Eu nunca tinha acompanhado uma série feita exclusivamente para o Netflix e arrisquei logo por Orange is the new Black. Fiquei apaixonada pela série devido aos conflitos femininos explorados de uma forma tão honesta e discreta ao mesmo tempo. Uma prisão feminina é um local verdadeiramente feminino, sem valores e sem pudores, correto? Completamente errado. Uma mulher pode ser criminosa e ainda super feminina, pode ser lésbica, e ainda super romântica. Engana-se quem acha que existe apenas uma regra para tudo.

Até o momento temos apenas uma temporada disponível, a segunda irá ao ar apenas em 2014, mas já é conteúdo suficiente para explodir nossa cabeça em alguns momentos. O legal é que homens também curtem bastante a série, não pelo mesmo motivo dos conflitos femininos, claro, mas sim pela quantidade de cena de sexo entre mulheres que rola ao longo dos episódios. Vejam a sinopse:

Orange Is the New Black gira em torno de Piper Chapman (Taylor Schilling), uma mulher que está noiva de Larry Bloom (Jason Biggs), e que é enviada a penitenciária federal por possuir uma mala cheia de dinheiro de drogas para Alex Vause (Laura Prepon), uma traficante internacional de drogas que foi por um tempo amante de Piper. Condenada a cumprir uma pena de quinze meses, Chapman troca sua vida confortável em Nova York para ter que sobreviver às dificuldades da vida na prisão.

orange

O mais divertido é a quantidade de personalidade diferente e engraçada dentro da prisão. Cada mulher que participa da história central tem um background diferente, umas estão na prisão por serem mulheres criminosas mesmo, outras nem tanto, foram apenas vítimas de situações ou pessoas que eram os verdadeiros criminosos. No final das contas, temos conteúdo o suficiente para muita diversão e drama ao mesmo tempo. A série é raciocinada de uma forma fantástica. Fiquei apaixonada mesmo.

alex e piper

A trama central da série é o relacionamento não existente, mas sempre presente das ex namoradas e ex cúmplices de tráfico internacional, Alex Vause e Piper Chapman. Alex é uma mulher decidida, lésbica super assumida, apaixonada por Piper, mas completamente sem escrúpulos – foi capaz de entregar a ex que não via há 8 anos apenas para poder ficar um pouco junto e tentar resgatar o relacionamento. Piper, por sua vez, é uma patricinha que teve um surto lésbico, namorou Alex e, por isso, teve uma vida de contos de fadas com viagens e festas o tempo inteiro. Quando seu coração apertou, o medo falou mais alto e ela abandonou Alex sozinha com seus problemas.

Anos depois conheceu seu noivo e começou a namorar, quando eles estavam prestes a casar, foi informada sobre sua prisão e participação no crime. Bom, Piper é mal acostumada, sem atitude, não tem nenhuma pró-atividade e ainda acha que o mundo inteiro gira em torno de seu umbigo. Imagine uma mulher assim em um local como a prisão estadual americana, cheia de gangues e mulheres acostumadas com dificuldades para conquistar algum tipo de espaço na sociedade. A história é mais ou menos essa, apaixonante, rosa, laranja, básica, angustiante, divertida e muito feminina. Aposto que todos vão amar, super indico.

Aproveite esta pausa nos seriados de TV do final de ano e curta um pouquinho de Netflix, vale bem a pena! 

Compartilhe: