O tema trabalho escravo está dominando a mente de todos hoje em dia! É tanta empresa grande e famosa envolvida nesta polêmica que dá até certa angústia na hora das compras de final de ano. Na última semana, estive no shopping para comprar roupa e acabei não conseguindo entrar na Renner, muito louco né? Mas fiquei agoniada com a notícia de que a empresa estava envolvida em trabalhos ilegais no interior do Brasil (leia o post sobre isso aqui). Enfim, comecei a procurar muito sobre esse assunto a acabei encontrando uma lista de produtos, que são frutos de trabalho escravo atual e que nem sabemos porque não aparece na mídia. Fique ligado e selecione bem suas compras neste natal, ok? 🙂

Segundo o Índice de Escravidão Global, o Brasil é o 94º colocado no ranking de países com maior prevalência da escravidão moderna. Os piores países são Mauritânia, Haiti, Índia e Nepal, enquanto na ponta oposta aparecem Islândia, Irlanda e Reino Unido. Esse ranking, no entanto, também leva em conta casamento infantil e tráfico de pessoas, além da escravidão. No que se trata de trabalho forçado, isoladamente, Índia e China são as campeãs.

O CHOCOLATE

A maioria das grandes empresas que vende chocolate, obtém cacau das mesmas fontes, na Costa do Marfim. E, apesar de alguns grupos de fiscalização nos últimos anos tentarem melhorar as condições por lá, a vida dos que colhem cacau não é nada menos do que terrível. O trabalho é realizado por escravos, muitas vezes crianças. Várias dessas crianças são retiradas de países pobres como Mali. Algumas são raptadas. As famílias mais pobres, vendem seus filhos para a escravidão por algo em torno de US$ 30.

No Brasil, temos produção própria de cacau e alguns pensam que não compramos chocolate de trabalho escravo africano. Somos o terceiro maior mercado de chocolate do mundo. Para dar conta de tal demanda, recorremos cada vez mais aos chocolates importados, principalmente porque a produção nacional vem caindo ano após ano. Ou seja, não estamos livres dessa estatística ruim.

eletronicos

OS ELETRÔNICOS

Existe uma fábrica de produtos eletrônicos na China, chamada Foxconn, que é extremamente famosa negativamente. Ela é conhecida por inúmeras violações trabalhistas e abusos, incluindo quantidades absurdas de horas extras e a não remuneração de seus empregados. A mais famosa empresa que lucra com essa linha de produção, é a Apple, mas a Foxconn também produz muitos outros produtos eletrônicos para outras empresas, incluindo consoles de jogos para todas as grandes companhias do ramo.

A Apple foi pressionada para melhorar as condições da Foxconn, mas já foi descoberto que o local ainda não recebeu muitos investimentos. As condições são tão ruins que muitos trabalhadores cometem suicídio. As horas extras, que chegam a cerca de 100 por semana no auge da produção, não são pagas. Se um funcionário se comporta mal, têm que escrever uma nota de confissão. Estas notas são veiculadas publicamente para humilhá-los. A Foxconn nem sequer dava bancos para seus funcionários sentarem até pouco tempo atrás. E o absurdo de tudo isso?

AS ROUPAS

AS ROUPAS

Se você já comprou um artigo barato de roupas no Walmart ou muitos outros varejistas, há uma boa chance de que a peça tenha sido confeccionada em uma fábrica exploradora. Há muitas dessas fábricas em Bangladesh. Embora seja ilegal empregar crianças, investigações secretas têm mostrado que o trabalho infantil é assustadoramente comum na indústria do vestuário, especialmente em países asiáticos.

Para contornar o problema, algumas das fábricas da região que produz roupa para o mundo ocidental, afirma ter melhores condições – o que nem sempre é verdade absoluta. Em 2014, houve um incêndio em uma fábrica de Bangladesh. Os proprietários disseram aos funcionários que era apenas um ensaio (para o eventual caso de incêndio). Eles trancaram as portas do lado de fora e mais de 100 pessoas morreram. O fato de ter pessoas correndo para fora do prédio, os deixava mais preocupados mais do que a segurança dessas mesmas pessoas. No ano anterior, houve um colapso em outro edifício que matou mais de 1.000 pessoas. Muitos ficam indignados com a maneira com que os donos das fábricas tratam as vidas humanas.

AS BOLSAS

AS BOLSAS

Quem produz bolsa falsificada é uma empresa global multibilionária, de acordo com Dana Thomas, autora de Deluxe: How Luxury Lost Its Luster. Este comércio é conhecido por utilizar trabalho escravo infantil. Dana já acompanhou a polícia durante operações contra os locais de fabricação, e viu dezenas de criancinhas sendo tratadas horrivelmente. Em um dos casos, na Tailândia, uma fábrica que fazia bolsas de grife falsificadas para consumidores ocidentais, foi capaz de quebrar as pernas das crianças para que elas nunca mais se curassem corretamente. Isso porque tinham se cansado das queixas dos pequenos que queriam brincar lá fora. Uma verdadeira vergonha.

Eu sei que não iremos parar de consumir nada por causa de revelações e notícias, o mundo globalizado e capitalista nos obriga a continuar consumindo, o dia a dia nos obriga a continuar participando da moda ditada. O problema está nas nações que comandam o mundo politicamente, nas empresas que deveriam ter bom senso acima de todas as coisas e nos seres humanos que mandam nestas empresas, que deveriam valorizar o capital humano um pouquinho melhor. O que você acha desse tema?

Compartilhe: