Olá, pessoal! Vamos falar mais uma vez de Neil Gaiman! (Sim, eu sei que têm outros posts falando dele, inclusive meus), mas, dessa vez, para falar mais profundamente de um livro que já fora citado em tempos remotos por nossa querida colabora Arthécia, mas, agora, teremos um pouco mais de detalhe. O livro do cemitério, que foi lançado no ano de 2008, conta a história de um menino cuja família foi assassinada de maneira misteriosa, e ele, por sorte, escapou, e mesmo sendo um bebê, conseguiu sair de sua casa, andar pela cidade, parar no cemitério, lugar este em que foi criado. Parece bem surreal, né? Pois é! Bem-vindo ao universo de Gaiman! Mas relaxa, que tudo isso eu explico melhor. Me acompanham?

Fazendo uma sinopse um pouco mais detalhada, sem spoiles, é claro, o livro conta a história de Ninguém Owens, ou simplesmente Nin, se preferirem, e como ele foi para um um cemitério, criado por fantasmas e teve por guardião, Silas, um homem (?) muito misterioso que sabia muito de Nin, mas que pouco revelava sobre. Todos do cemitério o protegiam do homem chamado Jack que matara sua irmã mais velha e seus pais, na verdade, o alvo era o menino, mas, ele escapara. E o livro passa a contar o cotidiano do menino vivo criado por fantasmas e tudo o que ele encontrou por lá.

O interessante do livro é como você sente o amadurecimento do menino, pela própria escrita do livro. No começo, o livro parece até meio sem sentido, você não sabe nada, só fica lendo uma sucessão de acontecimentos da vida de Nin, e chega até a pensar: “tá, mas o que isso tem a ver com o enredo? E o homem chamado Jack? Cadê? Quem é ou o quê é o Silas? Tudo bem, estamos lendo sobre as aventuras e os fantasmas com quem Nin está vivendo, mas e as respostas? Onde estão?” Sim, tudo isso passa pela cabeça, mas, conforme Nin vai crescendo e conhecendo a verdade, isso acontece conosco também!

E o que parecia uma série de acontecimentos aleatórios, se transforma em um enredo muito bem amarrado por Neil Gaiman, mostrando o porquê ele optou por nos contar certas coisas da vida de Nin. Não posso entrar em detalhes, mas é impressionante como Neil consegue mostrar um processo de amadurecimento durante o livro, passando uma visão mais infantil, para uma mais madura, fazendo com que terminemos o livro com aquele nó no coração de “acabou, cresci, agora tenho que enfrentar o mundo, assim como Nin”.

É um livro com mais de 300 páginas que te mantém interessado do início ao fim, com personagens interessantes,belas ilustrações  e uma boa construção de enredo, como já falei, os fatos vão sendo desvendados para nós sob a visão de Nin. A única coisa que eu acho que poderia ser mais aprofundado, é a parte em que explica quem é o homem chamado Jack, o porquê de querer matar Nin, quem era Silas e alguns de seus amigos que apareceram no meio do caminho que ficou breve demais, junto com a resolução do caso, mas mesmo assim, não tira o encanto do livro, fazendo você ficar super emocionado no final que pode-se dizer, é triste, apesar de Nin ter solucionado o seu caso.

Por isso, pessoas, não deixem de ler O Livro do Cemitério (não só esse livro, os outros livros de Neil Gaiman, também), pois ele é um escritor mágico, pois ele te deixa encantado no final, deixando aquele gostinho de quero mais, na verdade, queria até uma continuação para saber o que aconteceria com Nin. Então, não pervam tempo! Leiam esse e mais livros e comentem comigo, vou agradecer, profundamente, suas opiniões! Até mais!

Não deixem de comentar aí embaixo, na nossa página no Facebook e nas outras redes sociais:. Como diriam agora Cris e Panda: é tudoCOXINHANERD (tudo junto mesmo!)

Leia mais sobre Livros