Semana de calor, semana corrida, de sofrimento, falta de tempo… mas sempre tem um intervalinho pra curtir um som né? Acho bom! Essa semana, na nossa playlist de final de ano, temos música de gente polêmica, homenagens, funk rock … mistureba total! Se você curte música boa, de qualidade e recomendações constantes, não deixe de curtir a gente nas redes sociais também! Estamos sempre postando novidades por lá! 🙂

Nota da revisora: Para curtir nosso Youtube, clique aqui e se inscreva em nosso canal! Para acompanhar nas redes sociais, basta clicar nos links no final desse post! Comente também, lá no final da página, suas músicas, bandas e estilos favoritos! Estamos sempre divulgando o melhor para vocês por aqui!

PANDORA 101

Ótimo som. Pesado, trabalhado, com bom senso, nada exagerado. Os solos de guitarra muito bons! Técnicos é bonitos. Vale lembrar que é banda do polêmico Nando Moura, que faz uns vídeos no youtube expondo algumas opiniões. Vale a audição tanto da banda quanto do guitarrista em seus vídeos, seja para concordar ou discordar.

VELVET REVOLVER

Vale a homenagem. Recentemente Scott Weiland, vocalista da banda em questão faleceu devido a uma overdose. Mais um rockstar se vai, do jeito que os rockstars costumam morrer. O Velvet Revolver se encaixou como uma luva de quem gosta daquele hard rock old school, porém pedia algo novo na cena. As composições maliciosas de Slash e o vocal característico de Scott, com uma cozinha formada por ex gunner´s ( Duff McKagan e Matt Sorum) eleveram a banda ao topo rapidamente. A banda está em hiato desde da saída de Scott, porém audições com vocalistas acontecem esporadicamente, já que cada integrante tem se ocupado com novas bandas e projetos.

STONE TEMPLE PILOTS

Seguindo com a nossa singela homenagem, uma banda que fez parte da adolescência de muita gente, inclusive do escriba aqui. O STP foi uma grande mistura de hard rock e grunge, um som bem anos noventa. A banda foi formada por Scott, lá em 1992 e logo de cara, com a bolacha “Core” foi sucesso. O segundo trabalho, “Purple” também gerou grande mobilização por parte do público e mídia. Muito disso ao grande talento do magrelo Scott nos vocais. Banda clássica.

LIVING COLOUR

O LIVING COLOUR choca até hoje. Não por todos os integrantes serem negros, e sim pela sua qualidade técnica, os timbres e solos de guitarra de Vernon Reid e a bateria trabalhada de Will Calhoun. Taí uma banda que eu queria ver ao vivo.

Valeu galera, boas festas e até 2016! 

Compartilhe: