Ryan Murphy, nascido em 1965 é um escritor, jornalista, produtor de cinema e TV. Cinco vezes ganhador do Globo de ouro e sete vezes ganhador do Emmy.

Murphy é conhecido por idealizar e escrever as suas séries, que incluem o drama musical Glee, além de Pose e American Horror Story.

Em 2018, fechou um acordo milionário de exclusividade com a Netflix, que marcava ali o início de uma grande mudança na indústria do entretenimento.

O que faz de Ryan Murphy o executivo mais bem pago da TV americana, e agora, da Netflix?

Murphy foi um dos precursores da temática LGBTQ+ na TV, abrindo portas para temas e discursos considerados tabus, não só para a sociedade, mas na indústria como um todo:

“Quando eu comecei em 2003, me disseram que eu era uma pessoa não-empregável, muito específico e de nicho… Eu fiz Nip/Tuck, que foi a minha primeira série que funcionou, e me foi dada prioridade daquele ponto para criar com Brad Falchuk e Tim Minear […] No papel, o que os meus projetos têm em comum é o fato de que não deveriam ter dado certo.”

Essa fala de Ryan, durante o TCA (2018), é a prova de que a chance havia sido data, mas não havia credibilidade do seus projetos.

A partir de seu primeiro trabalho como produtor em 2003, com a série Nip/Tuck, até American Crime Story, Murphy se tornou uma parte fundamental da marca e não se imaginaria a FX mais sem ele.

Sua assinatura, presente em todas as suas criações, uma mistura de realidade, luxo, ousadia, que passeia por temas controversos ajudou o canal a criar sua programação/perfil e elevando assim, sua audiência.

Mas nem toda a segurança dada pela Disney após a sua fusão, segurou Murphy na Fox. E isso como falei anteriormente, não somente o tornaria um dos executivos mais bem pagos da TV americana, como também marcaria o início de uma nova tendência na indústria: o poder nas mãos dos produtores criativos, entre estes, destacamos, além de Ryan Murphy, Shonda Rimes, J.J. Abrams e Jason Blum.

Uma coisa é inegável, Ryan Murphy é criativo, a facilidade com que idealiza seus projetos, é único e exclusivo e isso é sim, um grande diferencial.

Recentemente, o produtor se encontra em 28º lugar na lista dos 100 mais poderosos da indústria de acordo com o THR.

O Futuro de Murphy na Netflix:

A verdade é que cada vez mais, ansiamos ver o que Murphy tem a nos oferecer, e na Netflix, com carta branca, a liberdade criativa vai longe. Vide, The Politician e o mais atual, a minissérie Hollywood. Contudo, já existem outros projetos do produtor em desenvolvimento na plataforma. Listamos abaixo:

  • Ratched: Prelúdio de Um Estranho no Ninho estrelado por Sarah Paulson, focado na origem da enfermeira Mildred Ratched.
  • Halston: Falará sobre o estilista Roy Halston Frowick, trazendo Ewan McGregor no papel principal.
  • The Boys in the Band: Baseada no famoso musical da Broadway, e contará com Jim Parsons, Zachary Quinto, Matt Bomer e Andrew Rannells no elenco.
  • A Chorus Line: Adaptação do famoso musical da Broadway, terá 10 episódios mas ainda está na fase inicial de desenvolvimento.
  • The Prom: Atualmente com a produção paralisada, gira ao redor de Emma, cujo baile de formatura foi cancelado, ao descobrirem que ela deseja levar sua namorada para a festa.

Ainda duvida do poder de Ryan Murphy?

The Politician e Hollywood estão disponíveis na Netfix.

LEIA MAIS SOBRE MUNDO