Na semana passada rolou aí pelo planeta as festividades do dia de Saint Patrick, vulgo São Patrício, o padroeiro da Irlanda. Aqui rolou também, bem brasileiramente e entende-se isso como pagar caro, ver gente se exibindo por puro status e participar de uma celebração não tão irlandesa assim.

Falando a verdade, eu vou adiantando a vocês que é provável que eu soe meio mala nesse texto, porque eu já passei um St. Patrick na Irlanda. Vai aparecer alguém dizendo que “PUXA VIDA, É COMO PASSAR UM CARNAVAL NO RIO, NEAAAAMM??” e eu vou te responder que não faço a menor ideia porque felizmente eu nunca passei um carnaval no Rio e se Deus quiser nunca passarei.

Eu preciso dizer que depois que você passa um St. Patrick na Irlanda fica muito difícil curtir uma festa dessas aqui no Brasil e é por um motivo muito simples: lá é uma festa do povo. As pessoas saem pra rua pra beber e ver o desfile, depois elas vão entupir todos os pubs da cidade até amanhecer. Vale ressaltar que ninguém paga pra entrar em pub lá. Você chega, pede sua cerveja, paga e vai beber onde quiser. Bandinhas tocam música irlandesa, você bebe, canta, bebe, conversa, bebe, chora e faz uma prece a St. Patrick por ter vivido esse dia maravilhoso. Mentira, eu não rezei pra St. Patrick (até porque só descobri a oração dele uns dias atrás) mas fiz todo o resto e foi uma das experiências mais sensacionais da minha vida. Desde então passei a acreditar firmemente que Dublin afinal é quem era o grande amor da minha vida.

st patricks

Enquanto isso em São Paulo, você vai pagar no mínimo R$ 50 só pra botar os pezinhos pra dentro de um “pub” aí, vai encontrar gente legal mas a maioria das pessoas que estão ali não sabem nem porque a decoração é verde (juro, encontrei um menino lá que falava ao telefone e não sabia explicar em que tipo de festa estava) e diversas bandas tocando pop rock. Tudo tão pouco irlandês que perde até a essência.

Por que eu resolvi falar sobre isso? Pra gente refletir começar a se perguntar porque a gente teima em querer ser um povo cool, bacana e descolado celebrando feriado gringo se não sabe fazer direito. Com todo o respeito a quem foi a alguma festinha aqui e curtiu, mas o verdadeiro sentido do St. Patrick eu nunca vi nos pubs carésimos, finos elegantes daqui. Desculpa aí.

são patricio

POST ORIGINALMENTE ESCRITO PELA COLABORADORA THAIS CRUVINEL.