Os jovens estão bolados e tudo está bolado com os jovens!

Os jovens estão bolados e tudo está bolado com os jovens!

No post de hoje manterei uma postura mais séria. Até porque é algo que venho observando e gostaria de dividir com vocês, e se possível, ver o que a galera pensa. Hoje venho escrever sobre nós mesmos. Nós, os jovens.

 

Todos os meus posts aqui na coxinha são de bom humor, alguns de música, outros sobre esportes. Até então, não me passava na cabeça escrever algo mais sério, até porque não tinha achado um tema específico para tal.

 

Antes de começar a falar acerca do que me propus, quero deixar bem claro que o que está postado aqui é exclusivamente opinião minha, e que este texto não obedece a nenhuma regra pré-estabelecida por ninguém. É apenas o colunista do blog falando o que pensa. Trabalho numa empresa no centro do Rio que presta serviços (o famoso terceirizado) a uma BIG empresa da mesma cidade. Como não temos contato direto com o cliente final, lido com pessoas diversas, com visuais diversos e pensamentos diferentes. É ótimo poder lidar com pessoas dessa maneira, pois só o bom senso e algumas normas padronizadas (que são poucas) delimitam o comportamento e a maneira como convivemos na empresa. Deparo-me o tempo inteiro com “jovens aprendizes”, universitários em busca de alguma grana pra bancar ou ajudar nos custos da faculdade, ou aqueles que adquirem responsabilidades “muito grandes”, como filhos, casamento cedo e etc.

 

O que me traz a escrever este post é a diferença abissal que vejo entre dois extremos: Ou o individuo é extremamente focado, dedicado, tentando ao máximo aproveitar a oportunidade que lhe é dada, ou, infelizmente, ele não está nem aí. E o pior, aqueles que não estão nem aí, são justamente aqueles que mais precisam. Ajudo no treinamento de alguns, e percebo a cada dia que passo, uma total falta de responsabilidade e de senso do que está acontecendo ao seu redor. Alguém vai me dizer: “Mas Jefferson, jovem é isso aí. Não liga para nada. Sempre foi assim.”. E eu te respondo o seguinte: Quer ficar a toa, curtir a vida, aloprar? Acho digno. Mas faz isso na rua. Se essa pessoa procura um emprego, algum objetivo ela tem, e por mais que queira apenas Money para comprar um celular novo, ou uma calça jeans, aceitou os termos da empresa e assinou um contrato, honre ao menos a sua palavra e sua assinatura. É a partir daí que você começa a ser “alguém” de verdade.

 

Já trabalhei em outras grandes empresas, algumas de nível internacional, e todas sofrem do mesmo mal. De um lado estão os “engajados”: Esses vestem a camisa, não tem medo de acordar cedo, enfrentam as adversidades, correm atrás. Mas infelizmente, a grande maioria, não tem a menor ideia do que está fazendo da vida. Talvez seja por isso, que cada vez mais, o mercado pede a tal “experiência” e alguns se deparam com a velha questão: “Como ter experiência se ninguém me dá oportunidade?” E eu novamente te respondo: Porque antes de você, alguém foi lá e fez merda. Aí a empresa ficou bolada. Simples.

 

Isso se restringe só ao campo do mercado de trabalho?! Não. Já frequentei e frequento faculdade (ou universidade, como queira) e a quantidade de pessoas “descompromissadas” é assustadora. Professores, coordenadores e afins, às vezes (às vezes não, sempre) têm que agir como verdadeiros “cuidadores”, as famosas “tias” do jardim de infância, tamanha imbecilidade e falta de senso de alguns. Com certeza, alguns se perguntam: “E daí, tenho nada a ver com isso. Que se foda.”. Se você raciocinar o mínimo, perceberá que essas pessoas a que me refiro, é as que te atendem por telefone, em lojas, comércios em geral e afins. Alguns, por “peixada” ou por padrinho, estão até mesmo em cargos públicos e lidam diretamente com você, caro leitor(a). E se esse perfil de individuo procura o ensino superior por algum motivo, será o futuro médico, advogado, engenheiro e outros. De certa forma, e isso também é uma opinião muito particular, já sentimos as diferenças no nosso dia-dia. Sempre temos noticias de erros médicos grotescos, advogados cada vez mais fora dos padrões exigidos pela OAB e por aí vai. Falando especificamente do mercado de trabalho, a cada dia que passa, a dificuldade de achar um bom atendimento em empresas e lojas é cada vez maior. Em minha linha de raciocínio, a uma renovação de pessoas contínua no mercado de trabalho e quem está ganhando a oportunidade, não está aproveitando e nem tem ideia disso.

 

Lembrando sempre, que não é algo generalizado e muito menos estou me referindo à situação financeira, onde mora, raça, credo ou se torce pelo Flamengo ou Palmeiras. Refiro-me apenas ao nível de  responsabilidade, maturidade e compreensão do mundo. No mundo de hoje, ser jovem é uma tarefa extremamente difícil, já que enfrentamos um mundo cada vez mais cascudo, que pede mais e mais, e se você não entra na dança, fica sem cadeira.

 

 

Perfil Jefferson

Jefferson Montenegro

To boladão.
Facebook | Twitter

Jefferson Montenegro
por

Jefferson Montenegro

Orgulhoso de ser barbudo,flamenguista e baterista. Louco para voltar a morar na Lapa, adoro escrever! E contar histórias! Depois dê uma passeada pelo site e uma passadinha no "sobre nós", lá você encontrará meus outros textos e participações aqui na Coxinha Nerd! Bom divertimento!

Recomendamos para você