as nuances do próprio jogo”

Em Nova York
“Pelos looks que remetiam ao estilo dos anos 1950, pensei em Jean Seberg – assim como Beth Harmon, ela era uma outsider. Para os looks de Nova York, eu tinha Edie Sedgwick em mente… uma pessoa interessante que está seguindo seu próprio caminho.”

Benny Watts
“Eu imaginei que Benny Watts [interpretado por Thomas Brodie-Sangster] poderia ser conectado à fábrica de Andy Warhol e parte das cenas de arte e música da época. Ele é tão diferente de todo mundo; ele não é o ‘geek do xadrez’ como os outros caras – como com Beth, ele é um estranho. Achei que eles formavam um casal realmente ótimo.”

O Casual
“Eu adoro especialmente as camisetas que Beth usa no final da série, que fizemos em verde, azul e branco. Eles apontam para a silhueta Courrèges – muito legal, elegante e simples… um look que parece tão livre e jovem. É definitivamente algo que você pode recriar hoje.”

Homenagem a Pierre Cardin
“O vestido que Beth usa para o torneio de Paris era um dos meus favoritos. É quase como um vestido [Pierre] Cardin e tem um tipo de elegância que nem existe mais.”

Primeiro episódio
“No primeiro episódio, Beth usa um vestido que sua mãe fez para ela, ternamente bordado com seu nome. A cor deste vestido representa a sensação de “casa” de Beth. Queríamos criar um momento em que ela pudesse voltar “para casa” mais uma vez, e é por isso que ela está usando o vestido da mesma cor em seu torneio final em Moscou – o vestido que ela usa quando está ganhando. Queríamos usar essa cor para mostrar que ela finalmente se sente confiante e que sua mãe está com ela. Neste momento, ela não tem medo do homem de quem mais temia. No início é uma cor que a deixa muito frágil, mas no final, a mesma cor é um sinal da sua força; é um símbolo de uma volta ao lar.”

A Vitória na Rússia
“O casaco xadrez que ela usa para sair do torneio em Moscou é uma linda peça vintage que encontramos… Esta foi uma peça muito autoconfiante, queríamos os visuais de uma decisão forte referenciada pelos Xeques.”

Figurino final
“No final, Beth veste o jaleco branco com calça e boné brancos. A ideia, claro, é transmitir que ela agora é a rainha do tabuleiro e que o próprio tabuleiro é o mundo.”

A história acompanha a trajetória de Beth Harmon (Anya Taylor-Joy), uma jovem abandonada em um orfanato do Kentucky no final dos anos 1950. Ela descobre que tem muito talento para o xadrez, mas fica viciada nos calmantes oferecidos pelo Estado para tranquilizar os órfãos. Atormentada pelos próprios demônios, alimentados por um coquetel de remédios e obsessões, Beth começa a chamar a atenção com suas habilidades e decide superar as barreiras do mundo masculino das competições de xadrez.

 

A minissérie já está disponível na Netflix.