O Rei Leão – O Musical

O Rei Leão – O Musical

Pessoas, alguém aqui gosta de leõezinhos?! Hienas?! Um pássaro azul, gnus, zebras, antílopes e tudo isso misturado em um musical?! É, pessoas, vocês, com certeza, já perceberam que eu estou falando de O Rei Leão! E resolvi falar do musical, porque, neste último domingo, dia 06/07, tive a maravilhosa experiência de assisti-lo no teatro. E pessoas, se vocês não assistiram ainda, por favor, vão… E me levem junto!!! É uma das melhores vivências que se pode experimentar e, apesar de caro, é um dinheiro bem investido. Mas, vamos parar de tanto falatório e vamos falar logo do musical, muito muito bom!!! Vem comigo!?

Esta peça, que está em cartaz no Teatro Renault por tempo indeterminado (mas não se sabe quando eles vão acabar determinando este tempo, né?), foi encenada em 15 países, traduzida para 8 línguas, e foi sucesso de bilheteria em 2013, e voltou a ficar em cartaz no dia 08/01. Foi a maior bilheteria da Broadway, em 2o12, tendo grandes índices de arrecadação, o que não foi diferente aqui no Brasil. E com direção de Julie Taymor e produção do presidente da Disney Theatrical Productions, Thomas Schumacher, a versão daqui traz o Gilberto Gil como produtor musical, além de contar com um elenco talentosíssimo!

Agora, passado a parte técnica, vamos falar da peça, enquanto pessoa, ser emocional, que assistiu, no caso eu. Assim, pessoas, é claro que eu não sou nenhuma expert em crítica, mas, o que eu posso dizer é que a peça emociona do começo ao fim. Quando começa a música da apresentação de Simba, cantada pela Rafiki, porque este papel é interpretado por uma mulher, é de encher os olhos de lágrimas. Inclusive, houve interpretações que me fizeram encher os olhos de lágrimas! Como por exemplo, a Nala saindo para procurar ajuda, e acaba encontrando o Simba.

E a trama, muito bem interpretada, também teve momentos cômicos, e dos quais podemos dar os maiores créditos para Zazu (que é de um humor requintado e sarcástico maravilhoso) e Timão, que não fica muito atrás de Zazu no quesito humor. Outro que achei sensacional também, foi o Scar. Acho que, depois de assistir o OUAT, não foco mais a minha atenção nos mocinhos da história! Mas sinceramente, eles marcaram mais presença na apresentação do que os mocinhos.

Fiquei encantada com a Nala criança dançando com as leoas, era de uma graça tamanha. As hienas, deram um show também.Deram uma boa adaptada à maneira nossa de falar, como se elas falassem as nossas gírias. Algumas tiradas que se tem no filme, foram adaptadas à cultura brasileira, o que eu achei uma boa sacada. E outra coisas, pessoas… Acho que a morte do Mufasa no teatro é mais traumatizante do que no filme…

Mas, o que realmente me chamou atenção nesta peça, muito mais do que as maravilhosas músicas e atuações, foi cenário e figurino. Além de uns jogos de sombra que eles fazem, nos dando a noção de espaço, profundidade e tudo mais, que faz ficar muito perfeito. A cena que fiquei mais impressionada, foi a dos gnus… Ficou lindo demais, além da montagem que fizeram na hora que Mufasa aparece para Simba!

Pessoas, cogitem em ir assistir à peça, porque, como eu disse, vocês não vão se arrepender. Belas músicas, interpretadas por belas vozes, você se emociona, ri… E se diverte bastante… Altamente recomendado, tanto que, eu até deixo vocês pagarem para eu acompanhá-los! Juro que não vou achar ruim… Espero que tenham gostado da dica e espero que assistam, até mais pessoas!!

Natalia Cordeiro
por

Natalia Cordeiro

Sou Whovian por opção, tenho Letras por formação e escrevo por paixão. Apaixonada pelo o azul e o non-sense (entende-se então TARDIS e Alice no país das maravilhas) e por corujas em geral. Quero mostrar um pouco do meu país das maravilhas através de seriados, filmes, livros e músicas, e por vezes, tento me aventurar e tenho grande paixão por poesia!

Recomendamos para você