“Conhecer o outro e conhecer a si mesmo: em cem batalhas nenhum perigo; Não conhecer o outro e conhecer a si mesmo: uma vitória para uma perda; Não conhecer o outro e não conhecer a si mesmo: em cada batalha, derrota certa”.  Sun Tzu (A arte da guerra) – Quem é você? Quem são seus inimigos? Quem são seus aliados? O que vocês todos são capazes de construir juntos?

 

Assumir lados e opiniões significa escolher alguém, ir contra alguém e principalmente, declarar para o mundo o que você é e como você pensa. Existe forma mais devastadora de exposição? E ficar exposto não faz com que fiquemos vulneráveis? Ninguém gosta de perder o controle de sua vida, muito menos de passar este controle para outro alguém.

 

Fomos criados para tomar nossas próprias decisões e enfrentar todos os desafios a que somos expostos. Um clássico exemplo disso são as guerras travadas pela humanidade ao longo dos séculos. Estude os históricos destas guerras e tente encontrar o real motivo para o início de todas elas. O que encontramos? Vontades, opiniões, desejos de conquista e realização pessoal de líderes, ou seja, uma infinidade de “eu, eu, eu e eu”.

 

Assim é a humanidade desde sempre, mas e quem segue os ideais dos outros? São pessoas sem opiniões formadas ou são pessoas cujas opiniões se resumem em “acompanhar quem estiver vencendo?”. Este perfil é facilmente encontrado, aqueles que preferem ser conduzidos a conduzir, aqueles que preferem ser vitoriosos através da glória dos outros do que através de suas próprias conquistas.

 

Sempre que me deparo com algum problema de um amigo ou pessoa próxima, paro para pensar em como eu agiria se eu estivesse naquela situação. Acredito realmente que ser conhecedor de suas próprias reações facilita muito a convivência em sociedade, até porque, quando nos conhecemos muito bem, podemos definir nossos limites pessoais e desta forma, ter uma visão mais realista de quem são nossos verdadeiros inimigos e principalmente, nossos importantes aliados.

 

Essa semana eu ouvi de duas pessoas diferentes a mesma frase: “Muitas vezes em nossa vida, vemos pessoas que não merecem ser beneficiadas em prol de uma simples aliança”. Sabe o que isso significa? Que nós, seres humanos, temos a capacidade inconsciente de escolher aliados mesmo não estando em uma guerra de verdade. A reflexão para esta frase seria: Mais vale investir todas as suas forças em uma pessoa que já está com você e que você já confia ou em alguém que está “nadando contra a sua maré?”.

 

Na vida real, esse conceito pode ser questionado e muitas vezes evitado. Mas pense na realidade de uma organização e em tudo o que se vivencia dentro dela. A guerra é real, as batalhas são diárias e a quantidade de pessoas brigando por espaço, reconhecimento e realização pessoal, faz com que alianças sejam construídas e quebradas a todo tempo. Quantas vezes já não fomos colocados de frente para alguma situação como a da frase citada acima? Quantas vezes já não vimos pessoas não merecedoras conquistando espaço e sucesso simplesmente porque alguém entendeu que elas deveriam ser mantidas “sob custódia” e a melhor forma, seria dando exatamente o que elas queriam?

 

Sei que ninguém gosta de ter inimigos, sei que ninguém gosta de assumir alianças, mas isso é real e se faz necessário o tempo todo. Portanto, quando o destino lhe colocar em uma situação como esta, de escolha, pense muito antes de agir. Pense muito antes de escolher seus aliados, conheça-os muito bem antes de qualquer passo ou exposição, aproxime-se de seus inimigos não com faltas pretensões, mas para conhecê-los também.

 

Quem sabe seu maior inimigo não pode com o tempo se tornar seu melhor aliado?