Essa semana fui assistir O Agente da U.N.C.L.E, novo filme da Warner Bros. O filme é uma tentativa de reviver o sentimento de que o segredo seduz, de que a espionagem é um apanhado de fios interligados e para causar o retorno dos maiores agentes secretos das duas maiores nações na década de 50! Para quem não sabe, há algum tempo atrás, fomos convidados para assistir quatro cenas desse mesmo filme, e que eu contei tudo nesse post aquiComo falei antes, o filme me deixou maluco! Quatro cenas de ação que me colaram na cadeira, me encheu de expectativa e que me levou ao cinema com um alto nível de ansiedade.

Para quem curte temas de espiões secretos fazendo coisas absurdas com o que tem nas mãos, o filme é ótimo. Os agentes Cowboy (CIA) e Perigo (KGB) irão te entreter de forma absurda. Suas ferramentas de trabalho são interessantíssimas, levando em consideração a tecnologia da época do filme. E é exatamente aí que começam os problemas…

A trama, é batida! Toda a história gira em torno dos problemas da relação entre os dois agentes secretos. Sabe aquela velha história de duas pessoas que nunca trabalhariam juntas – mas que isso rola só porque foram obrigados No inicio é até divertido, mas não sai daí. As reviravoltas da trama são interessantes, o diretor tenta te surpreender o tempo todo. Mas, mais uma vez, no início do filme isso funciona e te diverte, mas, no meio do filme eu já estava um pouco cansado da mesma coisa o tempo inteiro.

Eu gostei do filme, foi divertido, mas, não explodiu minha cabeça, como eu imaginava que ia fazer. O filme se propõe a fazer uma continuação, mas não sei se ele tem conteúdo para isso. Já a fotografia, é linda! Muito bom ver o muro de Berlim, um nazista complemente louco, um assalto nuclear e um míssil explodindo tudo! Vale o ingresso, mas o filme acaba nos créditos, você não sai da sala querendo falar dele, o ciclo se fecha.

Caso você queira comentar e discutir qualquer cena, escreva aqui embaixo que responderei. Até a próxima!