Porque uma obra de arte vale milhões?

-por , em 02/01 -
Porque uma obra de arte vale milhões?

Quem nunca fez esta pergunta, não é mesmo? Em segundos quadros com pinturas consideradas obras primas são leiloados por milhões, como o quadro de Mark Rothko, arrematado por US$ 72 milhões, ou R$ 144 milhões em 2007. Foi o maior valor já oferecido por uma obra deste pintor. Mas, como explicar um valor tão alto por uma obra de arte? Parece estranho, mas apenas à primeira vista, porque o mercado possui regras que explicam o alto valor das obras.

O valor, no entanto, tem pouca relação com a complexidade da obra. Também é preciso entender que as cifras não remetem muito à habilidade do artista. O inglês Damien Hirst, por exemplo, delega a produção de seus famosos quadros de bolinhas a assistentes, que são instruídos sobre as cores e a ordem dos círculos. Mesmo assim, uma obra dessas já foi vendida a R$ 1,3 milhão. Tampouco importa o valor dos materiais que o artista usou. Basta olhar (ou cheirar) as criações do inglês Chris Ofili, feitas com esterco de elefante (e vendidas por mais de R$ 5 milhões).

O principal critério é o renome do artista, a marca que sua assinatura atribui ao quadro. Para entender, pense que quando compra cafés Starbucks, você não adquire apenas um um copo de bebida, mas a inclusão num grupo e o reconhecimento dos integrantes deste círculo. O mesmo vale para os grandes consumidores do mercado de arte. Com a diferença de que eles possuem milhões para gastar. E que as marcas que eles consomem – um Koons, um Hirst ou um Ofili – ficam penduradas na parede.

Quando um artista se torna uma marca, o mercado tende a aceitar como legítima qualquer coisa que ele apresente. Isso explica o fato de uma escultura de Michael Jackson custar mais de R$ 11 milhões. Ela pode até não ser das mais agradáveis de ter na sala, mas tem a marca do cantor. Ou seja, no fim das contas funciona como qualquer outra coisa de marca: quem compra, adquire status, e o valor vem desta lógica.

Construção de um nome

Os artistas, porém, não nascem sozinhos. Precisam do suporte de gente especializada em lançar marcas e gerenciar valores. Além disso, contam com pessoas dispostas a valorizar seus trabalhos. Muitos colecionadores do ramo investem em artistas novatos, enquanto os preços ainda estão baixos. Depois, quando a notícia da compra espalha, devido ao prestigio do colecionador, os valores aumentam e ele vende as obras por um preço mais alto.

Outra estratégia dos colecionadores é emprestar os quadros para museus e galerias, que ajudam a aumentar os preços com exposições. Para aumentar seus ganhos o artista pode ainda controlar a quantidade de obras que coloca no mercado. E, quanto menos produz, normalmente, mais caro elas custam.

Super Interessante

Cris Siqueira
por

Cris Siqueira

Nerd, administradora, RPGista, apaixonada por gastronomia, curiosa sobre todos os assuntos e acha que Darth Vader é Deus. Gasta seus “bons tempos” escrevendo, lendo, vendo seriados e viajando. Reza todos os dias para tirar sempre 20 nos dados e nunca morrer no meio de uma batalha!

Recomendamos para você