Escolha uma Página

Quantas vezes nos perguntamos, se alguém olha por nós? Se alguém nos protege? Muitas! Mais ainda, são as crenças que giram em torno dos conhecidos “Anjos” que carregam esse fardo de nos cuidar por milênios. No entanto, “Ninguém tá olhando” chega pra mudar nossa concepção destes famigerados seres celestiais.

Uli (Victor Lamoglia) é o mais novo Angelus no 5511° Distrito. Sob a tutela dos veteranos Greta (Júlia Rabello) e Chun (Danilo de Moura), e o olhar implacável do inspetor Fred (Augusto Madeira), ele aprenderá as regras do Sistema Angelus e os castigos para quem desobedecê-las. Incapaz de aceitar as ordens arbitrárias do chefe, Uli decide ajudar os humanos por conta própria, entre eles a cativante Miriam (Kéfera Buchmann), o veterinário Sandro (Leandro Ramos) e Richard (Projota), um homem que teve o coração partido. Em poucas horas, o novato quebra todas as regras. Mas, para sua surpresa, não é punido. Será que o chefe está realmente de olho?

Será?

Daniel Rezende fez um trabalho excepcional com essa série, e conseguiu através de uma narrativa leve, mas ao mesmo tempo direta, estabelecer uma série de paralelos, além de introduzir pontos de debates sociais cruciais sem perder o toque de humor e sátira.

A exploração religiosa, o fato de nos sentirmos desamparados mesmo quando clamamos por uma ajuda divina, Relações amorosas… São apenas alguns dos pontos levantados no distrito, com cara de repartição pública onde os angelus recebem de forma aleatórias as pessoas que serão ajudadas naquele dia, pois asssim como na vida real -fazendo uma analogia com o policiamento brasileiro- não há um anjo por pessoa.

O elenco é incrível, muitos deles já são conhecidos pelas esquetes no “porta dos fundos” ou no “parafernalha” e se você for analisar, o show também acompanha esse tipo de Humor. Destaque para Victor Lamoglia (Uli), que trás um ar jovial, como um recém chegado precisa ser, com sede de saber e aprendendo que a vida não é fácil pra humanos, muito menos para angelus; Júlia Rabello (Greta) que tem uma pegada maternal com o Uli e por diversas vezes se questiona se deve continuar ajudando as pessoas e Kéfera (Miriam) ela é crucial pro crescimento do personagem Uli e acaba por ditar muito do ritmo da trama.

Ninguém tá olhando é realmente interessante, hilária e surpreendente. Me deixou com aquele gosto de quero mais, entende? Me fez rir na medida certa e pensar em muitos pontos -que até hoje seguem nebulosos- com outros olhos e que precisam sim, ser repensados por todos em todos os âmbitos sociais. Os 8 episódios de 30 minutos cada, com certeza serão na medida certa pra sua maratona!

Ninguém tá olhando estreia dia 22 de novembro na Netflix