Pixar, não me deixe crescer!

-por , em 24/07 -
Pixar, não me deixe crescer!

Eu cresci assistindo todos os filmes da Disney, era viciada nos maiores clássicos e enchia o saco dos meus pais para comprar as fitas (olha a velhice) sempre! Falei um pouquinho sobre isso aqui nesse post! Para os apaixonados por desenhos e pelas histórias lindas e fantasiosas de todos os personagens, não existe nada mais impactante do que as histórias da Pixar – que hoje, faz parte do grupo Disney #casamentoperfeito ❤ Por isso, não tem nada mais incrível do que ser adulta, ficar ansiosa pelo lançamento de um filme novo da Pixar, correr para o cinema no dia da estreia e sair se debulhando em lágrimas, completamente enlouquecida! Eu me sinto muito bem quando passo por essa situação, rs, isso é a prova viva de que a Pixar não me deixa crescer e mantém viva, dentro de mim, essa inocência e esse sentimentalismo que sou apaixonada!

Vamos começar pelo filme que arranca meu coração pela boca, até hoje, quando assisto: Toy Story (coloque qualquer número aqui). Todo mundo conhece a história de Toy Story, todo mundo já assistiu 500 mil vezes e todo mundo é completamente apaixonado, eu sei, mas, sério… Me sinto na obrigação de recomendar e falar bem sempre que posso! A história é envolvente, real e não tem como assistir sem se colocar no lugar do menino crescendo e se distanciando dos brinquedos. A Pixar consegue colocar sentimentalismo em tudo, em brinquedos, em carros, em animais, em qualquer coisa gente, e eu aqui, babona, só choro, a cada lançamento!

Para quem não sabe, além do filme Divertida Mente, que foi lançado no primeiro semestre de 2015, a Pixar ainda está programando mais um filme para as férias de dezembro, O Bom Dinossauro. Pelo trailer, que você pode ver aqui embaixo, já sabemos que vai ser mais uma história para chorarmos, para lembrarmos pelo resto das nossas vidas, para queremos comprar Funkos e bonecos de pelúcia, e tudo mais. A Pixar realmente tem esse dom e eu agradeço, todos os dias, por me permitir sentir o que eles querem que eu sinta, por chorar em cada cena que eles querem que eu chore! Estamos ansiosos por dezembro? *Estamos* \o/

Claro que eu não poderia simplesmente citar Divertida Mente no tópico acima, sem destacar que CHOREI CHOROS EMOCIONADOS DO COMEÇO AO FIM DO FILME. Obrigada Pixar, por mais vez, me mostrar que sou uma verdadeira retardada quando saio do cinema com a cara completamente inchada, me sentindo a pessoa mais sentimental e mimimizenta do planeta Terra. Enquanto crianças saíam saltitando ao lado de seus pais, como se tivessem ido ao parque de diversões. #comolidar – bom, se você ainda não viu o filme, VÁ LOGO! E depois, leia nosso post sobre ele aqui! Tem um bocadinho dele aqui embaixo também!

Outro filme que arrancou meu coração pela boca e me fez ficar engasgada de tanto chorar foi Wall-E! Quem diria que uma taurina, super realista, como eu, sairia do cinema completamente embasbacada e com a cara inchada por conta de um amor entre dois robôs em um Planeta Terra pós-apocalíptico? Se me contasse eu não acreditaria… Mas saí e sairia de novo, quantas vezes a Pixar quisesse fazer um filme com esses dois fofos. Meu Deus, como é bom amar a Pixar e acompanhar esse trabalho de gastrite aguda que eles fazem nos adultos de hoje em dia, hein? Curta um pouquinho de Wall-E ou relembre essa bomba de emoção…

E como falar da Pixar sem citar uma das obras de arte mais emocionantes que eles já fizeram? Sim, estou falando e babando mais uma vez por Up – Altas Aventuras. O filme é um soco no estômago, uma bomba de fofura e de amor, de alegria e de tristeza – quase um atentado a todos os nossos sentimentos mais puros e sinceros. Eu não consigo assistir esse filme mais de uma vez por ano, já que me sinto um trapo de gente, toda vez que ele termina. É choradeira do começo ao fim, é reflexão sobre a vida, o universo e tudo mais, é plano para o futuro, sabendo que precisamos aproveitar o dia de hoje mais do que tudo! É muita coisa para lidar! Mate um pouquinho da saudade…

E vamos encerrar com meu queridinho de todos os tempos? Aquele que me faz ter mais fome do que ver Julie and Julia? Olha essa gostosura de Ratatouille – esse rato que não tem nada de nojento quando começa a dançar e perambular pela cozinha de um dos restaurantes mais famosos de Paris! Eu lembro, como se fosse hoje, que, quando vi o trailer pensei: “Hummm, rato cozinhando? Acho que não hein Pixar” – TOMA NA CARA! Não só curti o rato cozinhando, como esse se tornou um dos meus filmes favoritos da vida, vejo 500 vezes por ano e, de quebra, queria ter um rato daqueles aqui em casa. Como lidar com isso Pixar, como lidar? Mate a saudade dele aqui:

Agora, preciso terminar esse post, porque, se deixar, vou colocar todo o catálogo de filmes da Pixar aqui e os pontos que me levaram a chorar compulsivamente, me emocionando com as coisas cheias de emoções que eles criam. COMO LIDAR? Que venha o dinossauro e mais tudo que eles quiserem jogar em meu coração emocionado. Não me deixe crescer Pixar, nunquinha! Continue me fazendo muito feliz.

Agora chegou a sua vez, me conte no final desse post, qual o seu filme da Pixar favorito, e porque! 🙂 Beijos!

Cris Siqueira
por

Cris Siqueira

Nerd, administradora, RPGista, apaixonada por gastronomia, curiosa sobre todos os assuntos e acha que Darth Vader é Deus. Gasta seus “bons tempos” escrevendo, lendo, vendo seriados e viajando. Reza todos os dias para tirar sempre 20 nos dados e nunca morrer no meio de uma batalha!

Recomendamos para você