Esse fim de semana eu fui assistir no cinema o terceiro e último filme da trilogia Se Beber Não Case. Para tanto, eu baixei os primeiros dois filmes e assisti na madrugada da sexta para o sábado. Então, fui aos cinemas com os predecessores ainda frescos em minha cabeça.

Os primeiros dois filmes seguiam uma fórmula meio fixa. Haveria um casamento, os amigos resolviam beber duas noites antes da cerimônia e acordavam na manhã seguinte sem a menor lembrança do que haviam feito. Um dos personagens, o dentista Stu, acorda com seu corpo violado de alguma forma (no primeiro filme ele perdeu o dente e, no segundo, tinha uma tatuagem no rosto) e um dos membros do grupo estava sumido.

HANGOVER31

Então eles partem em uma jornada para encontrar esse amigo desaparecido. Primeiro revistam seus bolsos em busca de pistas e saem atrás de respostas. Acabam, invariavelmente, passando por uma delegacia de polícia, Phil passa por um hospital e tem sempre algum animal no meio da história (Tigre no primeiro e macaco no segundo). Então descobrimos que Stu teve algum tipo de relação com prostitutas (ele se casa com uma no primeiro e transa com um cara no segundo), e descobrimos que Alan drogara seus amigos e é o responsável por tudo aquilo.

Já nos 45 minutos do segundo tempo, eles desistem de achar o amigo desaparecido e Phil resolve ligar para a esposa de Doug e avisar que fizeram merda. É nesse momento que Stu tem uma epifania e descobre que o amigo desaparecido estava, na verdade, onde tudo começou (o telhado e o elevador). Então eles voltam correndo e chegam bem em tempo da cerimônia da casamento.

E Mike Tyson…

Ou seja, os primeiros dois filmes são praticamente iguais. Ao fazer o segundo, o pessoal usou a mesma fórmula do primeiro, só aumentou mais as piadas e deixou tudo um pouco mais exagerado. E isso funcionou bem. E, se tem uma coisa que eu aprendi todos esses anos jogando jogos da Nintendo é que: se uma coisa funciona, não há motivo para não fazermos a mesma coisa mil e quinhentas vezes. Pessoas gostam do que elas já conhecem e, por isso, o filme que segue a mesma fórmula, faz um sucesso.

HANGOVER32

O terceiro filme não foi assim… O filme começa com Leslie Chow fugindo da prisão de Bangcoc e com a morte da girafa de Alan. Ai aparece Marshall, o personagem de John Goodman que havia sido roubado por Chow há muitos anos e estava puto querendo o dinheiro de volta. Mas Chow estava desaparecido desde que fugira da prisão e a única pessoa que tinha contato com ele era Alan. Marshall então sequestra Doug e fala que irá mata-lo caso a matilha não encontrasse e entregasse Chow para ele em dois dias.

Isso dá inicio a uma série de acontecimentos hilários enquanto esses três amigos saem em busca do chinês desaparecido. Como sempre, Phil assume o controle da situação, enquanto Stu parece prestes a se desfazer em desespero e Alan… Bem, Alan continua sendo Alan.

HANGOVER33

Eu gostei do filme. Achei que a história ficou consideravelmente bem desenvolvida (para uma comédia desse tipo) e que amarrou bem a história dos dois primeiros filmes, dando uma conclusão satisfatória e lógica para a saga. E tivemos o retorno de muitos personagens, tanto do primeiro quanto do segundo filme, o que tornou a experiência vai mais agradável.

Porém, eles fugiram demais da fórmula. O título, em inglês, é The Hangover (que se traduz para “A Ressaca”), mas, nesse terceiro filme, não temos uma ressaca. Isso, na minha opinião, tirou um pouco da “magia” da série. Eu gostei da história, mas preferia se eles tivessem mantido a fórmula. Pois, já que tinham se comprometido com isso nos primeiros dois filmes, eles deviam ter se comprometido até o final.

Falando em final, a cena final do filme é impagável. Não vou falar nada, para não dar spoilers, mas basta dizer que vale a pena vê-lo nos cinemas e, em grande parte, por causa dessa cena final.

Compartilhe: