“Eu tentei descobrir se eu era mais Randall ou Fraser, e o que eu percebi é que eu sou mais você do que eu sou qualquer um dos meus pais. E seu eu puder ser a metade da mulher que você é então eu vou ficar bem.” – Brianna

 

Eu sei que está parecendo repetitivo iniciar cada crítica elogiando um novo episódio de Outlander, mas esta temporada está fabulosa e a cada semana eu fico mais feliz com o espetáculo que estamos recebendo. O episódio abre com um close das mãos de Claire pintando um enfeite para o primeiro natal de Brianna.

Depois em 1968 vemos Claire em ação como a brilhante Dra. Randall em uma cirurgia difícil. Corta para Brianna em uma aula de história onde ela prefere desenhar os arcos da universidade a prestar atenção à história da independência da América e fica sabendo que foi reprovada. Ela retorna até a sua casa e começa a tocar nos enfeites de Natal, cheira o cachimbo que era de seu pai Frank (Tobias Menzies), olha fotos antigas dela com seus pais. Brianna está confusa e não somente com os estudos, mas principalmente sobre quem ela é.

No hospital Joe Abernathy (Wil Johnson) pergunta a Claire se ela arrumou um homem na Escócia. Ela diz que é alguém do seu passado, mas que seguiram caminhos separados. Claire tinha esperança que eles se encontrassem novamente, porém o destino não quis. E Joe diz: “que dane-se o destino!” – Eu adoro o bom amigo Joe. Já que é Natal, além de comidinhas, músicas e presentes, o que temos também?

Visitas inesperadas e o nosso bom e atrapalhado Roger (Richard Rankin) surge querendo vivenciar o seu Natal americano com sanduíche de lagosta e torta de creme de Boston – na verdade o bom escocês azarado quer mesmo é ficar pertinho de Brianna e é bom aproveitar enquanto o papai está longe lá no século XVIII – ele chega bem na hora em que Claire e Brianna estão aos gritos discutindo a decisão de Bree em sair de Harvad e mudar-se da casa de Claire. Roger fica na casa delas e aproveita para contar que finalmente encontrou Jamie.

Roger mostra um panfleto impresso em Edimburgo no ano de 1765, que inclui a frase que Claire citou a Jamie, sobre liberdade e a gangue do whisky. E Roger comenta que o autor Robert Burns teria na época somente seis anos e que ele escreveria o poema só 21 anos depois. Só alguém do futuro saberia disso. Ele mostra para Claire também o nome do impressor, Alexander Malcolm, que são os dois nomes do meio de Jamie.

Claire tem uma reação que Roger não esperava, ela tem medo de criar esperança e não dar certo, mas Roger insiste que isso é mais do que ter esperança. É Jamie, e ele é real. Que ela pode ir ao encontro dele, mas ela decide que não vai, pois ela não pode abandonar Brianna e pede para que Roger não diga nada a sua filha sobre isso.

Novamente no hospital, Claire e Joe estão analisando um esqueleto de mulher que foi encontrado em uma caverna no Caribe, Claire quando segura o cranio intui que a mulher foi assassinada há pelo menos cento e cinquenta anos, isso surpreende o seu amigo que confirma que a mulher era branca e realmente foi assassinada, mas há duzentos anos. Saberemos nos próximos episódios a quem pertence essa ossada?

Eu aposto que sim. Joe pergunta mais sobre a paixão escocesa de Claire e ela responde que ele é o pai biológico de Brianna, e que ela nunca deixou de amá-lo. Joe gosta do que ouve e diz para Claire que se ela tiver uma segunda chance no amor, que ela deve aproveitá-la. Ah, Dr. Joe te vi tão pouco e já te considero muito. Claire, Brianna e Roger participam de uma homenagem para Frank na universidade. Claire reencontra com a amante de Frank, Sandy, que fala para Claire que ela foi egoísta e não deixou Frank ser livre.

Que Frank falava para ela que não acabava com aquele casamento por causa de Brianna, mas que ela sabia que Frank sempre amou Claire mesmo ela não correspondendo e que ela aceitava aquilo porque ele foi o amor da vida dela e daria qualquer coisa para ter mais um dia com ele. Brianna percebe a tensão entre a sua mãe e Sandy, e pergunta quem era aquela mulher, porque recordava-se do seu pai a olhando da mesma forma que ele olhava para ela.

Brianna pede que não haja mais mentiras e Claire conta que Frank tinha um relacionamento com Sandy, que a amava e pretendia se casar com ela. Elas têm uma conversa franca de mãe e filha como também de mulher para mulher. Brianna preocupa-se por ela não ser filha biológica de Frank e ser tão parecida com Jamie, e de que isso tenha sido a razão do fracasso do casamento deles e pergunta se ela guarda algum ressentimento por ter abandonado Jamie por ela.

Claire diz que criar Brianna sempre foi a maior realização de Frank e que ela ressentiu ter que deixar Jamie, mas quando a segurou nos braços e a amamentou se apaixonou como jamais pensou que fosse possível. Claire também fala para Brianna que Roger encontrou Jamie. Claire sabe agora que pode voltar e encontrar Jamie, mas ela sabe o quanto isso pode custar, a sua vida e carreira como também a vida que ela teria no futuro com a sua filha, como não ver o seu casamento, não segurar o seu neto, não ver as mudanças que ela teria em sua vida.

Brianna fala para Claire que agora é o momento dela voltar e contar a Jamie que o sacrifício que ele fez deu certo. Claire confessa que tem medo do que vai encontrar questiona se Jamie ainda a ama, se ele reconstruiu a sua vida com outra pessoa, se ele ainda vai desejá-la. Brianna fala que se o sentimento que Jamie sentia por ela for o mesmo que ela descreveu sentir por ele, então ela não tem o que temer.

Claire assiste com os seus colegas de trabalho os votos de Feliz Natal dos astronautas que estão na Apollo 8 e Joe pergunta como é que os astronautas podem voltar à terra e viverem depois de terem ido tão longe. Claire pensa que ela foi para mais longe do que a lua e voltou, mas não era mais a mesma pessoa. Claire pergunta ao seu amigo Joe se ela é uma mulher atraente, o bom doutor diz que ela, Lady Jane, é há quinze anos uma branca magrela com uma bela bunda.

Eu simplesmente adorei o Dr. Joe e ainda bem que Claire teve um bom amigo como ele, espero revê-lo. Claire decide voltar, ela ganha uma caixa cheia de moedas do século XVIII, um livro sobre a Escócia de Roger e um colar com a pedra topázio de Brianna para a sua travessia nas pedras.

Claire diz que separou alguns equipamentos médicos e mais algumas coisas para levar, fala que vai fazer o seu traje com bolsos secretos e lembra-se que sempre fez as fantasias de teatro de Brianna. Roger brinca que ela não se esqueça do cinto de utilidades do Batman e ao som do tema do Batman vemos uma prendada Claire costurando o seu traje de época, ela também olhando no espelho resolve retocar os fios grisalhos, afinal vai reencontrar o boy depois de 20 anos, apesar de Claire ser linda em qualquer século, década e com qualquer cabelo.

Roger e Brianna encontram com Claire que está pronta para ir ao encontro de Jamie. Claire entrega os documentos da casa e diz que todo o dinheiro foi transferido para o nome dela, pede que ela entregue ao seu amigo Joe a sua carta de demissão, despede-se e entrega à Brianna o colar de pérolas que foi da mãe de Jamie e que ele a presenteou em sua noite de casamento. Claire fala que não quer que Brianna vá com ela até as pedras, porque na primeira que ela atravessou foi algo assustador, na segunda vez teve o seu coração partido e que nessa terceira vez ela gostaria que fosse de forma tranquila, e se Brianna estivesse lá ela não teria coragem de ir.

As escolhas impossíveis de Claire e o relacionamento entre mãe e filha; foram o foco deste episódio. Não é nenhuma novidade para quem acompanha as minhas críticas que eu fale sobre a atuação maravilhosa que Caitriona Balfe dá a sua Claire e neste episódio ela foi fabulosa. Ao lado do episódio 2x07 – Faith, este episódio até agora foi uma das melhores atuações de Caitriona.

Durante todo o episódio era possível sentir o dilema das escolhas que ela tinha que fazer, nos olhos dela era possível ver a força da personagem em escolher deixar sua filha para sempre e isso de uma forma sutil. Já vi Claire como esposa, mas neste episódio foi possível vê-la como a mãe de Brianna e ela foi totalmente poderosa. Caitriona Balfe é uma atriz espetacular que soube dar a sua Claire todas as facetas que ela ganhou durante as três temporadas. Claire foi uma enfermeira na guerra, uma curandeira e médica, uma esposa, uma guerreira e uma mãe. Claire é uma personagem lutadora e corajosa que não foge e enfrenta as suas batalhas.

Ela é uma líder e uma mulher à frente de qualquer época em que esteja. Claire é o coração e a alma de Outlander. Claire e Brianna construíram um relacionamento de mãe, filha e amigas. E Caitriona e Sophie Skelton nos brindaram com uma dinâmica muito boa criando momentos ótimos. Há vários momentos emocionantes e que me levaram às lagrimas durante este episódio. O adeus entre mãe e filha. Quando Bree diz para Claire que ela deve ir ao encontro de Jamie, pois ele desistiu dela e do seu amor para que ela (Brianna) vivesse e que agora era o momento dela devolvê-la para ele. Foi lindo e emocionante.

E não tem como não lembrar da despedida entre Jamie e Claire no episódio 2 x13, em que ele a manda embora para o futuro para que ambas tivessem chance à vida e só então, quando Claire não pode ver mais, ele deixa cair uma única lágrima. Quando Claire está caminhando para o taxi e vira-se para olhar para trás, vê Bree e Roger na janela, joga um beijo e vai embora. Uma única lágrima desce pelo rosto de Claire. E Bree que segurou todo o tempo a sua dor por ver a sua mãe partir para sempre, sendo forte e seguindo o mesmo exemplo do seu pai Jamie, desaba nos braços de Roger depois. Claire faz a travessia e o show permite que a mágica aconteça, e ela está novamente em Edimburgo do século XVIII em busca do seu único amor.

E esse é o momento mais esperado, ela está de volta, Claire a nossa protagonista, uma das mulheres mais fortes e corajosas da literatura. E sai em busca de A. Malcom o impressor, ela encontra o beco, vê, lê e toca na placa com o nome dele e sobe lentamente os degraus da escada até chegar à porta, respira, dá uma última ajeitada em seus cabelos e entra. Durante todo o trajeto de Claire, o rosto de Caitriona mostrou todo o medo, ansiedade e emoção por reencontrá-lo e eu sentia junto com ela tudo isso.

E ele está lá, é ele o seu amado Jamie, com o sotaque inconfundível e com o seu bom humor. Ele está de costas, pensa que possa ser o seu empregado Geordie, mas Claire emocionada fala que não, que é ela. Claire. E mesmo de costas podemos ver quando Sam Heughan mais uma vez brilhantemente mostra a rigidez e emoção que Jamie tem ao ouvir aquela voz, quando ele vira de frente para ela, ele vai do susto para a lividez até cair de forma graciosa e nos deixar totalmente ansiosos por mais essas duas semanas até o próximo episódio.

Este é o momento que tanto esperamos depois de tanto sofrimento, enfim o melhor casal está junto novamente. Claire e Jamie, lindos, apaixonados e juntos. Outlander é uma série maravilhosa, Outlander são Claire e Jamie juntos, Outlander é a história de um amor atemporal e eu estou muito feliz com o meu casal reunido e ansiosa pelo dia 22 de outubro porque teremos o tão esperado reencontro.

OUT¹: Comentei que gostaria de ver a história de Roger e Brianna sendo mais desenvolvida e aconteceu isso neste episódio, eles foram fofos e se apoiaram.
OUT²: Eu amei que Claire levasse a camisa de Brianna com ela, uma forma de trazer o cheiro de sua filha por mais tempo com ela.
OUT³: Eu sei que muitos fãs que leram os livros reclamam das mudanças feitas na série, mas no geral esta temporada está um show fabuloso. Mais uma vez digo que Sam Heughan e Caitriona Balfe merecem todas as indicações e prêmios.
OUT4: Muitos detestaram a música tema do Batman tocando enquanto Claire costurava a sua roupa, eu adorei e ri muito. Na hora eu lembrei de Sam já ter vivido esse personagem e de Cait ter vivido no mundo na moda.

Texto Mari Barros

Curta nossa página no Facebook, conheça nosso grupo, Apaixonados Por Outlander, nos siga no Twitter Instagram. Inscreva-se no nosso canal do Youtube.

Convencido a dar uma chance para Outlander? Aproveite veja nosso último vídeo sobre a série!

Veja mais sobre Séries e Outlander

Compartilhe: