Estivemos ontem na Pinacoteca, um dos locais mais culturais de São Paulo, justamente para o anuncio de uma das programações mais culturais do país, a FLIP – Festa Literária Internacional de Paraty, que acontece anualmente em Paraty e chega a sua 13ª edição. O autor tema escolhido para este ano foi Mario de Andrade e anuncio foi feito em grupo por Gabriela Gibrail, Belita Cermelli, Mauro Munhoz Paulo Werneck, e trouxe informações que causaram, posso dizer, uma boa comoção entre os jornalistas presentes!

Além de toda a animação sobre as novidades nas mesas – como os encontros com os autores de maior destaque, para que os mesmos possam ter mais tempo e ser melhor apresentados e os temas como a neurociência e o erotismo, pouco abordados nas edições anteriores, o que valeu até mesmo alguns comentários de Werneck, diante da surpresa:

É um assunto pelo qual todo mundo se interessa: sexo é algo que todo mundo faz ou deveria fazer. Por que não ia ter uma mesa sobre este assunto? O Reinaldo tem este livro ‘O cheirinho do amor’ que conquista pela língua, pela linguagem. É um erotismo, vamos dizer, estético, de alta qualidade.”

tivemos o anuncio que foram confirmados os autores Leonardo Padura (“O homem que amava os cachorros”), o jornalista e escritor italiano Roberto Saviano (“Gomorra”) – que por estar jurado de morte pela máfia de seu país, gerou muitas perguntas sobre a questão da segurança e o fato dele surgir em um evento com hora e local marcado – e o brasileiro Reinaldo Moraes.

flip

PROGRAMAÇÃO PRINCIPAL

Quarta, 1 de julho

19h – Sessão de abertura- AS MARGENS DE MÁRIO –  com Beatriz Sarlo, Eliane Robert Moraes e Eduardo Jardim. Buenos Aires, Rio de Janeiro e o erotismo fornecem pontos de vista originais para compreender Mário hoje.

Quinta, 2 de julho

10h – Mesa 1 – A CIDADE E O TERRITÓRIO – com Antonio Risério e Eucanaã Ferraz. A cidade, o patrimônio cultural e a noção de território – marcadas pelo pensamento de Mário de Andrade – são os eixos da mesa de arquitetura da Flip, com dois ensaístas que põem em diálogo a arquitetura e a literatura brasileira.

12h – Mesa Zé Kleber – FALANDO ALEMÃO – com Geovani Martins, Deocleciano Moura Faião e Katjusch Hœ. As oficinas de poesia, fotografia e edição promovidas no Rio pelo Laboratório Setor X no Complexo do Alemão, na Rocinha e na Biblioteca Parque de Manguinhos revelaram artistas brasileiros onde menos apostamos na arte. Três deles se apresentam na mesa Zé Kleber, voltada às questões da vida em comunidade em Paraty (e em todo o Brasil), que homenageia o poeta, ativista, ator e agitador cultural paratiense Zé Kleber (1932-1989).

15h – Mesa 2 – DE MICRÓBIOS E SOLDADOS  – com Diego Vecchio e Saša Stanišić. Dois destaques da ficção contemporânea levam a Paraty seus romances recém-lançados: o argentino Diego Vecchio, com sua bem-humorada mania de doenças, e o bósnio Saša Stanišić, que tematiza a guerra e as relações entre memória, história e literatura.

17h15 – Mesa 3 – A POESIA EM 2015 – com Matilde Campilho e Mariano Marovatto. O oceano Atlântico não é propriamente um problema para a nova geração de poetas que, entre lá e cá, aponta as novas rotas da lírica de língua portuguesa.

19h30 – Mesa 4 – ENCONTRO COM COLM TÓIBÍN com o irlandês Colm Tóibín, que participou da Flip em 2004, volta a Paraty para um memorável encontro com o público.

21h30 – Mesa 5 – DO ANGU AO KAOS – o músico tropicalista de “Maracatu atômico” e “Lágrimas negras” é também o autor de uma obra literária original, regida pelas forças do Kaos – neologismo que dá nome a seu inspirado romance de 1964. Em Paraty, Mautner vai se encontrar com o premiado escritor Marcelino Freire, de Angu de sangue e Nossos ossos, que volta à Tenda dos Autores após onze anos.

Sexta, 3 de julho

10h – Mesa 6 – ENCONTRO COM BORIS FAUSTO – as representações literárias dos afetos familiares, do luto e da vida amorosa estão entre os principais eixos de discussão da Flip 2015. Historiador consagrado, Boris Fausto vai a Paraty para falar sobre o comovente (e também autoirônico) diário em que registrou a dor pela morte de sua companheira de vida inteira, em 2010.

12h – Mesa 7 – SÃO PAULO! COMOÇÃO DE MINHA VIDA… – com Roberto Pompeu de Toledo e Carlos Augusto Calil. A São Paulo de Mário é evocada na mesa que reúne Roberto Pompeu de Toledo, “biógrafo” da cidade de São Paulo, e Carlos Augusto Calil, que lança na Flip um volume sobre a gestão de Mário de Andrade no Departamento de Cultura da cidade, experiência pioneira e de notável atualidade.

15h – Mesa 8 – AS ILUSÕES DA MENTE – com Eduardo Giannetti e Sidarta Ribeiro. O economista Eduardo Giannetti, na Flip pela primeira vez, conversa com o neurocientista Sidarta Ribeiro sobre cérebro, mente, as poucas certezas e as muitas ilusões da alma.

17h15 – Mesa 9 – ESCREVER AO SUL – com Ngũgĩ wa Thiong’o e Richard Flanagan. Colonialismo e neocolonialismo, identidade nacional, civilização e barbárie, construção da língua literária, cultura da memória – eis alguns dos muitos pontos em comum entre as jovens e diversas literaturas do Hemisfério Sul. Expoente da literatura africana, o queniano Ngũgĩ wa Thiong’ose encontra em Paraty com o romancista australiano Richard Flanagan, ganhador do Booker Prize em 2014.

19h30 – Mesa 10 – AMAR, VERBO TRANSITIVO – com Ana Luisa Escorel e Ayelet Waldman. A americano-israelense Ayelet Waldman e a paulistana Ana Luisa Escorel contam como transformam os legados familiares e as delicadas relações entre pais e filhos em rica matéria-prima literária.

21h30 – Mesa 11 – OS IMORAES – com Eliane Robert Moraes e Reinaldo Moraes. Não é de hoje que o encontro do sexo com a boa literatura produz páginas memoráveis no Brasil. O romancista Reinaldo Moraes e a crítica literária Eliane Robert Moraes conversam sobre literatura erótica e pornográfica, excessos da imaginação, taras sexuais e literárias, autores malditos e libertinagens em geral.

Sábado, 4 de julho

10h – Mesa 12 – TURISTAS APRENDIZES – com Beatriz Sarlo e Alexandra Lucas Coelho. O turista aprendiz, publicado postumamente em 1976, é talvez o livro de Mário de Andrade que mais fala ao grande público nos dias de hoje, por sua leveza e pelas múltiplas portas de entrada que a literatura de viagem oferece. Duas renovadoras do gênero, a crítica literária argentina Beatriz Sarlo e a escritora portuguesa Alexandra Lucas Coelho, abrem em Paraty as páginas de seus diários de viagem.

12h – Mesa 13 – ENCONTRO COM DAVID HARE – O teatro britânico está entre os pontos altos da ficção de nossos dias. Depois de ter apresentado Tom Stoppard ao público brasileiro em 2008, a Flip traz a Paraty David Hare, influente dramaturgo e comentarista político que desde 1968 escrutina em suas peças os destinos políticos da sociedade britânica.

15h – Mesa 14 – DE BALÕES E BLASFÊMIAS – com Riad Sattouf e Rafa Campos. O cartunista franco-argelino Riad Sattouf, que focaliza as batalhas culturais entre franceses e árabes, ex-colaborador do jornal parisiense Charlie Hebdo, vai debater em Paraty como as batalhas culturais que se travam nas páginas dos quadrinhos. A seu lado, estará o cartunista Rafa Campos, criador da personagem Deus, Essa Gostosa.

17h15 – Mesa 15 -OS HOMENS QUE CALCULAVAM – com Artur Ávila e Edward Frenkel. A Flip recebe Artur Ávila, o primeiro brasileiro a receber a cobiçada medalha Fields, mais alta premiação da matemática, em 2014. Ávila e o matemático russo-americano Edward Frenkel se reúnem em Paraty para uma conversa divertida sobre vida de cientista e intimidade com os números – com todos os problemas, alegrias e espantos que eles carregam.

19h30 – Mesa 16 – ENCONTRO COM ROBERTO SAVIANO – O jornalista italiano Roberto Saviano fala do seu trabalho jornalístico sobre a máfia e o narcotráfico, que lhe valeu ameaças de morte e o obrigou a viver em esconderijos nos últimos anos.

21h30 – Mesa 17 -DESPERDIÇANDO VERSO – com Arnaldo Antunes e Karina Buhr. Arnaldo Antunes leva a Paraty a sua sólida obra poética, filha da poesia concreta com o rock’n’roll. A seu lado estará a cantora, compositora e poeta estreante Karina Buhr. 

Domingo, 5 de julho

10h – Mesa 18 – MÚSICA, DOCE MÚSICA – com José Ramos Tinhorão e Hermínio Bello de Carvalho. É preciso reconhecer que o nosso olhar sobre a música brasileira não seria o mesmo sem Mário de Andrade. Dois pesquisadores musicais que de certa forma desdobraram as ideias e as pesquisas de Mário sobre as nossas tradições musicais se reúnem nesta mesa histórica para divergir, debater, questionar, discordar e discutir de onde veio e para onde foi a música brasileira.

12h – Mesa 19 – DE FRENTE PARA O CRIME – com Leonardo Padura e Sophie Hannah. O romance de detetive conquista leitores de todos os perfis e permanece central na literatura contemporânea. O cubano Leonardo Padura, com suas tramas ambientadas na história política do século 20, e a britânica Sophie Hannah, escolhida para dar seguimento à série de Hercule Poirot, célebre detetive criado por Agatha Christie (1890-1976), renovam um gênero popular, de grande força inventiva.

14h – Mesa 20 – CONFERÊNCIA DE ENCERRAMENTO – com José Miguel Wisnik. Um retrato de corpo inteiro do homenageado da Flip 2015, por um de seus grandes leitores.

16h – Mesa 21 – LIVRO DE CABECEIRA – Autores convidados da Flip 2015 leem trechos de seus livros prediletos.

Oficina de Design de Livros

Além das mesas literárias, a tradicional Oficina Literária da Flip, que faz parte da programação oficial da Festa Literária Internacional de Paraty, dará lugar, em 2015, a uma oficina de design de livros com a designer holandesa Irma Boom e a brasileira Elaine Ramos. A Oficina de Design de Livros é realizada em parceria com a Fundação Holandesa das Letras (Nederlands Letterenfonds), e tem com objetivo promover o diálogo entre a nossa jovem tradição gráfica e a excepcional cultura impressa holandesa.

Flip 2015

A Flip 2015 ocorre entre 1o e 5 de julho, em Paraty (RJ), tendo o escritor Mário de Andrade como autor homenageado.

Quem faz a Flip

A Casa Azul é uma organização da sociedade civil de interesse público, que desenvolve projetos nas áreas de arquitetura, urbanismo, educação e cultura. Desde as primeiras ações, mantém uma intensa relação com a cidade de Paraty. A Flip, os projetos educativos permanentes – Flipinha, FlipZona e Biblioteca Casa Azul – e o Museu do Território são algumas de suas experiências que potencializam importantes transformações no território e promovem o aprimoramento da qualidade de vida dos cidadãos, os valores culturais e a conservação do patrimônio material ou imaterial.

Patrocínio
A programação da Flip conta com o patrocínio oficial do BNDES e Itaú, patrocínio da Petrobras e outros parceiros ainda em vias de confirmação.

Compartilhe: