Porque ver Revolution?

-por , em 11/01 -
Porque ver Revolution?

Simples! Revolution em sua primeira temporada já conseguiu me comprar. Eu não assisti quando estreou, resisti mais alguns tempos e agora que abri mão e assisti aos primeiros episódios, estou viciada. Essa é a minha vida! Eu sabia que o tema de Revolution provavelmente me faria querer assistir e acompanhar, acho que por auto preservação eu resisti um bocadinho.

 

Revolution é um seria do J.J. Abrams, o que por si só já nos coloca em uma situação de apreensão. Revolution é um seriado de mundo “pós apocalíptico”, o que já nos coloca em uma situação de déjà vu. Revolution é um seriado que lembra Lost, The Walking Dead e Person of Interest, o que já nos coloca em uma situação de tensão. Enfim, depois de assistir ao primeiro trailer de pré-lançamento, fiquei tudo isso e muito mais. Mas dei o braço a torcer e fui com tudo.

 

A história não é a mesma de sempre, por mais que pensemos que é. Logo no primeiro episódio fica claro que o homem é o único responsável pelo ocorrido do fim da eletricidade, não temos dúvidas com relação a isso. O personagem Ben e sua esposa Rachel sabem o que está acontecendo, se preparam para o fim de tudo aquilo que domina a vida do ser humano – internet, eletrodomésticos, comunicação e transportes futurísticos. As histórias de cada personagem são contadas a partir de mini flashbacks já que os principais acontecimentos da série acontecem 15 anos após o apagão.

 

Temos personagens que nem se lembram do mundo como o conhecemos hoje, crianças que cresceram em um mundo apagado, com velas e sem comunicação alguma. Temos o desespero de pessoas que estavam em viagem quando o apagão ocorreu e que nunca mais reviram seus familiares e amigos. Temos a agonia daqueles que viram tudo acontecer, estão com seus amigos e familiares, mas que os perdem aos pouquinhos por causa da situação atual do mundo. E temos ainda o abuso do poder daqueles que passaram a dominar uma nação antes conhecida como livre e democrática.

 

10

 

O personagem a frente na foto acima, Ben, começa o primeiro episódio chegando em sua casa e dizendo para a sua esposa que “tudo está prestes a acontecer”. O que nos reconforta bastante, é claro que o governo americano mais uma vez tem muita culpa no cartório. Eles fogem para o interior e, como o começo de todo episódio mesmo diz, os espertos tiveram que fazer isso. As cidades viraram grandes guetos, as pessoas viraram animais sem escrúpulos e os governos simplesmente faliram por falta de solução para um mundo sem dono. A trajetória gira em torno da família de Ben – sua esposa Rachel e seus dois filhos, Danny e Charlie.

 

Ben possui um pingente que, teoricamente, é capaz de restaurar a energia por alguns momentos. Monroe, “nova autoridade nos Estados Unidos”, mais precisamente Philadelphia, é um ex-amigo do irmão de Ben. Ele cria soldados, distribui medo e tensão pelos sobreviventes, mata sem sentimento algum e elimina os revolucionários – ditas pessoas que ainda cultuam a bandeira e o ideal americano. Os filhos de Ben nada sabem sobre o apagão, mas acabam sofrendo certa retaliação de Monroe e seus comandantes e generais. O mundo está um caos e apenas uma pessoa acha que está no poder. Será que isso vai perdurar quanto tempo?

 

Ainda estou no 7º episódio, assistindo compulsivamente até que o break das séries termine e tudo volte ao normal. Mas sabe porque eu indico que vejam Revolution? Porque este fim, esta mudança de era, é muito mais próxima da nossa realidade do que o aparecimento de zumbis. Revolution conta a história de um mundo destruído pela ambição do homem, pela falta de limite nas invenções, pelo avanço desenfreado de nossa tecnologia. E sabe o que mais me impressiona? Assistindo aos episódio, conseguimos nos ver em várias características de todos os personagens. Pessoas viciadas em seus iPhones, que continuam olhando para os aparelhos, mesmo com eles desligados. Pessoas que passaram a vida com dinheiro e trabalhando atrás de uma tela de computador – o que sabemos fazer para sobreviver em um mundo pós apocalíptico?

 

Se precisarmos caçar, pescar, fugir, acampar, sobreviver debaixo de chuva e de sol forte, fazer nossas necessidades em meio ao  mato denso, matar, se defender… saberemos dar conta? Não estamos preparados para o mundo pós apocalíptico. Isso te desespera? Vamos continuar vendo Revolution e vamos descobrindo aos pouquinhos o que mais a raça humana tem que fazer para se virar fora da zona de conforto. 😉 Estou ansiosa para seu retorno.

 

Você deve curtir também:

 

The walking dead sessão de terapia glee the walking dead

Cris Siqueira
por

Cris Siqueira

Nerd, administradora, RPGista, apaixonada por gastronomia, curiosa sobre todos os assuntos e acha que Darth Vader é Deus. Gasta seus “bons tempos” escrevendo, lendo, vendo seriados e viajando. Reza todos os dias para tirar sempre 20 nos dados e nunca morrer no meio de uma batalha!

Recomendamos para você