A história parece não ter fim. Lançado em agosto deste ano, o Samsung Galaxy Note 7 teve seu primeiro caso de explosão logo em seguida, obrigando a gigante sul-coreana a anunciar um recall de 1,5 milhões de unidades em 10 países, pois esses aparelhos corriam o risco de ter suas baterias queimadas.

Mesmo após o recall, outros casos de phablets pegando fogo tomaram conta da internet, e um avião chegou a ter que ser evacuado nos EUA pois um Note 7 havia queimado enquanto era carregado via USB. Após isso as agências de aviação dos EUA e até do Brasil passaram a emitir recados nos voos solicitando aos passageiros donos desse modelo de celular que o mantivessem desligados durante todo o voo por motivos de segurança.

Já que mesmo após o recall os aparelhos considerados seguros continuavam a apresentar risco, e com todos os videos, relatos e imagens de smartphones queimados rodando a internet, a Samsung resolveu emitir um comunicado pedindo aos donos do Galaxy Note 7 que o mantenham desligado enquanto novas investigações são feitas.

Além disso, as operadores e vendedoras foram direcionadas suspender a venda do mesmo. A empresa diz que vai “continuar trabalhando diligentemente” para resolver a situação, mas ainda não deu nenhum prazo ou expectativa para quando o celular poderá ser considerado novamente seguro, dessa vez de verdade.

A Samsung acertou ao emitir esse comunicado? Não deixe de comentar aí embaixo, na nossa página no Facebook e nas outras redes sociais: Como diriam agora Cris e Panda: é tudo COXINHANERD (tudo junto mesmo!).

Leia mais sobre Samsung e Tecnologia

Compartilhe: