TÍTULO: E Se Fosse A Gente?

AUTOR: Becky Albertalli & Adam Silvera

EDITORA: Intrínseca

PÁGINAS: 352

ANO: 2019

GÊNERO: Romance

COMPRE O LIVRO AQUI

SINOPSE

Em Com amor, Simon, Becky Albertalli conquistou o público jovem com sua narrativa sensível e apaixonante. Em E se fosse a gente?, ela se une ao escritor Adam Silvera para narrar o encontro de dois garotos que não poderiam estar em momentos mais diferentes da vida. Mas que vão desafiar os poderes do universo para ficarem juntos.

De férias em Nova York, Arthur está determinado a viver uma aventura digna de um musical da Broadway antes de voltar para casa. Já Ben acabou de terminar seu primeiro relacionamento, e tudo o que mais quer é se livrar da caixa com todas as lembranças do ex-namorado.

Quando eles se conhecem em uma agência dos correios, parece que o universo está mandando um recado claro. Bem, talvez não tão claro assim, já que os dois acabam tomando rumos diferentes sem ao menos saberem o nome ou telefone um do outro.

Em meio a encontros e desencontros — sempre embalados por referências a musicais e à cultura pop ¬—, Ben e Arthur se perguntam: e se a vida não for como os musicais da Broadway e os dois não estiverem destinados a ficarem juntos? Mas e se estiverem? Aos poucos, eles percebem que às vezes as coisas não precisam ser perfeitas para darem certo e que os planos do universo podem ser mais surpreendentes do que eles imaginam.

-E Se Fosse A Gente? é o quarto livro de Becky Albertalli que tive o prazer de ler. A autora ganhou o mundo com a história de Simon Spier e seus amigos, mas não parou por aí. Lembram-se da melhor amiga de Simon, Leah, vivida por Katherine Langford nos cinemas? Ela ganhou um livro próprio, escrito por Albertalli e com o nome de Leah Fora de Sintonia. Além disso, a autora também escreveu Os 27 Crushes de Molly, com estilo similar aos anteriores.

Mas não é de nenhum deles que falaremos hoje! A Editora Intrínseca acaba de lançar E Se Fosse A Gente?, escrito por Albertalli e por Adam Silvera. O autor é responsável por Lembra Aquela Vez, lançado em 2015

O LIVRO

Já tive o prazer de ler todas as obras dos autores envolvidos no desenvolvimento de E Se Fosse A Gente? A escrita de ambos muito se assemelha, trazendo um vocabulário leve e fácil de ler. Assim como a história de Simon, as histórias de Ben e Arthur discorrem como um diário nas páginas. Com exceção do epílogo, a passagem de tempo não é maior do que dois meses, pelo contrário. O charme da trama está na rapidez com que o relacionamento dos dois se desenvolve, sem preocupações, apenas deixando o universo seguir.

BEN

O jovem porto-riquenho acabou de terminar o relacionamento com seu antigo melhor amigo. Hudson virou o namorado de Ben, mas com o fim do relacionamento, nem mesmo uma amizade parece possível. Para piorar a situação, a forma como tudo aconteceu prejudicou-os no colégio e agora Ben precisa encarar o ex-namorado na recuperação. Para sua (e nossa) felicidade, o melhor amigo de Ben, Dylan, sempre procura ver o melhor lado de tudo. Certamente é um dos pontos altos do livro, pois sempre provoca altas gargalhadas.

ARTHUR

Embora tenha se assumido gay ainda mais novo, Arthur nunca teve um relacionamento, nunca transou, nunca foi beijado. Seus dias em Nova York estão chegando ao fim e ele mal pode esperar para voltar pra casa, na Georgia. É então que seu caminho cruza com um menino bonito nos correios. O tal “garoto da caixa” transforma a vida de Arthur e ele sabe que precisa encontrá-lo. Mas o que fazer quando ele nem ao menos sabe seu nome? Esta é apenas mais uma preocupação em meia a tantas outras, começando em casa. Os pais do menino não estão bem entre si e ele não sabe o que fazer.

E SE FOSSE A GENTE?

Becky Albertalli sempre me ganhou em todas as referências que faz a Harry Potter. E em seu mais novo lançamento não é diferente, pelo contrário. É provável que E Se Fosse A Gente? seja, de todos eles, o livro com mais referências ao mundo mágico.

” (…) Ela pode ser a Hermione do nosso trio. Quero ser o Harry.
– Mas isso significa que eu sou o Rony.
– Azar o seu.
– O Rony fica com a Hermione.
– Ok, mas…Eu não quero ser o Rony. Ninguém quer ser o Rony. Provavelmente nem o Rupert Grint queria ser o Rony. Que tal o seguinte: eu sou o Han Solo, e ela é a Princesa Leia. Você pode ser o Luke”

 E Se Fosse A Gente? voa sob os olhos do leitor. É um daqueles livros que lemos de uma única vez, sem conseguir parar (eu li em uma única tarde). Nos envolvemos com os personagens como se fossem amigos íntimos e várias vezes queremos dar conselhos ou apenas um abraço. Ben e Arthur são aquele casal que gostamos de graça, tamanho o carisma que ambos desenvolvem. 

O final não está a altura do livro, embora seja satisfatório. Após ler quase 400 páginas, imaginei um cenário completamente diferente, visto que é isso que o livro nos leva a pensar. Temos a sensação de tudo que lemos até agora foi colocado embaixo do tapete e ignorado. O resultado do livro, porém, é bom de uma forma geral.