Onde “Quebrando a Banca” errou?

-por , em 10/10 -
Onde “Quebrando a Banca” errou?

Aparentemente a banca sempre vence. Em Hollywood geralmente é assim: dificilmente um filme tem problemas com a bilheteria, haja vista o poderio do marketing empregado pelos estúdios. No caso do filme Quebrando a Banca (“21”, de 2008, dirigido por Robert Luketic e produzido por Kevin Spacey), a banca venceu: o filme, cujo orçamento foi de 35 milhões de dólares, produziu 157 milhões de bilheteria.

 

Todavia, será que venceu mesmo? Ou foi, por ironia, quebrada?

 

Assisti o filme por pelo menos 3 vezes tentando entender o que se passa de errado para que a crítica especializada tenha considerado a película como um longa de pouco calibre. A cada exibição minha empolgação diminuía. Primeiramente, há de se observar: a expectativa na primeira vez era alta. Afinal de contas, o “argumento” do filme era ótimo: estudantes de Harvard, liderados por seu professor, vão à Las Vegas para jogar blackjack (21) e… Quebram a banca por meio de contagem de cartas – é mais fácil do que ficar rico jogando poker na qualquer sala online.

 

Parece simples. O grande problema da trama, porém, reside justamente nessa palavra: problema. Um drama, seja ele de qual mídia for, se sustenta em conflitos. Os conflitos no filme em questão são muito mal construídos. Por um lado, Spacey se revela um vilão questionável na pele do professor. Por outro, poderia ser dito que o protagonista (Jim Sturgess) também pode ser considerado um vilão – afinal de contas o que ele está fazendo não é certo, convenhamos.

 

Com efeito, a película peca justamente na falta de realismo – que vem sendo uma tônica na produção hollywoodiana atual, com filmes como “Homem de Aço” e a outra empreitada de sucesso por Christopher Nolan, a trilogia do Cavaleiro das Trevas (Dark Knight). Se não tivesse focado em dramas mundanos e hierarquia duvidosa, Quebrando a Banca seria um filme muito mais consistente – ainda mais quando consideramos que é baseado numa fascinante história real.

 

Perfil Coxinha

Coxinha Nerd

O que você acha?
A favor dos nerds e contra a tirania dos Kibes.
Facebook | Twitter

 

Cris Siqueira
por

Cris Siqueira

Nerd, administradora, RPGista, apaixonada por gastronomia, curiosa sobre todos os assuntos e acha que Darth Vader é Deus. Gasta seus “bons tempos” escrevendo, lendo, vendo seriados e viajando. Reza todos os dias para tirar sempre 20 nos dados e nunca morrer no meio de uma batalha!

Recomendamos para você