INFELIZMENTE, ACABOU A EDIÇÃO 2017 DO ROCK IN RIO!

Ao som do Red Hot Chili Peppers, o Rock in Rio terminou neste domingo em grande estilo, com o público aproveitando todas as atrações do festival. Em mais um dia de sol no Rio de Janeiro, os portões abriram pontualmente às 14h e os fãs rapidamente ocuparam a Cidade do Rock com a animação característica que contagiou os sete dias do festival.

A organização do Rock in Rio anunciou nesta tarde que está confirmada a edição de 2019 no Brasil do maior festival de música e entretenimento do mundo e confirmou Doritos e Ipiranga como patrocinadores oficiais da próxima edição. O festival, que nesta edição cresceu, vendeu 700 mil ingressos para os sete dias de evento e ocupou 300 mil m2 na parte privada do Parque Olímpico, na Barra da Tijuca.  Em sua nova casa, o Rock in Rio consolidou toda a sua crença na Cidade do Rio de Janeiro, onde acontece em 2019, a oitava edição no país. Além da edição do Brasil, em 2018 o Rock in Rio desembarca pela oitava vez em Lisboa (Portugal), onde acontece desde 2004.

“O Rock in Rio é a certeza de que podemos e conseguimos resgatar a felicidade e a autoestima do brasileiro. Não vamos abrir mão da sua raiz e de onde demos vida a todos os nossos sonhos. Estamos aqui, vendo nestes sete dias, que é possível sim transformar vidas e trazer alegria para as pessoas”, garantiu Roberta Medina, lembrando que além de um grande público presente da Cidade do Rock para viver esta experiência, cerca de 20 mil pessoas foram empregadas diretamente contribuindo de forma fundamental para que o espetáculo aconteça.

Ao todo foram mais de 98 horas de música ao longo de sete dias e mais de 500 atrações. Assim foi o Rock in Rio 2017, que aconteceu nos dias 15, 16, 17, 21, 22, 23 e 24 de setembro, no Rio de Janeiro, na edição que o maior evento de música e entretenimento do mundo ganhou nova casa – a parte privada do Parque Olímpico, com muitas áreas de entretenimento e experiências para seus visitantes.

Segundo estudos realizados pela FGV, o impacto econômico do Rock in Rio para a cidade do Rio de Janeiro está estimado em 1,4 bilhão de reais e, segundo o Rock in Rio, o festival atrai mais de 400 mil turistas.

Nas redes sociais, durante os sete dias do festival, o Rock in Rio alcançou potencialmente 138 milhões de pessoas, atingiu mais de 2 milhões de menções espontâneas e interagiu com mais de 5 milhões de pessoas nos canais oficiais do evento.

Rock Street África encanta toda a família na Cidade do Rock

Na Rock Street África, Sueli Ramos aproveitou para almoçar na companhia do filho, Paulo Roberto, escutando a artista Mamani Keïta, do Mali, que faz sucesso internacional misturando Jazz com o ritmo da sua terra: “viemos pelo evento como um todo. Eu já vim em outras edições, mas meu filho está conhecendo o festival pela primeira vez. A gente escolheu esse lugar porque está agradável, uma comida quentinha com um som muito gostoso”, contou.

O casal de namorados Eliane Andrade Rodrigues e Bruno de Oliveira Silverino veio na edição de 2015 e achou a Cidade do Rock muito diferente: “A estrutura está maravilhosa. A variedade de lojas de alimentação também está fantástica”, elogiou o casal.

Digital Stage traz ícones da internet

O palco da Digital Stage deste último dia de festival reuniu famosos da Internet, entre eles youtuber Felipe Castanhari, que fez sucesso com o karaokê improvisado, com a participação de outros convidados do dia, Gusta e Pyong. O casal Conceição Matias, 39 anos, e Gilson Gloria, 40 anos, trouxe o filho Marcos Vinícius, de 9 anos, para curtir a Digital. “Achei o palco show de bola. É uma maneira de atingir várias idades com diferentes atrações”, disse Conceição. Para Lina Alonso, de 51 anos, o espaço é uma novidade deste festival que deu certo: “achei muito legal a ideia, principalmente porque tenho uma filha adolescente que acompanha todos estes artistas pelas redes sociais. É uma nova cultura abriram espaço para os Youtubers independente do público”, afirma Alonso, que também trouxe sua filha Victoria, de 12 anos.

Rock District homenageia Cazuza

A diversidade musical do Rock District chamou atenção do público, como a apresentação do Tritony Trio, que tocou clássicos do rock ao som de violinos. “Achei linda a apresentação delas e me identifiquei, porque toco violino desde seis anos de idade e também sou roqueira. É muito difícil ver mulheres fazendo o que elas fazem”, comenta a médica veterinária Marcela Kley, de 26 anos.

A atração principal do dia no palco da District foi o show dos irmãos Flausino e Sideral, que cantaram Cazuza, levantando a plateia. Entre os convidados, estava Lucinha Araújo, mãe de Cazuza, que se encantou com a empolgação do público. “Só me resta dizer obrigada. Eu vivo a memória do meu filho e sempre me emociono”, disse Lucinha. Para o cantor Rogério Flausino, cantar Cazuza no Rock in Rio tem um simbolismo único: “aqui nesse palco tocaram nossos heróis. É um momento de gratidão. Estamos esperando um país melhor. A música tem muito essa função de transformar. O Cazuza tinha essa coisa da poesia de explosão. Estou muito feliz em homenageá-lo, ainda mais tendo a presença da Lucinha ao nosso lado no palco”, conclui Flausino.

Milton Leite, Kyra Gracie e Tomas Bertoni (Scalene) encerram Game XP no Rock in Rio

“Que beleza!” Um dos locutores esportivos mais influentes do país e voz oficial de PES – Pro Evolution Soccer 2018, Milton Leite esteve presente para narrar confrontos do game de futebol na maior tela de games do mundo exclusiva da Game XP, evento que proporciona experiência dos jogos eletrônicos aos visitantes do Rock in Rio.

Milton desfilou seus bordões e muita emoção durante partidas que contaram mais uma vez com a participação descontraída do youtuber Fred, do canal Desimpedidos. Antes deles, a pentacampeã mundial de jiu-jitsu e comentarista do canal Combate, Kyra Gracie, comentou as lutas do game Injustice 2, vencidas pelo também youtuber Dave Jones, praticamente imbatível durante quatro dias de competições.

Já a disputa acirrada de Counter-Strike: Global Offensive (CS:GO), entre times mesclados com jogadores das equipes BootKamp e Team One, teve os comentários do guitarrista da banda Scalene, Tomas Bertoni, fã confesso do jogo.

Casório da Cidade do Rock contou com noivo guitarrista

Tales e Rita Magda namoraram por dois anos e superaram uma distância de 900 Km e, neste domingo, às 17h, se casaram na capela do Rock Rio. A entrada da noiva foi embalada pela canção “November Rain”, tocada pela Orquestra Entreatto e acompanhada pelo noivo, que é músico e guitarrista. “Meu amor, namoramos por dois longos anos e vencemos o desafio de estarmos longe fisicamente, porém hoje posso afirmar que é o dia mais feliz da minha vida”, disse à noiva em seus votos.

Meeting and greeting  30 Seconds to Mars

O grupo formado por Mayara Coimbra, Scarlet Marzano, Wallace Oliveira e Lavinia Souza aguardava ansioso o meeting and greeting  do 30 Seconds To Mars. Como bons fãs, eles fizeram verdadeiras loucuras para conhecer seus ídolos. Lavínia Souza cancelou a viagem de formatura para Porto Seguro. Scarlet Marzano veio com a mãe e o namorado Wallace Oliveira. Eles ficaram 24 horas acordados para fazer a viagem de bate e volta para Minas Gerais. Mayara Coimbra diz que não conseguiu dormir na noite anterior.

Sunset é rock, metal e acessibilidade

No Palco Sunset, a plateia do show do Doctor Pheabes com Supla aproveitou a apresentação sentada na grama. Os artistas tocaram clássicos como “Imagine”, dos Beatles, mas foi na hora da Japa Girl, marca registrada de Supla, que o público todo se  levantou para curtir.

A acessibilidade esteve presente no palco Sunset. A banda Ego Kill Talent foi a terceira a ter um tradutor em libras para reproduzir as músicas e, desta vez, a ação durou o show inteiro. As bandas Johnny Hooker e Baiana System já utilizaram a ferramenta para algumas músicas, durante esta edição do Festival.

A banda Republica levou a violinista Iva Giracca, spalla da Orquestra Sinfônica de Santa Catarina, para o palco, dando notas mais suaves ao heavy metal da banda.  “É um prazer grande poder apresentar para vocês na íntegra o nosso novo disco”, disse o vocalista Leo Belling. Durante o show, a banda mostrou um repertório farto para os fãs do metal com todas as letras em inglês. A música “Tears will shine” foi o destaque. Antes de encerrar seu show, o Republica homenageou os músicos de todas bandas que participaram da edição de 2017 do Rock in Rio.

O Sepultura encerrou os shows no palco Sunset na edição de 2017 do festival com uma apresentação inesquecível. O espaço ficou lotado de fãs do metal e da banda, que é a principal do país no segmento. A performance ficou ainda mais especial com a participação da Família LimaDerrick Green, vocalista da banda, mostrou que segue no auge e impulsionou o show e movimentou o público.

“O Sepultura é um orgulho do Brasil. E qualquer país, uma banda como essa seria beatificada. O que eles fizeram aqui no Rock in Rio foi memorável. Estou nas nuvens. O que vi foi um verdadeiro espetáculo”, comemorou o mineiro Hudson Luiz, de 27 anos, que estava com uma camisa preta do Sepultura.

“Phatom Self”, “I am the enemy” e “Refuse/Resist” foram sucessos que arrebentaram na edição deste domingo. Supla não resistiu ao clima de euforia e se jogou no meio do público para mergulhar na onda do Sepultura.

Palco Mundo – as bandas que encerraram a noite do festival

O Capital Inicial abriu a última noite de Rock in Rio 2017 em grande estilo no Palco Mundo. A banda apresentou seus maiores sucessos e ainda homenageou os Raimundos com a música “Mulher de fases“. Protestos políticos também marcaram o show com as músicas “Que país é esse?” e “Veraneio vascaína”.

“Uma maravilha assistir novamente o Capital no Rock in Rio. Eles traduzem a música brasileira na alma e na voz de conscientização política. O Dinho é um cara que sabe ser um grande artista dentro e fora do palco”, disse Marcelo Nobre, de 33 anos, morador de São Paulo.

O punk  do Offspring sacudiu a Cidade do Rock com o segundo show da noite deste domingo no palco Mundo. Os hits “Come out and play”, “All i want” e “You´re gonna go far, kid” abriram muito bem a participação da banda no festival.

A banda retribuiu o carinho dos fãs durante o show. “Voces são a melhor plateia do mundo”, disse o vocalista Dexter Holland. As músicas “Pretty Fly”, “The Kids Aren´t Alright” e “Self Esteem” encerraram com chave de ouro o show.

O 30 Seconds to Mars surpreendeu ao levar o cantor brasileiro Projota ao palco para cantar “Foco, força e fé“. Logo na abertura, o vocalista Jared Leto apareceu tomando açaí no pote e ainda elogiou a comida brasileira. O cantor chamou atenção também pelo visual bem colorido de suas roupas. O artista repetiu o show de 2013 e andou na tirolesa, levando os fãs ao delírio.

Entre as músicas apresentadas pela banda, “This is war”, “Search and destroy” e “The Kill” foram destaques. No encerramento, Jared levou um grupo de fãs para o palco.

Coube ao Red Hot Chili Peppers a honra de encerrar a edição 2017 do Rock in Rio. E a banda californiana levantou o público na Cidade do Rock tocando seus maiores clássicos como “Californication”, “Under the Bridge”, “By the way” e Give it away”.

Os fogos iluminaram o céu da Cidade do Rock com a música tema do Rock in Rio pela última vez em 2017 e, no telão do Palco Mundo, o festival agradeceu ao público e anunciou a edição de 2019. Uma linda despedida aplaudida pelos visitantes que ainda estavam em peso no gramado do parque.

Eletrônica majoritariamente brazuca

A noite no Palco Eletrônica começou com o jovem DJ Zerb, que desde pequeno se interessou e aprendeu diversos instrumentos, até que conheceu a música eletrônica. Zerb colocou o público para dançar e aqueceu a pista para a entrada de Bruno Furlan, um dos novos prodígios do atual panorama underground brasileiro. Furlan encheu o palco com seus grooves Nurvous, CUFF, Dirtybird This Ain’t Bristol e Relief. Na sequência o duo Cat Dealers, trouxe o seu deep house, indie dance e nu disco.

Gabriel Boni, outro brasileiro conhecido pela precisão em suas mixagens, contagiou a festa com hits e grooves. O cantor Robert Owens, que também é compositor e produtor deu seguimento ao balanço com seu talento inegável de DJ, que mistura hits consagrados com batidas futuristas. O fim da noite ficou por conta do brasileiro Vintage Culture, um dos maiores fenômenos de house music no País. “Sua postura é internacional e merece o destaque ao encerrar o Rock in Rio”, reforça Miguel Marangas, diretor artístico do palco.

Rock in Rio é aprovado pelo público. A nova Cidade do Rock surpreendeu os visitantes com áreas inéditas

Não foram apenas as apresentações dos palcos Mundo, Sunset, Rock Street, Street Dance e Eletrônica, com suas atrações diárias, que animaram o público. Este ano, as estreantes Rock District, Digital Stage, Gourmet Square e Game XP, deixaram os visitantes extasiados e com ainda mais opções de lazer dentro do parque, que se tornou um verdadeiro parque temático da música. Somente pelas arenas da Game XP passaram mais de 360 mil pessoas durante todo o evento.

Outro ponto alto para quem chegou cedo nos dias de festival foram os brinquedos. Um total de 136.426 pessoas passaram por atrações como a famosa tirolesa da Heineken (7.806 pessoas), os empolgantes mega drop da Doritos (31.501 pessoas) e montanha russa da Ipiranga (40.095 pessoas) e pela sempre concorrida roda gigante do Itaú (57.024 pessoas).

Dentro da Cidade do Rock, as empresas parceiras do festival também alcançaram índices que superaram as expectativas iniciais. No ramo alimentício, foram consumidos mais de um milhão de copos de chopp (Heineken). No Habib’s foram consumidos 39 mil potes de sorvetes e 200 mil esfihas, além de 27 mil cachorros quentes (Geneal), 50 mil cones de batata frita, 54 mil unidades de Doritos, 35 mil unidades de Cup Noddles e 60 mil unidades de pizzas. Já a Niely, levou para a Cidade do Rock dois salões de beleza, um no Village e outro na área VIP.

Nos sete dias de evento foram realizados quase oito mil penteados. E a Maybelline, fez um total de 2.500 maquiagens somando seus espaços. Já as lojas oficiais do Rock in Rio venderam mais de 35 mil camisas, 28 mil pins, 17 mil chaveiros, 12 mil bonés e seis mil cangas, em suas lojas espalhadas pela Cidade. A Chilli Beans comercializou 2.100 pares óculos.

Veja mais sobre Rock in RioEventos

Compartilhe: