Seguindo com a nossa maratona de posts sobre o Oscar 2016 para deixar vocês mais ligados ainda em todos os indicados, vamos falar hoje dos indicados aos prêmios de melhor ator e melhor atriz coadjuvante! Muitos profissionais do entretenimento sonham com esse momento de ser indicados ao Oscar e, é sempre muito divertido, ver aqueles que auxiliam os atores principais de um filme, recebendo suas devidas premiações, galgando prestígio em Hollywood!

Para deixar vocês super por dentro do que está rolando de indicações e favoritos, estamos fazendo uma série de posts – já fizemos sobre as animações indicadas, sobre os filmes indicados ao prêmio principal, sobre as grandes estrelas – as atrizes indicadas e sobre os grandes astros – os atores indicados – também! Clique nos links para ler tudinho! Nos próximos dias, teremos mais posts indicando as categorias técnicas, os documentários, tudinho! Então fiquem ligados aqui no blog que todo dia tem novidade!

Vem comigo que a lista é bem grandinha hoje! Começando pelos atores indicados ao prêmio de melhor ator coadjuvante!

TOM HARDY – O Regresso (The Revenant)

Sobre o filme: 1822. Hugh Glass (Leonardo DiCaprio) parte para o oeste americano disposto a ganhar dinheiro caçando. Atacado por um urso, fica seriamente ferido e é abandonado à própria sorte pelo parceiro John Fitzgerald (Tom Hardy), que ainda rouba seus pertences. Entretanto, mesmo com toda adversidade, Glass consegue sobreviver e inicia uma árdua jornada em busca de vingança.

Sobre o ator: Desde o anúncio do trailer de “O Regresso”, Tom Hardy vinha como forte candidato ao Oscar 2016. No decorrer da corrida parecia que ele havia perdido terreno, mas o longa foi muito admirado pela Academia, que indicou as duas maiores estrelas da trama. Com o seu persongem do mal, Hardy tem mais chances do que imagina como Ator Coadjuvante. Nesta categoria há mais vencedores que interpretaram vilões ou de moral duvidosa do que em qualquer outra categoria – em 2008, 2009 e 2010 foi consecutivo: Javier Bardem com “Onde os Fracos Não Têm Vez”, Heath Ledger com “Batman: O Cavaleiro das Trevas” e Christoph Waltz com “Bastardos Inglórios”. Além disso, nos últimos 10 anos, 5 vencedores levaram a estatueta na sua primeira nomeação ao Oscar.

Essa é a primeira indicação de Tom ao Oscar.

LEIA NOSSO POST COM 5 MOTIVOS PARA ASSISTIR O REGRESSO (SEM SPOILER)

LEIA NOSSO POST COM CURIOSIDADES REAIS SOBRE A HISTÓRIA DE O REGRESSO

MARK RYLANCE - Ponte dos Espiões

MARK RYLANCE – Ponte dos Espiões (Bridge of Spies)

Sobre o filme: Quando o diretor e produtor Steven Spielberg decide fazer um blockbuster sobre a Guerra Fria, pode-se esperar uma enésima produção enaltecendo a coragem americana diante do perigo vermelho. Felizmente, Ponte dos Espiões está distante da euforia militarista. Em primeiro lugar, este é um filme didático: letreiros e personagens explicam de modo simplificado as principais características do embate entre os Estados Unidos e a União Soviética, para que nenhum espectador se sinta deslocado. Spielberg tem clara preocupação em dialogar com um público amplo.

Sobre o ator: Desconhecido do grande público, Mark vinha sendo falado como candidato desde antes da estreia de “Ponte dos Espiões”. Perante aos seus concorrentes, ele foi o que se manteve melhor durante toda corrida até sua nomeação concreta. Ele interpreta um personagem real, algo que a Academia valoriza, mas não tanto na categoria de Melhor Ator Coadjuvante – nos últimos 10 anos, apenas 2 vencedores foram intérpretes de personagens reais. Um ponto positivo é que nos últimos 10 anos, 8 vencedores da categoria vieram de filmes que também foram nomeados ao Oscar de Melhor Filme. O problema é que nesta categoria dificilmente um ator “desconhecido” do grande público ganha de primeira – Christoph Waltz em 2010 e J. K. Simmons em 2015 são os únicos casos recentes.

Essa é a primeira indicação de Mark ao Oscar.

LEIA NOSSO POST SOBRE PONTE DOS ESPIÕES

SYLVESTER STALLONE - Creed

SYLVESTER STALLONE – Creed: Nascido para lutar (Creed)

Sobre o filme: Adonis Johnson (Michael B. Jordan) nunca conheceu o pai, Apollo Creed, que faleceu antes de seu nascimento. Ainda assim, a luta está em seu sangue e ele decide entrar no mundo das competições profissionais de boxe. Após muito insistir, Adonis consegue convencer Rocky Balboa (Sylvester Stallone) a ser seu treinador e, enquanto um luta pela glória, o outro luta pela vida.

Sobre o ator: O retorno de Rocky! Depois de 39 anos, Sylvester Stallone volta a ser nomeado ao Oscar pelo mesmo personagem que lhe consagrou. Contudo, dessa vez, ele surge como ator coadjuvante. A sua nomeação já mostra que a Academia está mais aberta, mas ganhar é outra coisa. Claramente os fãs e críticos estão juntos na torcida para que Stallone ganhe o seu primeiro Oscar aos 69 anos. A questão é: será que a Academia terá preconceitos com Stallone e o seu personagem? Há quem diga nos bastidores que sim, tem muitos, mas também há muitos que querem premiá-lo. É sabido que a Academia adora grandes retornos de atores e esse pode ser o trunfo do veterano ator. O bom para Stallone é que não há um favorito da categoria com antecedência como no ano passado. Não há nada definido. Mas não seria um momento único se ele ganhasse?

Essa é a primeira indicação de Sylvester ao Oscar.

MARK RUFFALO - Spotlight

MARK RUFFALO – Spotlight: Segredos Revelados (Spotlight)

Sobre o filme: Baseado em uma história real, o drama mostra um grupo de jornalistas em Boston que reúne milhares de documentos capazes de provar diversos casos de abuso de crianças, causados por padres católicos. Durante anos, líderes religiosos ocultaram o caso transferindo os padres de região, ao invés de puni-los pelo caso.

Sobre o ator: Ruffalo já é um velho conhecido desta categoria. O mais experiente em nomeações como ator coadjuvante perante aos seus concorrentes. A Academia adora as suas atuações tanto dramáticas quanto cômicas. Pelo jeito que caminha, Ruffalo pode se tornar o próximo Leonardo DiCaprio se continuar a ser indicado e não ter um Oscar para contar história. Algo positivo é que diferente de suas nomeações anteriores, a sua performance vem de um filme nomeado a Melhor Filme (e é um dos favoritos para conseguir a principal estatueta). O problema é que nos últimos 30 anos, apenas três vencedores de ator coadjuvante vieram de filmes ganhadores do Oscar de Melhor Filme – Javier Bardem em 2008 por “Onde os Fracos Não Têm Vez”, Morgan Freeman em 2005 por “Menina de Ouro” e Gene Hackman em 1993 por “Os Imperdoáveis”.

Mark já foi indicado ao Oscar três vezes, por Minhas Mães e Meu Pai, Foxcatcher e Spotlight – ainda não levou nenhuma estatueta para casa.

LEIA NOSSO POST SOBRE SPOTLIGHT

CHRISTIAN BALE - A Grande Aposta

CHRISTIAN BALE – A Grande Aposta (The Big Short)

Sobre o filme: Michael Burry (Christian Bale) é o dono de uma empresa de médio porte, que decide investir muito dinheiro do fundo que coordena ao apostar que o sistema imobiliário nos Estados Unidos irá quebrar em breve. Tal decisão gera complicações junto aos investidores, já que nunca antes alguém havia apostado contra o sistema e levado vantagem. Ao saber destes investimentos, o corretor Jared Vennett (Ryan Gosling) percebe a oportunidade e passa a oferecê-la a seus clientes. Um deles é Mark Baum (Steve Carell), o dono de uma corretora que enfrenta problemas pessoais desde que seu irmão se suicidou. Paralelamente, dois iniciantes na Bolsa de Valores percebem que podem ganhar muito dinheiro ao apostar na crise imobiliária e, para tanto, pedem ajuda a um guru de Wall Street, Ben Rickert (Brad Pitt), que vive recluso.

Sobre o ator: Christian Bale começou a carreira como criança e cresceu diante de nossos olhos através de vários filmes. Ele é um ator muito admirando pelos votantes da Academia. Bale também é um velho conhecido da categoria, já que ganhou em 2011 por sua transformação física em uma interpretação baseada na real história de “O Vencedor”. O seu retorno na categoria foi quase uma das últimas previsões como candidato a ator coadjuvante, já que houve a entrada de última hora do longa. Mas será que ele tem chances de ganhar sua segunda estatueta de Melhor Ator Coadjuvante? Não é provável, mas não é impossível. No histórico da categoria: Walter Brennan com 3 Oscars, Melvyn Douglas com 2, Christoph Waltz com 2, Peter Ustinov com 2, Anthony Quinn com 2 em participações muito pequenas e Jason Robards com 2 Oscars consecutivos.

Christian já recebeu duas indicações ao Oscar por O Vencedor e A Grande Aposta – já levou uma estatueta para casa por O Vencedor.

Agora vamos às indicadas como melhor atriz coadjuvante no Oscar 2016!

JENNIFER JASON LEIGH - Os 8 Odiados

JENNIFER JASON LEIGH – Os 8 Odiados (The Hateful Eight)

Sobre o filme: Durante uma nevasca, o carrasco John Ruth (Kurt Russell) está transportando uma prisioneira, a famosa Daisy Domergue (Jennifer Jason Leigh), que ele espera trocar por grande quantia de dinheiro. No caminho, os viajantes aceitam transportar o caçador de recompensas Marquis Warren (Samuel L. Jackson), que está de olho em outro tesouro, e o xerife Chris Mannix (Walton Goggins), prestes a ser empossado em sua cidade. Como as condições climáticas pioram, eles buscam abrigo no Armazém da Minnie, onde quatro outros desconhecidos estão abrigados. Aos poucos, os oito viajantes no local começam a descobrir os segredos sangrentos uns dos outros, levando a um inevitável confronto entre eles.

Sobre a atriz: Quantas carreiras Tarantino já não redescobriu no cinema? Isso é fato! Jennifer é a bola da vez, e muitos previram que a nomeação iria acontecer desde o anúncio do longa. Contudo, Jennifer se vê numa situação complicada, já que pela primeira vez em muito tempo o longa de Tatantino não é indicado a Melhor Filme – incluindo o próprio, que foi esnobado na categoria de Roteiro Original. Outro fator negativo, nos últimos 10 anos, 8 vencedoras de atriz coadjuvante vieram de longas nomeados a Melhor Filme. Um ponto positivo, nesses mesmos últimos 10 anos, 7 vencedoras de melhor atriz coadjuvante levaram a estatueta na primeira nomeação ao Oscar.

Essa é a primeira indicação de Jennifer ao Oscar!

ALICIA VIKANDER - A Garota Dinamarquesa

ALICIA VIKANDER – A Garota Dinamarquesa (The Danish Girl)

Sobre o filme: Cinebiografia de Lili Elbe (Eddie Redmayne), que nasceu Einar Mogens Wegener e foi a primeira pessoa a se submeter a uma cirurgia de mudança de gênero. Em foco o relacionamento amoroso do pintor dinamarquês com Gerda (Alicia Vikander) e sua descoberta como mulher.

Sobre a atriz: A revelação do cinema em 2015 conseguiu sua vaga em Melhor Atriz Coadjuvante – mesmo sendo protagonista. Assim como Jennifer, Alicia se prejudica pelo seu longa não ter sido nomeado a Melhor Filme. Contudo, por ser uma revelação, ela se beneficia na categoria. Neste últimos 20 anos, temos alguns casos como: Jennifer Hudson, Mo’Nique, Lupita Nyong’o, Mira Sorvino, entre outras. Não podemos esquecer que atrizes protagonistas colocadas como coadjuvantes no Oscar vencem com mais facilidade, como aconteceu com Jennifer Connelly por “Uma Mente Brilhante”. A categoria de melhor atriz coadjuvante ainda não está definida. Não há uma favorita como Patricia em 2015.

Essa é a primeira indicação de Alicia ao Oscar!

RACHEL MCADAMS - Spotlight: Segredos Revelados

RACHEL MCADAMS – Spotlight: Segredos Revelados (Spotlight)

Sobre o filme: Baseado em uma história real, o drama mostra um grupo de jornalistas em Boston que reúne milhares de documentos capazes de provar diversos casos de abuso de crianças, causados por padres católicos. Durante anos, líderes religiosos ocultaram o caso transferindo os padres de região, ao invés de puni-los pelo caso.

Sobre a atriz: Rachel é uma atriz que vimos evoluir através de seus longas. Por fim, a jovem atriz conseguiu a sua primeira nomeação ao Oscar. Assim como Ruffalo, a sua performance vem de um filme nomeado a Melhor Filme (e é um dos favoritos para conseguir a principal estatueta). O problema é que nos últimos 30 anos, apenas cinco vencedoras de atriz coadjuvante vieram de filmes ganhadores do Oscar de Melhor Filme – Juliette Binoche em 1997 por “O Paciente Inglês”, Judi Dench em 1999 por “Shakespeare Apaixonado”, Jennifer Connelly em 2002 por “Uma Mente Brilhante”, Catherine Zeta-Jones em 2003 por “Chigago” e Lupita Nyong’o em 2014 por “12 Anos de Escravidão”.

Essa é a primeira indicação de Rachel ao Oscar!

KATE WINSLET - Steve Jobs

KATE WINSLET – Steve Jobs (Steve Jobs)

Sobre o filme: Três momentos importantes da vida do inventor, empresário e magnata Steve Jobs: os bastidores do lançamento do computador Macintosh, em 1984; da empresa NeXT, doze anos depois e do iPod, no ano de 2001.

Sobre a atriz: Kate é a mais veterana entre as competidoras na categoria e mais experiente no quesito Oscar. Há 14 anos a atriz não era indicada nesta categoria – ela ficou um bom tempo na categoria de Melhor Atriz, onde levou sua estatueta em 2010. Dessa vez ela traz uma performance real em “Steve Jobs” – algo que a Academia valoriza, mas não tanto na categoria de Melhor Atriz Coadjuvante – nos últimos 30 anos, apenas 6 vencedoras foram intérpretes de personagens reais. Contudo, a vitória no Globo de Ouro é um bom sinal, nos últimos 10 anos, a premiação previu a vencedora do Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante em 7 ocasiões. Outro fato: imaginem ela e Leonardo como vencedores do ano. Isso iria quebrar a internet!

Kate já recebeu três indicações ao Oscar por Razão e Sensibilidade, Íris e Steve Jobs, mas nunca levou nenhuma estatueta para casa!

ROONEY MARA - Carol

ROONEY MARA – Carol (Carol)

Sobre o filme: A jovem Therese Belivet (Rooney Mara) tem um emprego entediante na seção de brinquedos de uma loja de departamentos. Um dia, ela conhece a elegante Carol Aird (Cate Blanchett), uma cliente que busca um presente de Natal para a sua filha. Carol, que está se divorciando de Harge (Kyle Chandler), também não está contente com a sua vida. As duas se aproximam cada vez mais e, quando Harge a impede de passar o Natal com a filha, Carol convida Therese a fazer uma viagem pelos Estados Unidos.

Sobre a atriz: Um dos primeiros nomes previstos na categoria de Melhor Atriz Coadjuvante desde a estreia de “Carol” no Festival de Cannes. A vitória como Melhor Atriz no Festival tinha lhe colocado na dianteira pela estatueta – desde que a categoria começou a ser entregue no ano de 1946 em Cannes, apenas cinco vencedoras se repetiram no Oscar: Shirley Booth, Simone Signoret, Sophia Loren, Sally Field e Holly Hunter. O problema é que todas essas ganhadoras foram na categoria de Melhor Atriz, nunca houve uma ocorrência em coadjuvante. Para os especialistas, o esnobe de “Carol” em Melhor Filme foi um golpe muito duro nas corridas de Cate e Rooney.

Essa é a primeira indicação de Rooney ao Oscar!

Texto sobre os atores: Termômetro do Oscar

E aí gente? Quais são suas apostas? Deixem aqui nos comentários! Beijos!